Zona Maco no México recebe as galerias mais poderosas do mundo

© Cortesia Zona Maco Mexico

Se o nível de excelência, maturidade e, acima de tudo, a influência de uma feira de arte é medida pelas galerias que atrai, a Zona Maco México faz jus ao seu título como a principal feira de arte contemporânea mexicana e uma das mais importantes da América Latina. Realizando sua décima terceira edição em 2016, no Centro Banamex de 3 a 7 de fevereiro, a feria recebe 122 galerias de 24 países, entre elas algumas das galerias mais poderosas do mundo, como Gagosian e David Zwirner.

Também estreiam a britânica Lisson e a espanhola Elvira González, enquanto as americanas Gladstone, Bortolami e Paul Kasmin, a italiana Galleria Continua, a suíça MAI 36 e a portuguesa Filomena Soares voltam para somar a impressionante lista de expositores.

Este sucesso deve-se a sua diretora/fundadora, a mexicana Zélika Garcia, e ao curador mexicano Daniel Garza-Usabiaga, o novo diretor artístico, substituindo o espanhol Pablo del Val, que renunciou o cargo em setembro, depois de anos ligados à feira.

Além das duas mais influentes e rivais galerias do mercado de arte, outras 71 galerias de renome foram selecionadas por um painel integrado pelos galeristas Stefania Bortolami (Bortolami Gallery, em Nova York), Ben Loveless (Galerie Nordenhake, Estocolmo / Berlin) e Patricia Ortiz Monasterio (Galeria OMR, Cidade do México).

Entre os escolhidos estão 24 galerias mexicanas contra 20 em 2015, incluindo novamente Kurimanzutto, Labor, Proyecto Monclova, OMR, Arroniz, Hilario Galguera, Enrique Guerrero, Alfredo Ginocchio o Patricia Conde de Ciudad de México.

Haverá também galerias espanholas, pais que soma o maior numero de galerias participantes depois do México. São 12 representantes, contra 10 em 2015, entre eles Elvira González e SLOWTRACK, que estreiam, enquanto repetem a participação Luis Adelantado, La Caja Negra e outras.

O restante dos países latino-americanos somam 40 galerias, contra 34 na última edição. Destaque para a presença das argentinas Henrique Faria (Buenos Aires / New York) e Art Document (Buenos Aires), da Portuguesa Filomena Soares (Lisboa,) Patricia Pronto (Santiago) ou RGR + ART Venezuela (Caracas). Mais uma vez, Brasil e Colômbia não tem nenhuma galeria na seção principal da feira.

Por outro lado, como se tornou habitual em outras edições, a feira contará com outras cinco seções: Novas Propostas, com curadoria de mexicano Humberto Moro, curador independente e escritor; Zona Maco Sur, comissariada pelo segundo ano consecutivo pelo Português João Mourão e Luis Silva, co-diretores da Kunsthalle Lissabon, em Lisboa; Arte Moderna e, finalmente, Desenho, novamente com curadoria do mexicano Cecilia Leon de la Barra, designer industrial e curador independente.

Compartilhar: