Você acha que conhece Andy Warhol?

Quando Donna De Salvo conheceu Andy Warhol em 1985, ela era uma jovem curadora trabalhando na Dia Art Foundation. Ele era um artista de meia-idade, conhecido por usar uma peruca engraçada.

“As pessoas não estavam prestando atenção em seu trabalho”, diz De Salvo, que agora é vice-diretora de iniciativas internacionais e curadora sênior do Whitney Museum, em Nova York. “Ele era o cara que estava em muitas aberturas.”

A história pessoal de De Salvo com o artista icônico é muito relevante para Andy Warhol — From A to B and Back Again [Andy Warhol – de A à B e vice-versa], que abre no Whitney em 12 de novembro. Embora poucos artistas contemporâneos tenham sido objeto de tantas exibições em todo o mundo quanto Warhol , De Salvo visa oferecer uma perspectiva única sobre o seu trabalho – um ponto de vista pessoal. Ela olha por trás da máscara cuidadosamente construída de Warhol para explorar como um homem gay criado por imigrantes tchecos em uma família católica se tornou um dos artistas mais experimentais do mundo.

“Descobri que havia algo muito sério nele”, diz De Salvo, que organizou quatro exposições de Warhol ao longo de sua carreira. A quinta, no Whitney, é a maior da artista organizado por um museu americano desde a exposição de 1989 do MoMA, que antecipou uma aparentemente interminável “Warhol mania” no mundo da arte.

Separando o Mito do Homem

Ao longo de sua carreira, De Salvo revisitou Warhol a cada uma ou duas décadas. Ela organizou uma mostra do trabalho comercial de Warhol da década de 1950 para a Grey Art Gallery em 1989 e uma retrospectiva itinerante enquanto era curadora sênior na Tate, em Londres, no ano de 2002.

Tendo passado tanto tempo próxima ao trabalho de Warhol, ela pretende agora separar o mito do homem. “Fazer as pessoas realmente olharem para o que ele fez não é tão fácil quanto parece”, diz De Salvo, uma das poucas curadoras que trabalhou extensivamente em Warhol. “Há muitas mostras de Warhol sendo feitas, algumas boas, algumas oportunistas. Você coloca Warhol no nome e as pessoas aparecem. De certa forma, enlamea as águas, reforçando velhas leituras de Warhol”.

Parte de sua opinião sobre o artista decorre de uma espécie de identificação com Warhol – o filho de imigrantes tchecos. De Salvo sente-se vindo de um passado similar: “Meus avós eram do sul da Itália e vieram para Ellis Island, meus pais cresceram na Depressão”, diz ela. “Eu acho que a perspectiva de classe nunca sai. Isso está em grande parte de Warhol. Por mais que ele seja um insider, ele também é um estranho. É onde ele poderia ter esse olhar frio e perspectiva voyeurista. Até mesmo suas escolhas, a escuridão dentro dele, é muito influenciada pela complexidade dele como um homem gay, como um garoto imigrante, classe trabalhadora”.

No Whitney, De Salvo mergulha profundamente no trabalho pouco visto de Warhol dos anos 1950, feito depois que ele se mudou de Pittsburgh para Nova York em 1949 e começou a trabalhar como ilustrador comercial. “Você vê Warhol antes de Warhol, a invenção de si”, diz ela. A curadora justapõe suas primeiras atribuições – incluindo colagens de folhas de ouro feitas durante seus dois anos como ilustrador da empresa de calçados I. Miller – com seu trabalho pessoal.

Esquerda: Andy Warhol, Christine Jorgenson (1956). Direita: Andy Warhol, Sem título (Hand in Pocket) (c. 1956).

Um ícone gay

Andy Warhol, Self-Portrait (1964)

“Warhol foi muito mais apagado do que muitas pessoas na década de 1950”, incluindo os colegas artistas Jasper Johns , Robert Rauschenberg e Cy Twombly , observa De Salvo. Pouco depois da morte de Warhol, ela entrevistou muitos homens gays do mundo da publicidade e da moda que admiravam sua extravagância naquela época mais desleixada. O trabalho com o homoerotismo evidente foi frequentemente descartado: quando o artista Philip Pearlstein, colega de Warhol do Carnegie Institute of Technology, levou uma de suas pinturas de dois garotos se beijando na Galeria Tanager no final dos anos 50, ela foi recebida com risos.

Esse tipo de atitude pode ter levado Warhol a obscurecer tal conteúdo, postula De Salvo. Mas isso não significa que desapareceu, sendo incorporado em sua produção dos anos 1960. “Se ele escolhe Marlon Brando, é um galã feminino e um ícone gay. Marilyn poderia ser uma drag queen na maneira como ele articula isso”, afirma De Salvo. Quando Warhol fez retratos baseados em fotos do FBI para a fachada do Pavilhão do Estado de Nova York na Feira Mundial de 1964, ele estruturou a série “Os homens mais procurados”, em paralelo a uma série de testes de tela, filmados entre 1964 e 1966, chamada “Os Treze Meninos Mais Bonitos”.

Olhando abaixo da superfície

A exposição não seria um blockbuster sem a série de serigrafias canônicas de Warhol do início dos anos 60 – incluindo os “Desastres”, “Marilyns”, “Elvises”, “Electric Chairs” – e o Whitney terá exemplares importantes de cada um deles. Mas De Salvo também dedica considerável espaço ao trabalho que Warhol fez depois que ele foi baleado pelo escritor Valerie Solanas e quase morreu em 1968. Na exposição do MoMA de 1989, dois terços da exposição focaram em seu trabalho até os anos 1960, de acordo com De Salvo, que espera desafiar a percepção de muitas pessoas “de que depois que ele levou um tiro não fez nada de interessante”.

De Salvo argumenta que, de fato, ele começou a experimentar mais livremente naquele momento. “Ele se move em direção a algo que tem a aparência de abstração” – seja sua série de pinturas “Camouflage”, onde a paisagem estampada de uso militar alude a formas de esconder, ou seus “Rorschachs”, série que dialoga com a psicologia, abordando o problema de projeção e interpretação.

Andy Warhol, Rorschach (1984)

Em 1978, Warhol assume a sombra como assunto em si em uma série de formas iminentes serigrafadas em cores diferentes e polvilhadas com pó de diamante. “Ainda não se sabe qual era a fonte”, diz De Salvo. “Focar na sombra é a coisa mais existencial e filosófica”.

De Salvo vê as pinturas da “Última ceia” de Warhol – sua última grande série de meados da década de 1980, na qual ele se apropriou da famosa imagem de Leonardo – no contexto de sua educação católica, que ela compartilha. “Ninguém sabe com que freqüência ele foi à igreja, mas ficou claro que ele nunca desistiu de seu catolicismo”, diz ela. “Neste momento de 1980, há muita perda em sua vida devido à AIDS e ele está aterrorizado em pegá-la. Eu acho que ele também tem essa preocupação, um pouco supersticiosa, sobre a vida após a morte, que vem da origem de sua família na Checoslováquia. ”

“Andy Warhol – From A to B and Back Again” está em exposição no Whitney Museum, em Nova York, de 12 de novembro a 31 de março de 2019.

Fonte: artnet News

Compartilhar:
Notícias - 24/11/2016

Paris ganhará escultura de presente de Jeff Koons

O artista americano Jeff Koons doou uma obra de arte para a cidade de Paris e o povo da França …

Notas - 13/10/2015

Fábio Carvalho retorna a Lisboa para a segunda fase da intervenção urbana APOSTO

Depois de passar 30 dias na Residência Artística HS13rc entre fevereiro e março deste ano, o artista retorna a Lisboa …

Notícias - 01/06/2017

Olafur Eliasson em imagens incríveis

Uma exposição de obras do aclamado artista Olafur Eliasson abrirá no Musée d’art contemporain de Montréal de 21 de junho a 9 de …

Notícias - 28/04/2016

Diretor da Christie's abrirá novo Museu em Paris por Redação

O francês François Pinault, magnata de bens de luxo e o proprietário da casa de leilões Christie’s, anunciou planos para …

Notícias - 14/12/2017

VERBO 2018: Inscrições abertas

De 01 de dezembro de 2017 a 01 de março de 2018, estarão abertas as inscrições para envio de projetos …

Notícias - 02/03/2016

Um show a parte em Nova Iorque

Atualizado 3.3.2016 (Veja Galeria de Imagens exclusiva do Preview do dia 2.3.2016)

Atuando como principal uma das principais feiras internacionais de …

Notícias - 06/10/2016

O Crato de Sérvulo Esmeraldo

A surpreendente exposição de Sérvulo Esmeraldo em sua cidade natal, o Crato, continua em cartaz até 15 de outubro, atraindo …

Notícias - 13/04/2017

Revelados os primeiros 21 artistas para a Bienal de Sydney 2018

A Bienal de Sydney anunciou o primeiro grupo de 21 artistas para a sua 21ª edição em 2018 que acontecerá …

Notas - 05/02/2016

CAIXA Cultural e expo “Empresa Colonial” promovem oficina sobre processo criativo

Oficina para jovens artistas e estudantes de artes acontece no dia 13 de fevereiro de 2016, sábado, das 16 às …

Notícias - 03/02/2016

MAM anuncia artistas selecionados para os Clubes de Colecionadores de 2016

Com o objetivo de incentivar o colecionismo da arte contemporânea brasileira, o Museu de Arte Moderna de São Paulo apresenta …

Notícias - 14/06/2018

Por que a Queer Bienal está tão sombria este ano?

Nos anos 80, quando a AIDS devastou a comunidade gay e causou tremores em todo o mundo, brilhantes sonhos entre …

Notícias - 15/08/2017

Pantone anuncia cor púrpura oficial em homenagem ao Prince

O Pantone Color Institute anunciou que desenvolveu uma tonalidade oficial da cor púrpura em homenagem ao superstar Prince.

Colaborando com a …