Semana de Arte em São Paulo, veja toda programação

Delson Uchoa, Zipper Galeria

Evento organizado em torno de uma feira internacional, que apresenta ainda uma série de atividades culturais exclusivas, será realizado no Pavilhão das Culturas Brasileiras, no Parque Ibirapuera, de 01 a 03 de setembro, com curadoria do mexicano Pablo León de La Barra, do Guggenheim e MAC Niterói.

Depois de uma primeira edição, em 2017, a Semana de Arte retorna em 2018, de 01 a 03 de setembro com novidades. Além de uma nova sede – o Pavilhão das Culturas Brasileiras, no Parque Ibirapuera –, o projeto recebe como curador convidado o mexicano Pablo León de la Barra, atualmente responsável pela seção de arte latino-americana do Guggenheim e pela curadoria geral do MAC Niterói.

Comandado pelos galeristas Luisa Strina e Thiago Gomide e pelo empresário cultural Emilio Kalil, com consultoria do curador Ricardo Sardenberg, o evento se organiza em torno de uma feira de artes visuais, mas também traz sessões de filmes documentários, um ciclo de palestras e passeios arquitetônicos pela capital paulista. Enquanto no ano passado a programação cultural era espalhada por diversos endereços, neste ano todas as atividades – com exceção das excursões pela cidade – se concentram em um lugar só.

“O Pavilhão das Culturas é, possivelmente, um dos mais belos do conjunto Oscar Niemeyer, no Parque Ibirapuera, pela sua proporção e tamanho. Trazer praticamente tudo para dentro do mesmo endereço é mais prático, pois evitamos, assim, os problemas de deslocamento neste transito insano de São Paulo, oferecemos também mais conforto para os visitantes e para os galeristas e teremos um espaço, onde a seleção e qualidade das obras ficará mais evidente”, atesta Kalil.

A segunda edição do projeto aposta novamente no formato vitorioso de reunir um seleto grupo de galerias – são 43 no total – do Brasil e do mundo (lista completa abaixo), a partir de um conceito curatorial renovador. Como no ano passado, oferece um modelo em que os mercados primário e secundário não são divididos em seções distintas. Os estandes são dispostos sem hierarquia, ocupando espaços aproximadamente do mesmo tamanho, onde cada galeria apresenta projetos especiais, sejam solos, diálogos entre dois artistas ou em torno de temas específicos.

“As expectativas são positivas, porque o perfil do evento é atrativo e transmite confiança aos colecionadores ou jovens interessados em começar uma coleção. Esses são os dois principais trunfos da iniciativa: entregar credibilidade e gerar desejo”, explica Luisa Strina.

Outra vantagem, segundo os organizadores, consiste no fato de a edição atual ter sido programada – não por acaso – às vésperas da 33a Bienal Internacional de Artes de São Paulo, cuja inauguração acontece no dia 7 de setembro.

O curador convidado elegeu como eixo central de sua proposta curatorial a herança modernista da arte nacional e estrangeira, bem como seus inconscientes reprimidos – ou menos explorados – especialmente em presenças femininas ou afrodescendentes. Desta forma, estarão expostos diversos trabalhos assinados por mulheres, como Lygia Pape (Almeida & Dale Galeria de Arte); Marina Weffort (Sim Galeria e Simões de Assis Galeria); Ana Prata (Galeria Millan); Leda Catunda (Celma Albuquerque); Fernanda Gomes (Luisa Strina); Martha Araujo e Ana Mazzei (Galeria Jaqueline Martins), além de uma série de obras com viés político de artistas como Anna Maria Maiolino, Tarsila do Amaral, Carmela Gross, Lenora de Barros, Wanda Pimentel, Rosângela Rennó e Rosana Paulino, no espaço da galeria Arte 57.

Ainda dentro do contexto enunciado pelo curador, artistas negros contemporâneos, como Ayrson Heráclito (Portas Vilaseca), Arjan Martins (A Gentil Carioca), Maxwell Alexandre (A Gentil Carioca) e Dalton Paula (Galeria Sé), e nomes que retrataram a cultura afro-brasileira em suas obras, casos de Pierre Verger (Galeria Marcelo Guarnieri) e Carybé (Paulo Darzé Galeria), estarão representados no evento.

“A curadoria apresenta uma série de recortes que vai além do modernismo ‘heroico’, e abre espaço para correntes que estão agora sendo reavaliadas, como o universo feminino e as influências afrodescendentes. No âmbito da Semana de Arte, será uma oportunidade de ver simultaneamente várias exposições individuais e coletivas que tratam dessas perspectivas que raramente recebem destaque”, aponta Ricardo Sardenberg. “Por ser um curador estrangeiro com grande experiência trabalhando fora do Brasil, Pablo León de La Barra trouxe um olhar fresco e dinâmico para o evento”, completa Gomide.

Entre outros artistas de destaque desta edição estão Di Cavalcanti (Pinakotheke), Oswaldo Goeldi (Galeria Bergamin & Gomide), Arthur Luiz Piza (Fólio), Alexandre Canônico com Amílcar de Castro (Galeria Marília Razuk), Julio Le Parc com José Patrício (Galeria Nara Roesler), Frans Kracjberg (Galeria Frente), Tunga (Luhring Augustine, Franco Noero e Milan) e Willie Cole (Alexander and Bonin).

PASSEIOS ARQUITETÔNICOS

Dentro de sua grade de atividades culturais, a Semana de Arte promove três passeios por marcos arquitetônicos de São Paulo guiados pelo arquiteto Aieto Manetti. Os dois primeiros, realizados nos dias 25 de agosto e 01 de setembro, às 11h, contemplam, respectivamente, edificações emblemáticas do Centro e de Higienópolis, em percursos feitos a pé, enquanto o último, no dia 02 de setembro, às 15h, passa por construções de Lina Bo Bardi e Oscar Niemeyer, em trajeto percorrido por van (informações detalhadas sobre pontos de encontro, roteiro e inscrição estão no serviço abaixo).

DOCUMENTÁRIOS
A programação de filmes desta edição, com curadoria de Elisa Gomes, apresenta quatro documentários que abordam a vida e obra de importantes nomes das artistas visuais do país: “Assim é, se lhe parece” (2011), de Clara Gallo, sobre Nelson Leirner; “A paixão de JL” (2015), de Carlos Nader, sobre José Leonílson; “Maria — não esqueça que eu venho dos Trópicos” (2017), Francisco C. Martins e Elisa Gomes, sobre Maria Martins; e “Tudo é projeto” (2017), de Joana Mendes da Rocha e Patrícia Rubano, sobre Paulo Mendes da Rocha. Confira sinopses, datas e horários de exibição abaixo.
PALESTRAS
Duas palestras organizadas por Ricardo Sardenberg fecham o programa cultural da segunda edição do evento. No dia 1 de setembro, às 18h, Antonio Caro, um dos artistas conceituais mais importantes da Colômbia, conversa com o curador Pablo León de La Barra sobre a sua trajetória artística de quase cinco décadas, numa iniciativa da galeria Bergamin e Gomide, e, às 19h, o artista e poeta visual uruguaio Clemente Padin apresenta o seu mais recente livro, “Vanguarda poética latino-americana e outros ensaios”, em debate com o poeta, comunicólogo, e historiador brasileiro Omar Khouri. No dia seguinte, às 18h, a prestigiada curadora mexicana Julieta Gonzáles, diretora artística do Museu Jumex, na Cidade do México, conversa com o público sobre o tema “Memórias do Subdesenvolvimento”, onde explora como os artistas latino-americanos reagiram à destruição da promessa utópica da modernização, entre os anos de 1960 e 1980.

MOSTRA DE ARTE POPULAR

Além das palestras, dos filmes e dos passeios arquitetônicos – cuja programação será anunciada mais adiante –, o Pavilhão das Culturas Brasileiras sediará simultaneamente uma exposição com parte do seu acervo permanente, com obras de importantes nomes da arte popular do país, como Amadeo Lorenzato, Chico da Silva, Antônio Poteiro, Chico Tabibuia, GTO, Alcides, Antonio de Dedé e Resendio. Com este pequeno mas expressivo recorte, o Departamento dos Museus Municipais pretende dar continuidade ao seu processo de abertura e difusão do acervo do Pavilhão das Culturas Brasileiras ao público – democratizando cada vez mais o acesso a estes bens culturais.

Mais informações em www.semana.art

SERVIÇO – SEMANA DE ARTE 2018

FEIRA DE ARTE

Local: Pavilhão das Culturas Brasileiras (Av. Pedro Álvares Cabral, s/n – Ibirapuera)
Data: 01 a 03 de setembro *
Horários: 12h às 20h
Entrada: R$ 60,00 (inteira) / R$ 30,00 (meia) **
*A abertura para a imprensa e convidados acontece no dia 31 de agosto
**Venda de ingressos no local e no site www.semana.art

PROGRAMAÇÃO DOS PASSEIOS ARQUITETÔNICOS

• Inscrições pelo e-mail educativo@semana.art
• Gratuito

Roteiro 2

Higienópolis, novo morar

O bairro de Higienópolis se estabeleceu nas redondezas do centro histórico de São Paulo e acompanhou as transformações pelas quais a cidade passou. As antigas residências suntuosas que caracterizaram o bairro deram lugar a novos edifícios verticais que procuravam oferecer o conforto, refinamento e harmonia, porém adaptados aos novos costumes, gostos e necessidades da modernidade. O conjunto de experiências resultou em uma magnífica coleção de edifícios que traduzem com rara coerência os valores da arquitetura moderna inspirados pelo imaginário brasileiro.

Data: 01/09/18 (sábado)
Horário: 11h
Número de participantes: até 25 pessoas
Duração do Percurso: aprox. 90min
Ponto de Encontro: Praça Vilaboim (Praça Vilaboim, 144)
Trajeto percorrido a pé

Roteiro 3

Lina & Oscar

Lina Bo Bardi e Oscar Niemeyer foram arquitetos que ajudaram a definir importantes marcos culturais e urbanos da cidade de São Paulo em dois momentos distintos e determinantes. Nos anos 50, o MASP e os Pavilhões com a famosa marquise do Parque do Ibirapuera deram forma para as principais instituições culturais modernas e as novas centralidades urbanas. A partir da casa da arquiteta, de 1950, uma forma clara em meio a natureza, o SESC Pompeia e o Memorial da América Latina demarcaram posteriormente, de maneiras bastante distintas, momentos de expansão e renovação urbana da cidade. O olhar em paralelos desta semana diferentes “poéticas do concreto” nos instiga a pensar no papel definidor da cultura na cidade, através da arquitetura.

Data: 02/09/18 (domingo)
Horário: 15h
Número de participantes: até 14 pessoas
Duração do Percurso: aprox. 180 min
Ponto de Encontro: MASP (Av. Paulista, 1578)
Trajeto percorrido por van

PROGRAMAÇÃO DE DOCUMENTÁRIOS

Sábado, 1 de setembro, às 15h

Assim é, se lhe parece (2011)
Direção: Carla Gallo, 75 min

O artista plástico Nelson Leirner revela-se neste documentário despojado sobre a rotina e a intimidade de um criador iconoclasta. “Eu não queria ser artista, eu não queria ser nada”, afirma, ironicamente, ao relembrar sua trajetória. Avesso à formação e aos preceitos tradicionais das academias de arte, apropriou-se com liberdade e sem preconceitos das informações e ferramentas que lhe serviram para a criação artística.

Sábado, 1 de setembro, às 16h30

A paixão de JL (2015)
Direção: Carlos Nader, 82 min

Em janeiro de 1990, o artista plástico José Leonílson começou a gravar um diário em fitas cassete. Ele imaginava, desde o príncipio, deixar um registro público de suas memórias do cotidiano, em sintonia com seu trabalho na pintura. O que ele não imaginou foi a transformação deste cotidiano depois que descobriu ser portador do HIV.

Domingo, 2 de setembro, às 15h

Maria — não esqueça que eu venho dos Trópicos (2017)
Direção: Francisco C. Martins e Elisa Gomes

O filme explora a relação entre a vida e a arte de Maria Martins (1894-1973), hoje reconhecida como uma das maiores escultoras brasileiras. Ao mesmo tempo, revela a grandiosidade de sua obra e sua ousadia, ao tratar diretamente da sexualidade com visão feminina. Paralelamente, o filme resgata sua vida como esposa de diplomata e sua ligação amorosa com Marcel Duchamp, a profundidade dessa relação e a colaboração mútua dos dois artistas. Martins foi também fundamental para a arte brasileira como curadora, tanto na constituição do acervo do MAM/RJ como nas três primeiras Bienais de São Paulo.

Domingo, 2 de setembro, às 16h30

Tudo é projeto (2017)
Direção: Joana Mendes da Rocha e Patrícia Rubano

Documentário sobre a vida e obra do arquiteto Paulo Mendes da Rocha, contada por ele em entrevistas para sua filha. Com 89 anos de idade, Paulo Mendes é hoje um dos mais importantes e renomados arquitetos do mundo. É, porém, acima de tudo um pensador cujas ideias e opiniões polêmicas sobre urbanidade, natureza, humanidade, arte e técnica merecem ser ouvidas.

PROGRAMAÇÃO DAS PALESTRAS

Sábado, 1 de setembro, às 18h

Antonio Caro e Pablo León de La Barra – a arte de Antonio Caro

Sábado, 1 de setembro, às 19h

Clemente Padin e Omar Khouri – Vanguarda poética latino-americana e outros ensaios

Domingo, 2 de setembro, às 18h

Julieta Gonzáles – A memória do subdesenvolvimento

GALERIAS PARTICIPANTES

A GENTIL CARIOCA — Rio de Janeiro
ALEXANDER AND BONIN — Nova York
ALMEIDA E DALE — São Paulo
ANITA SCHWARTZ GALERIA DE ARTE — Rio de Janeiro
ARTE 57 — São Paulo
ARTEMOBILIA GALERIA — São Paulo
BERGAMIN & GOMIDE — São Paulo
CASA TRIÂNGULO — São Paulo
CELMA ALBUQUERQUE GALERIA DE ARTE — Belo Horizonte
CENTRAL GALERIA — São Paulo
DAN GALERIA — São Paulo
EMMATHOMAS GALERIA – São Paulo
FÓLIO GALERIA — São Paulo
GALERIA CAVALO — Rio de Janeiro
GALERIA ESTAÇÃO — São Paulo
GALERIA FRENTE — São Paulo
GALERIA ITAMAR MUSSE — Salvador
GALERIA JAQUELINE MARTINS — São Paulo
GALERIA LUISA STRINA — São Paulo
GALERIA MARCELO GUARNIERI — São Paulo
GALERIA MARILIA RAZUK — São Paulo
GALERIA MILLAN — São Paulo
GALERIA NARA ROESLER — São Paulo e Rio de Janeiro
GALERIA VERMELHO — São Paulo
GALLERIA FRANCO NOERO — Turim
GUSTAVO REBELLO ARTE – Rio de Janeiro
KUBIKGALLERY — Porto
LUCIANA CARAVELLO ARTE CONTEMPORÂNEA — Rio de Janeiro
LUHRING AUGUSTINE — Nova York
LURIXS: ARTE CONTEMPORÂNEA — Rio de Janeiro
PAULO DARZÉ GALERIA — Salvador
PAULO KUCZYNSKI ESCRITÓRIO DE ARTE — São Paulo
PERISCÓPIO ARTE CONTEMPORÂNEA — Belo Horizonte
PINAKOTHEKE — Rio de Janeiro, Fortaleza e São Paulo
PORTAS VILASECA GALERIA — Rio de Janeiro
RAFAEL MORAES — São Paulo
ROBERTO ALBAN GALERIA — Salvador
RONIE MESQUITA GALERIA — Rio de Janeiro
SÉ GALERIA — São Paulo
SIM GALERIA — Curitiba
SIMÕES DE ASSIS GALERIA DE ARTE — Curitiba
UTÓPICA — São Paulo
ZIPPER GALERIA — São Paulo

Compartilhar: