Renoir retorna ao seu herdeiro

Uma pintura apreendida pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial foi devolvida ao seu legítimo proprietário na última semana em uma cerimônia de repatriação na parte baixa de Manhattan, em Nova York.

“Deux Femmes Dans Un Jardin”, ou “Duas mulheres em um jardim”, pintado em 1919 pelo pintor francês Pierre-Auguste Renoir, foi apreendido pelos nazistas em um cofre de banco de Paris em 1941. Pertencia ao colecionador de arte Alfred Weinberger, cuja neta Sylvie Sulitzer voou da França para a revelar a pintura no Museu da Herança Judaica em Nova York.

Sulitzer, que disse que mora no sul da França, pareceu começar a chorar quando a peça foi revelada. Ela disse à platéia que Renoir era um de seus pintores favoritos, mas não foi isso que a deixou mais feliz de ver.
“É mais o fato de descobrir que há pessoas em todo o mundo, na Europa, na América agora, que estão preocupadas com o que aconteceu”, disse Sulitzer.

A herdeira da pintura disse que ela começou a viver com seus avós quando tinha 5 anos de idade – no início dos anos 1960 – então a pintura a lembrou de sua vida com eles “no meio do mundo da arte”.

Sulitzer disse que a guerra era um assunto “tabu” na casa, então ela não sabia que a pintura estava escondida há décadas. Em 2012 ou 2013, disse Sulitzer, ela recebeu uma ligação de advogados em Berlim, perguntando se ela ajudaria a rastrear as posses de seu avô.

Os procuradores federais traçaram o roubo do Renoir de Weinberger ao Einsatzstab Reichleiter Rosenberg, que o Terceiro Reich criou para “estudar” a vida e a cultura judaica, mascarando sua perseguição aos judeus como uma busca pseudo-acadêmica.

Compartilhar: