Prêmio Videobrasil

A cerimônia de premiação do 20º Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil foi realizada na noite de 8 de outubro. Além dos tradicionais prêmios de cinco artistas, o Festival concedeu aos artistas participantes três prêmios de aquisição de video obras, um prêmio especial em dinheiro e uma menção honorífica .

Os prêmios, que visam reconhecer e encorajar o desenvolvimento de artistas que produzem um trabalho convincente e transmitir vigorosamente seus pontos de vista do Sul Global, foram concedidos pelo júri formado por curadores convidados e representantes dos programas de residência.

Nas palavras de Lisette Lagnado, presidente do júri do prêmio: “Na 20ª edição do Festival de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil, a cena política do Brasil invadiu as discussões dos curadores sobre as obras expostas, cuja alta qualidade fez atribuir aos prêmios uma tarefa ainda mais difícil. Vale a pena mencionar que esta é a primeira vez que os parceiros de residência trabalharam em conjunto com o júri do prêmio do Festival. Esta lista, portanto, exigiu horas de debates acalorados entre nove membros provenientes de diferentes contextos “.

Além de Lagnado, os outros membros do júri eram Marina Fokidis (Grécia), Pablo León de la Barra (México), Salah M. Hassan (Sudão / EUA), Ika Sienkiewicz-Nowacka (Grécia / Polônia), Jennifer Lange (EUA), Katharina von Ruckteschell-Katte (Alemanha), Mami Katsuya (Japão) e Catarina Duncan (Brasil).
A escultura de troféus para esta edição foi criada pela artista brasileira Flávia Ribeiro, concebida como um pássaro de bronze envolto em veludo. As dimensões reduzidas, o ouro e o veludo evocam um gesto pequeno e sutilmente precioso, que o artista se relaciona com a generosidade presente na obra de arte e no olhar que acolhe, distingue e recompensa.

Com 50 artistas de 25 países no sul global, o 20º Festival exibe mais de 70 obras entre exposições bidimensionais e tridimensionais, instalações de video, performances, programas de vídeo, palestras abertas, reuniões e conversas com artistas e curadores, abrangendo vários locais em Sesc Pompeia, em São Paulo, até 14 de janeiro de 2018.

Apresentando os temas Cosmovisões, Ecologias, Reinvenção da Cultura, Política de Resistência, Histórias invisíveis e outros modernismos como conceitos fundamentais, esta edição teve curadoria de Ana Pato, Beatriz Lemos, Diego Matos e João Laia, curadores convidados e Solange O. Farkas , como curador chefe.

PRÊMIOS ESPECIAIS
PRÊMIOS DE AQUISIÇÃO ACERVO SESC DE ARTE
O Sesc São Paulo, realizador do Festival, ofereceu três Prêmios de Aquisição Acervo Sesc de Arte a obras em vídeo. Os seguintes artistas receberão R$ 25 mil cada um, e seus trabalhos passarão a integrar o acervo de arte contemporânea da instituição:

Bárbara Wagner & Benjamin de Burca (Brasil/ Alemanha), obra Faz que vai (2015, vídeo);

Filipa César (Portugal/ Alemanha), obra Transmission from the Liberated Zones (2015, vídeo);

Quy Minh Truong (Vietnã), obra Vuon Bau Xanh Tuoi (2016, vídeo).

PRÊMIO O.F.F. – OSTROVSKY FAMILY FUND
A fundação Ostrovsky Family Fund, que atua nos Estados Unidos, Israel e Brasil apoiando iniciativas na área cultural, ofereceu o Prêmio O.F.F., no valor de R$ 25 mil, a Jaime Lauriano (Brasil), pelas obras Morte Súbita (2014, vídeo) e O Brasil (2014, vídeo).

PRÊMIOS DE RESIDÊNCIA ARTÍSTICA
O Festival oferece prêmios de residência artística de forma sistemática desde o começo dos anos 2000, em colaboração com uma rede dinâmica de instituições e programas de intercâmbio parceiros no mundo todo. A interdisciplinaridade e o foco no diálogo Sul-Sul são características importantes para boa parte destas organizações, embora ofereçam, no conjunto, uma diversidade de experiências, e linhas de reflexão e trabalho. Os prêmios de residência foram atribuídos pelo júri do Festival, levando em conta afinidades entre a pesquisa de cada artista premiado e as diretrizes de cada programa. Cinco artistas foram contemplados e realizarão intercâmbios de dois meses, entre 2018 e 2019, com passagem aérea, acomodação e per diem incluídos:

Graziela Kunsch (Brasil), obras Ensaio Ilú Obá de Min (2015, video) e Escolas (2016, video): Ujazdowski Castle Centre for Contemporary Art (Polônia);

Engel Leonardo (República Dominicana), obra Pisos (2017, instalação): Kyoto Art Center (Japão);

La Decanatura (Colômbia), obra Centro Espacial Satelital de Colombia (2015, vídeo): Pro Helvetia (Suíça);

Emo de Medeiros (França/ Benim), obras Kaleta/Kaleta (2013-2017, videoinstalação em três canais) e Vodunaut #009, Vodunaut #010, Vodunaut #011(da série Vodunaut, 2016-2017, instalação): Residência Vila Sul do Goethe-Institut (Brasil);

Natasha Mendonca (Índia), obras Ajeeb Aashiq (2016, filme) e Trance (2016, video): Wexner Center for the Arts (EUA).

MENÇÃO HONROSA
Andrés Padilla Domene (México/França), obra Ciudad Maya (2016, vídeo).

Compartilhar: