PÓ DE CASA

Por quase dez anos, Brígida Baltar fez pequenas ações de armazenamento poético de substâncias domésticas, tais como gotas de chuva que caem por sutis frestas de telhados, ou o pó vermelho desprendido dos tijolos que formavam as paredes da casa que era lugar de trabalho e moradia. Algumas vezes, o acaso do tempo lhe oferecia essas matérias; em outras, as buscava de modo ativo. Sem finalidade precisa, esses gestos traziam, em potência, a locução simbólica, em meios diversos (esculturas, desenhos, vídeos, fotografias), daquilo que é quase sempre visto como substância amorfa e sem vida.

Essas ações se desdobraram, em seguida, para o espaço da rua, fundando, em período de atividade intensa, o projeto de coletas de umidade, orvalho e maresia, empenho sabidamente vão de capturar o que é intangível. Em 2005, antes de se mudar para outro lugar, a artista acumulou quantidade grande daquele mesmo pó fino de que eram feitos tijolos duros. Dessa substância, faz ainda outros trabalhos, estendendo a duração de um tempo passado e a dimensão de um espaço que era antes de tudo abrigo.

Vários desses trabalhos são desenhos de montanhas e florestas do Rio de Janeiro, cidade em que reside. O fato de serem feitos com o pó dos tijolos da casa onde morou faz dessas imagens, porém, menos descrições apuradas de elevações e de matas, e mais a afirmação de um lugar de convívio. Não se encontra nesses desenhos, portanto, interesse em reproduzir, de modo exato, o que seus olhos enxergam, mas em fazer o registro afetivo de uma geografia e de uma botânica das quais se sinta partícipe. Em vez de apenas elementos naturais desenhados, os trabalhos estruturam e sugerem, de fato, um espaço de sociabilidade conhecido; neles, montanha se torna um quintal grande e floresta, talvez, um apequenado jardim.

Feitos, igualmente, desse avermelhado pó, outros desenhos reproduzem, em traços que fazem roçar grão áspero contra papel liso, fotografias da família ou de amigos de Brígida Baltar. Sem buscar detalhar cena alguma, a artista refaz, desse modo, a orgulhosa alegria do pai que carrega o filho, a celebração de uma data feliz, ou o sono sereno de alguém querido. São trabalhos que, por sua delicada fatura, parecem tornar visíveis fatos que, embora comuns, resistem ao esquecimento que o passar do tempo autoriza. Postos sobre paredes de quaisquer partes, esses desenhos simbolicamente devolvem, ao pó do qual são feitos, sua serventia de quando era matéria dura: sustentar casas e abrigar partilhas de vida.

Brígida Baltar produz ainda, da fluida matéria que usa, tijolos e tacos em miniatura, com os quais constrói pequenas paredes e pisos que podem ser transportados de um a outro canto. Em vez de ruínas guardadas, o pó evoca, feito de novo objeto sólido, elementos arquitetônicos que constituem qualquer moradia. Torna móvel, assim, aquilo que representava a casa de onde havia partido, um lugar inscrito em uma territorialidade específica. Sem retirar dessa substância sua associação com um espaço que delimita – mas também projeta – uma história privada de vida, a artista lhe concede um sentido celebratório e público, liberto de nostalgia.

 

 

Compartilhar:
Notícias - 15/07/2015

Iole de Freitas monumental por Redação

Um dos grandes nomes da arte contemporânea brasileira, Iole de Freitas está comemorando sete décadas em 2015, das quais mais …

Notícias - 25/03/2015

Residência Artística do Red Bull Station abre edital para a 11ª turma

As inscrições para a 11ª Turma do Programa de Residência Artística do Red Bull Station começam neste 16 de março. …

Notícias - 23/08/2018

Conheça as obras miniaturas do artista de rua Michael Pederson

Michael Pederson, também conhecido anteriormente como Miguel Marquez Outside, instala placas em miniatura em locais despretensiosos, transformando plantas e objetos …

Notícias - 16/02/2017

Conheça todos os artistas e pavilhões da Bienal da Veneza

A 57ª edição da Bienal de Veneza, intitulado “Viva Arte Viva” pelo curador Christine Macel, lançou a lista dos 120 …

Notícias - 11/02/2016

Galeria Nara Roesler abre espaço expositivo em Nova Iorque

A Galeria Nara Roesler anunciou a abertura de um espaço expositivo na rua West 28th em Nova York. É o …

Notícias - 01/06/2017

Ai Weiwei volta a protestar em Israel representando refugiado sírio afogado

O artista e ativista chinês Ai Weiwei voltou a representar Alan Kurdi, o refugiado sírio afogado, que foi fotografado na praia …

Notícias - 19/04/2018

Artistas reivindicam galeria de arte de Los Angeles por não pagaram por obras vendidas

Nova atualização 27.04.2018 – Após reclamações de contratos quebrados e cheques devolvidos, a galeria CB1 fechará. A Galeria de Los Angeles …

Notícias - 08/03/2018

Marina Abramovic morre em ópera

Marina Abramovic transforma o projeto Seven Deaths em uma ópera para estrear em Munique em 2020.
A artista direcionará a produção, …

Notícias - 14/05/2015

FRIEZE 2015

A feira de arte Frieze NY que começa dia 14 e vai até o domingo, 17 de maio, tem a …

Notícias - 06/10/2015

Feira PARTE tem sua quinta edição em novembro, destacando a relação entre arte e cidade

Entre 4 e 8 de novembro a PARTE Feira de Arte Contemporânea chega à sua quinta edição com 40 galerias, …

Notas - 16/07/2015

Casa do Povo abre chamada para residência de coletivos

A Casa do Povo está com inscrições abertas para residência de coletivos, grupos de estudos, movimentos, companhias, conselhos e associações …

Notícias - 18/01/2018

Anish Kapoor doa US$ 1 milhão aos refugiados

O artista britânico-indiano Anish Kapoor doou US$ 1 milhão na quarta-feira para cinco instituições de caridade que estão trabalhando com …