Phillips aposta em arte latino-americana em seus principais leilões contemporâneos

Respondendo à crescente proeminência de artistas latino-americanos no cenário internacional, a casa de leilões Phillips anunciou que está interrompendo suas vendas dedicadas de arte latino-americana e, em vez disso, dobrará essas ofertas em seus leilões do século 20 e contemporâneos. De acordo com Kaeli Deane, vice-presidente e chefe de departamento, para a arte latino-americana, o movimento é “resultado de exposições institucionais, o que as galerias estão fazendo, o que nossos expedidores querem e o que nossos colecionadores querem”.

As vendas de arte latino-americana de maio e novembro do ano passado totalizaram US$ 4,27 milhões e US$ 4,25 milhões, respectivamente. Entre 2016 e 2017, enquanto o departamento latino-americano da Phillips se expandiu rapidamente, a casa começou a testar artistas latino-americanos em seus leilões de vendas contemporâneas em Nova York. Todas as quatro ofertas – duas pinturas de Carmen Herrera (foto), uma composição minimalista tardia de Mira Schendel e um dos raros exemplares dos Parangolés de Hélio Oiticica – tiveram recordes mundiais para os artistas.

O anúncio da semana passada feito em uma coletiva por Patricia Phelps de Cisneros que disse doar 200 obras de artistas latino-americanos a instituições internacionais, incluindo o MoMA e a Reina Sofía, evidencia ainda mais a integração da arte latino-americana no discurso contemporâneo geral.

“Não é que os colecionadores internacionais estão, de repente, colecionando arte latino-americana; Isso  se dá pela exibição de grandes exposições de museus desses artistas e através da exibição de artistas latino-americanos incorporados em grandes mostras de galerias, os colecionadores estão percebendo que muitos desses artistas se encaixam com suas coleções “, diz Deane. Embora o interesse esteja crescendo mais rapidamente na América do Norte e na Europa, os compradores da Ásia também estão adquirindo obras desta região. “Os colecionadores estão se tornando educados de uma maneira que eles estão vendo que certos artistas preenchem lacunas em sua coleção”.

O movimento da Phillips ocorre depois que a Sotheby’s começou a incorporar obras de artistas latino-americanos em suas vendas contemporâneas na temporada passada.

Fonte: The Art newspaper

Compartilhar: