Parte final de pintura de Magritte é descoberta depois de 85 anos

René Magritte, The Enchanted Pose , 1927.

Oitenta e cinco anos depois de desaparecer, uma pintura perdida do artista surrealista René Magritte foi encontrada – em pedaços.

Na última semana, o Royal Museums of Fine Arts of Belgium (RMFAB) anunciou que os pesquisadores descobriram a quarta e última parte do trabalho de Magritte de 1927 “A pose encantanda”. A imagem de raio-x revelou que o artista pintou sobre ela para criar uma obra posterior, “Deus não é um Santo” (1935-36), hoje de propriedade do Museu Magritte em Bruxelas.

Perdido desde 1932, “A pose encantada” – que retrata duas mulheres nuas encostadas a pedestais quebrados – foi retratada no catálogo raisonné de 1992 do artista. A foto em preto e branco da pintura é acompanhada por uma chamada que diz: “O ambiente de localização desconhecida […] provavelmente foi destruído.” É provável que Magritte tenha cortado o trabalho em quatro partes e pintado sobre ele em um esforço para reutilizar a tela e economizar dinheiro.

Esta descoberta marca a conclusão de uma busca de longa duração pela pintura. A primeira peça foi descoberta em 2013, quando “O retrato”, 1935 de Magritte foi submetido a trabalhos de conservação no Museu de Arte Moderna de Nova York . Os conservadores notaram que as bordas da obra foram pintadas (atípicas para Magritte) e decidiram tirar um raio-x da pintura, descobrindo finalmente a parte superior esquerda da posição encantada.

Compartilhar: