Obra do período rosa de Picasso vendido por US$ 115 milhões

A venda expressiva de Fillette à la corbeille fleurie (1905), de Pablo Picasso, por US$ 115,1 milhões de dólares, aconteceu na última semana na noite White Glove Rockefeller pela casa de leilões Christi’es, que totalizou US$ 646.1 M em vendas. Mas você sabe como se iniciou a coleção dos Rockefeller na década de 1960?

Em 1968, David Rockefeller era parte de um sindicato incomum formado por um pequeno grupo de colecionadores com conexões próximas ao Museu de Arte Moderna que planejou um acordo grandioso de 6,8 milhões de dólares com os herdeiros de Gertrude Stein para comprar um grupo de obras de arte que ela possuía.

O banqueiro, filantropo e estadista era o candidato perfeito para o sindicato, especialmente porque sua mãe, Abby Aldrich Rockefeller, era uma das fundadoras do museu. Além de David, seu irmão Nelson R. Rockefeller também estava no grupo de elite, junto com o chefe da CBS, William S. Paley, o editor John Hay Whitney e Andre Meyer. David então pegou uma segunda peça desde que William A. Burden, um dos membros do sindicato original, desistiu.

Os membros se reuniram em um domingo de dezembro de 1968 em uma ala do antigo museu Whitney e tiraram canudos de um chapéu de feltro amassado para suas escolhas, de acordo com um relato publicado por David Rockefeller. David teve a sorte de tirar o maior canudo e escolheu a deslumbrante pintura da vendedora de flores de Picasso de 1905 para o que era então na época algo menos de 1 milhão de dólares.

No início da noite de leilão na semana passada, como parte do primeiro lote das vendas da propriedade de Peggy e David Rockefeller na Christie’s, a pintura, datada de 1905 e com um metro e meio de altura, foi vendida a um comprador anônimo por US$ 115,1 milhões, contra uma pré-venda com estimativa na faixa de US $ 100 milhões, tornando-se o segundo mais caro Picasso a vender em leilão, atrás de Les femmes d’Alger (versão ‘O’) de 1955, que foi vendido por US$ 179,3 milhões na Christie’s em maio de 2015.

Houve uma sensação de antecipação na sala de vendas da Christie’s no período que antecedeu a venda. O diretor do Museu de Arte Moderna, Glenn Lowry, estava na sala, uma visão incomum em um leilão, e podia ser visto conversando com Megadealer Larry Gagosian. Os participantes que esperavam por fogos de artifício podem ter ficado desapontados com o ritmo constante dos procedimentos, mas o que faltou drama à venda foi compensado em uma quantia espantosa: os 44 lotes de arte dos séculos XIX e XX vendidos conseguiram impressionantes US$ 646,1 milhões.

Esse resultado superou facilmente as expectativas de pré-venda fixadas em mais de US$ 490 milhões (um número das principais entradas era de “estimativa a pedido”, sem os números baixos e altos) e quebrou o histórico de uma única sessão, ambientado em Paris em fevereiro de 2009, quando a arte impressionista e moderna da Yves Saint Laurent e da Pierre Bergé Collection arrecadou € 206,1, ou US $ 266,7 milhões. (A maior contagem para uma única sessão de leilão, no entanto, ainda é de US$ 852,8 milhões, estabelecida na Christie’s New York em sua venda de arte contemporânea e pós-guerra de novembro de 2014.)

Na venda de Saint Laurent, elaboradamente encenada no Grand Palais, uma pintura de Henri Matisse, Les coucous, tapis bleu et rose de 1911, alcançou o topo e um recorde de € 35,9 milhões (superando uma estimativa de € 12 milhões a € 18 milhões) , então o equivalente a US$ 46,4 milhões. Na mesma semana, um Matisse diferente, Odalisque couchée aux magnolias de 1923, superou esse recorde, arrecadando $ 80,75 milhões (estimativa a pedido na região de $ 70 milhões).

Odalisque couchée aux magnolias de Henri Matisse (1923) foi vendido por US$ 80,75 milhões. © CHRISTIE’S

Um segundo Gauguin, mais tradicional e arrebatadoramente colorido, Flores em um vaso, de 1886 a 1887 e que voltou a funcionar de 1893 a 1895, foi para um licitante anônimo por US$ 19,4 milhões (estimativa: US$ 5 milhões a US$ 7 milhões). Ele foi vendido pela última vez em leilão na Christie’s New York em maio de 2006 por US$ 4,5 milhões.

Paul Gauguin’s La Vague (1888) foi vendido por US$ 35,2 milhões. © CHRISTIE’S

Entre as jóias da coroa do Rockefeller, o conjunto de Claude Monet, de formato quadrado, está Nymphéas en fleur(cerca de 1914-1917), adquirido pelo casal apaixonado pela arte em 1956 através da Knoedler & Co. em Nova York, fez um recorde de US$ 84,7 milhões (estimativa a pedido na região de US$ 50 milhões). Cinco participantes, quatro deles em telefones, perseguiram a pintura em uma batalha de maratona vencida por Xin Li Cohen, vice-presidente da Christie’s Asia, que estava fazendo ofertas por um cliente ao telefone.

As Nymphéas en fleur de Claude Monet (ca. 1914–17) foram vendidas por US$ 84,7 milhões. © CHRISTIE’S

Após a venda, o especialista da Christie’s, Marc Porter, leu uma declaração de David Rockefeller Jr., em nome de sua extensa família. “Estamos agora muito bem no caminho para alcançar o objetivo que nossos pais estabeleceram para seu legado filantrópico”, disse Rocker, e estamos ansiosos para ver o que o restante desta semana histórica trará.”

Fonte: Artnews

Compartilhar:
Notícias - 27/07/2017

Condenado a prisão, bilionário espanhol que tentou contrabandear um Picasso em seu iate

No caso judicial em curso contra o bilionário espanhol Jaime Botín, acusado de contrabandear um Picasso fora da Espanha, o …

Notícias - 04/10/2018

Em imagens: Yayoi Kusama chega a Londres com seu novo quarto do infinito

A artista japonesa Yayoi Kusama revelou sua mais recente sala “Infinity Room”, imersiva e instigante para o Instagram, na galeria …

Notícias - 05/11/2018

Você acha que conhece Andy Warhol?

Quando Donna De Salvo conheceu Andy Warhol em 1985, ela era uma jovem curadora trabalhando na Dia Art Foundation. Ele …

Notícias - 30/05/2018

Artista turca usa sangue menstrual para continuar a pintar na prisão

A artista e jornalista turca-curda Zehra Doğan, que recebeu uma longa pena de prisão por um tribunal turco em 2016, …

Notícias - 06/10/2016

O Crato de Sérvulo Esmeraldo

A surpreendente exposição de Sérvulo Esmeraldo em sua cidade natal, o Crato, continua em cartaz até 15 de outubro, atraindo …

Notícias - 05/04/2018

Quarta edição da OUTRA - feira de arte contemporânea divulga lista de artistas

A OUTRA – feira de arte contemporânea, é um evento itinerante em espaços culturais que incentivam artistas independentes. A feira …

Notícias - 14/04/2015

SOS Poesia

SOS Poesia – Renato Rezende e Dirk Vollenbroich
MAR – Museu de Arte do Rio
Curadoria: Paulo Herkenhoff e Clarissa Diniz
De 7 de …

Notícias - 09/06/2016

O Brasil da Arte Naïf na França

O Musée International d´Art Naïf Anatole Jakovsky abre seu espaço para a mostra Brasil Naïf, Uma Viagem Na Alma Brasileira/ …

Notícias - 02/06/2016

Arte tribal asiática

Cerca de 85 merchants internacionais de antiguidades e arte tribal e asiáticos estão se reunindo para a primeira edição das …

Notícias - 27/07/2016

Premiação da Revista ZUM e IMS levanta polêmica

No último dia 25/7, o Instituto Moreira Salles e a revista ZUM anunciaram os dois projetos ganhadores da Bolsa de …

Notícias - 20/09/2018

Bilionário, comprador de pintura recordista de Basquiat, quer levar artistas à lua

Yusaku Maezawa , bilionário do e-commerce japonês que comprou a pintura recordista de Basquiat por US$ 110 milhões em 2017, …

Notícias - 09/01/2015

Museu Nacional de Belas Artes comemora 78 anos

Na próxima terça-feira (13/01), o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), vinculado ao Ministério da Cultura, completará 78 anos. Em …