O hospício de utopias falidas de Luis Camnitzer

No Museo Reina Sofía, o artista Luis Camnitzer empilhou uma grade de 80 blocos e envolveu-os em gaze marrom. Com a palavra impressa “LEFTOVER” (RESTO), seguido por um número romano, cada bloco parece ter sido baleado, pingando sangue falso no chão do museu. A peça “Restos” (1970) é uma homenagem à geração de Camnitzer, que morreu nas mãos do Estado repressor uruguaio.

 

Luis Camnitzer, “Restos” (1970)

As “sobras” evidenciam o comentário de Camnitzer – às vezes irônico, às vezes sem rodeios – sobre a violência do Estado. Por quase 60 anos, Camnitzer tornou aparentes as maneiras pelas quais o imperialismo capitalista exerce controle sobre nossos corpos, psiques, amores e mortes.

Hospice of Failed Utopias (Hospício de utopias falidas), o título da retrospectiva de Camnitzer no Reina Sofia, apresenta 100 de suas obras produzidas desde a década de 1960. Com a curadoria de Octavio Zaya, esse esforço faz histórica a crítica do poder de Camnitzer na esteira da ascensão atual do autoritarismo em todo o planeta. É uma sólida homenagem à prática de toda a vida de Camnitzer, especialmente urgente hoje, à medida que novas formas de violência do Estado fazem lobby para se tornar o novo normal.

O termo “hospício” alude à história do museu Reina Sofia e ao seu papel atual na imaginação urbana de Madri. Durante quatro séculos, o edifício foi um hospício e hospital – a lenda urbana retrata o museu como um espaço assombrado onde, à noite, guardas de segurança esbarram nos fantasmas das freiras. Camnitzer e Zaya queriam fazer referência à presença persistente do passado imperial no museu, cujo atual programa de curadoria se concentra principalmente em levar a arte de vanguarda latino-americana a Madri.

A alusão às utopias refere-se às origens políticas do conceitualismo latino-americano: uma materialização da Guerra Fria do sonho secular de unidade pan-americana, resistência antiimperialista e direito à autodeterminação. Esses ideais, embora parcialmente realizados com o Movimento Não-Alinhado e a Revolução Cubana, sucumbiram à ascensão dos regimes militares de direita patrocinados pelos EUA no continente, desde a década de 1960 até os anos 80. Subversão, para Camnizter, então significava “criar uma distância perceptual do status quo, que estimula a reavaliação e provoca mudanças”. A arte conceitual permitia uma forma de emancipação temporal.

Em entrevista, Camnitzer disse que “o público ideal para o meu trabalho são aqueles que viveram e lutaram durante a ditadura militar uruguaia”, que ocorreu de 1973 a 1985. Embora muitas dessas pessoas já não vivam, elas são as únicas que experimentaram o violência física e psicológica que seu trabalho comenta. Mas seu trabalho também apela a um público mais amplo e se encaixa no que alguns historiadores de arte chamam de “conceitualismo global”. Desde os anos 1990, especialmente, Camnitzer tem se interessado em se envolver mais democraticamente com o público por meio de um trabalho dialógico e pedagógico.

Em seu ensaio publicado no catálogo, “O museu é uma escola”, Camnitzer descreve o museu como um espaço onde os encontros com obras de arte deveriam provocar momentos educacionais. Educação para Camnitzer não significa aprender o cânone artístico da cultura dominante, mas abraçar a instituição de arte como um espaço onde as conversas sobre nossos papéis como público, seres humanos saudáveis ​​e nossas relações com o patrimônio e a cultura deveriam acontecer. Nesse sentido, Camnitzer ecoa as pedagogias críticas de Paulo Freire e Simón Rodríguez.

Perto do final da mostra, depoimentos de condenados do corredor da morte são escritos em grandes letras vermelhas em impressões brancas. Last Words (2008) encara os frequentadores do museu com mensagens de amor e despedida.

A mostra abrangente também apresenta trabalhos conceituais iniciais como “Frases” (1966) e “Envelope” (1967). Também inclui peças dos anos 70 que recuperam ready-mades humorísticos de Duchamp, como “O poder expressivo de um ponto” e “Protótipo de um homem” (1971-1974).

Peter Osborne quer saber: Por que Luis Camnitzer está ausente do cânone da arte conceitual? Em seu ensaio publicado no catálogo, Osborne retrata a posição de outsider de Camnitzer como uma “experiência de exclusão relativa […] – de estar fisicamente localizado dentro do centro, mas vendo-o e sendo visto ‘perifericamente’- [este é] um ponto de vista privilegiado para entender e comentar sobre o sistema.”

Se Camnitzer, como Osborne lamenta, não faz parte do cânone conceitual, pode ser mais devido ao esforço da cena artística de Nova York desde a década de 1940 para se colocar no centro do mundo da arte, enquanto Camnitzer é latino-americano.

Luis Camnitzer, “Sobre Guerra” (2017)

Fechando a exposição, a mais nova obra de Camnitzer, “Sobre Guerra” (2016–2018), considera a influência da estratégia militar nos mapeamentos contemporâneos do mundo. A obra justapõe citações do tratado de estratégia militar de Carl von Clausewitz, On War, com mapas do Google de bases militares dos EUA na América Latina. Zaya cita os e-mails de Camnitzer: “Estamos agora voltando ao tipo mais reacionário de fragmentação nacionalista, […] tudo isso dentro do contexto de uma espécie de neo-feudalismo, onde a indústria de armas está provocando novos confrontos militares”.

Luis Camnitzer: Hospice of Failed Utopias fracassadas continua no Museo Reina Sofia até 4 de março de 2019.

Fonte: Hyperallergic

 

Compartilhar:
Notícias - 26/05/2016

20ª Bienal de Sydney em imagens

A 20ª Bienal de Sydney “O futuro já está aqui – não está apenas distribuído uniformemente” apresenta mais de 200 …

Notícias - 18/04/2018

Dasartes vence o prêmio ABCA na categoria difusão das artes visuais

Prestes a completar 10 anos, em 2018, e firmar-se como a revista de artes visuais mais longeva da história do …

Notas - 24/02/2016

Residência Artística do Red Bull Station abre edital para a 12ª turma

As inscrições para a 12ª turma do programa de Residência Artística do Red Bull Station começam no dia 22 de …

Notícias - 07/10/2017

A liberdade em curto-circuito

Em 2010, visitei a exposição de Nuno Ramos no MAM Rio. Muitas obras me impressionaram, mas a que cabe no …

Notícias - 28/11/2018

Bienal de Curitiba apresenta mostra de arte contemporânea em Assunção, Paraguai

O Centro de Artes Visuais do Museu do Barro da cidade de Assunção (Paraguai) inaugura, no próximo dia 30 de …

Notícias - 12/07/2018

Única arte pública de Joseph Beuys em Nova York é desenterrada

No último final de semana, o conservador de objetos Christian Scheidemann postou uma foto no Instagram com a legenda “pedras …

Notícias - 30/08/2016

Hércules Barsotti e o movimento neoconcreto

Galeria Frente, localizada no bairro do Jardins em São Paulo, reconhecida por apostar em grandes nomes da arte brasileira, recebe …

Notas - 11/12/2015

São Paulo e Belo Horizonte recebem a 7ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria

Os dez artistas selecionados na 7ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria, promovido pelo Mapa das Artes, participam de …

Notícias - 12/09/2017

Artistas promovem abaixo-assinado para reabertura de exposição censurada no Santander Cultural

Artistas e envolvidos das artes visuais se mobilizam em abaixo-assinado para pedido de reabertura da exposição “Queermuseu – cartografias da …

Notícias - 14/05/2015

João Turin no MNBA

Depois de ter batido recorde de visitação no período em que esteve no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, onde recebeu …

Notícias - 15/08/2014

Arthur Arnold traz ao público reflexão sobre sua mostra "Estado de Sítio"

E lá se vão um ano e dois meses desde que eclodiram as manifestações “de junho de 2013”, e hoje …

Notícias - 23/08/2018

Real ou Fake? Conheça o Masterworks: sua chance de ter um Warhol ou Monet

Todos nós não merecemos possuir um Warhol? Alguns podem argumentar que, ao pagar impostos em museus públicos, nós o fazemos. …