Museu Nacional, no Rio de Janeiro, é destruído em chamas

Segundo o portal G1, um incêndio de grandes proporções destrói o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, Zona Norte do Rio.

O fogo começou por volta das 19h30 deste domingo (2/9) e ainda segue destruindo as instalações da instituição que completou 200 anos em 2018.

Segundo a assessoria de imprensa do museu, não há feridos. Quatro vigilantes estavam no local, mas conseguiram sair a tempo. As causas do fogo, que começou após o fechamento para a visitantes, ainda serão investigadas.

Kátia Bogêa, Presidente do Instituto Histórico Artístico Nacional, disse ao Globo News que o museu já estava com contrato de patrocínio assinado desde junho deste ano junto  ao BNDES, verba de R$ 20 milhões para revitalização da manutenção do Museu, mas não houve tempo hábil para iniciar os projetos.

O prédio foi criado por D. João VI e completou 200 anos em 2018. O edifício, que é tombado pelo patrimônio histórico, foi residência da família Real e tem uma ampla estrutura feita de madeira, o que facilita com que as chamas se espalhem.

Calcula-se que o acervo tenha cerca de 20 milhões de itens. Entre os destaques estão a coleção egípcia, que começou a ser adquirida pelo imperador Dom Pedro I e o mais antigo fóssil humano já encontrado no país, batizado de “Luzia”, com cerca de 11.000 anos.

Até este momento não é possível saber qual o dano provocado pelas chamas, mas, segundo um funcionário da instituição, toda a área de exposição do museu foi atingida.

O temor agora é quanto a estrutura da edificação que corre sérios riscos de desabamento.

 

Compartilhar: