MAM abre inscrições para diversos cursos inéditos e de curta duração

© Imagem: Reprodução / mam.org.br

O Museu de Arte Moderna de São Paulo anuncia a nova programação de cursos de curta duração para o primeiro bimestre de 2016, com uma gama diversificada de temas artísticos, que vão da literatura ao desenho, passando pela fotografia, gravura e pelo cinema. O grande diferencial desta temporada é que dos 15 cursos oferecidos, 11 são lançamentos. O calendário de aulas acontece entre janeiro e fevereiro com encontros relacionados as áreas de fotografia, cinema e documentário, desenho, histórias em quadrinhos, história e crítica da arte, gravura em metal e análise de contos. Os cursos atendem ao público adulto, tanto iniciante quanto especialista, e possuem carga horária, duração, datas e valores diferentes.

Além das modalidades já conhecidas pelo público, como os tradicionais cursos de fotografia, estão entre as novidades a Oficina de HQ experimental, dada pelo artista Tiago Judas; os encontros para análise de contos, guiados pela escritora Noemi Jaffe; e o curso de desenho Narrativas visuais: perspectiva, temporalidade, representação, ministrado pelos artistas visuais Waldemar Zaidler e Pedro Zaidler.

A exceção é o curso de mini documentaristas voltado, exclusivamente, para crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, com o documentarista e artista visual, José Luiz Sampaio. O diferencial é que os pequenos poderão ter uma melhor percepção desse mundo atual saturado de imagens criando um olhar mais crítico e sensível. Durante as aulas, as crianças passarão pelo processo de elaboração de um documentário, com captação de imagens, montagem e escolha de trilha sonora.

Mini documentaristas – José Sampaio

Em um mundo cada vez mais midiático, o documentário se revela uma linguagem das mais ricas e inovadoras da produção audiovisual. As imagens em vídeo estão em todos os lugares: painéis, tablets, smartphones. Mas qual a percepção das crianças nesse excesso de imagens? Sensibilizar o olhar das crianças dentro de um mundo saturado de imagens é trazer uma compreensão mais complexa e profunda sobre o mundo que habitam. Neste curso, as crianças passarão pelo processo de elaboração de um documentário, com captação de imagens, montagem e escolha de trilha.

Duração: 4 encontros (de 26 a 29 de janeiro de 2016)

Quando: terça a sexta-feira, das 15h às 18h

Investimento: R$ 350,00

Público: crianças de 10 a 14 anos

José Luiz Sampaio é documentarista e artista visual, especializado em montagem, motion graphics e ambientes de instalação audiovisual. Desde 2010, administra a produtora StudioIntro especializada em audiovisual.

Oficina de HQ experimental – Tiago Judas

Trata-se de uma oficina livre de história em quadrinhos que coloca o participante em contato com a arte de contar histórias ao fazer exercícios que despertam a imaginação para criação de personagens. A partir de referências, estudaremos códigos clássicos como o balão da fala e a diagramação das páginas. Também haverá conversas ilustradas a respeito da História em Quadrinhos e de como pode ser usada como recurso em diversos meios, e de que modo essa linguagem esteve presente na história da humanidade.

Duração: 4 encontros (de 26 a 29 de janeiro de 2016)

Quando: terça a sexta-feira, das 19h às 21h

Investimento: R$ 350,00

Público: desenhistas

Tiago Judas é bacharel em Artes Plásticas pela FAAP e possui licenciatura em Arte pela Belas Artes. A produção artística inclui desenhos, objetos e vídeos, além de histórias em quadrinhos. Desde 2000, expõe em instituições culturais brasileiras e na Alemanha, Áustria, Espanha, EUA e Peru.

Narrativas visuais: perspectiva, temporalidade, representação – Waldemar Zaidler e Pedro Zaidler

A oficina de desenho contempla experiências sobre problematização de perspectiva, temporalidade e representação. Para que os participantes exercitem potencialidades, o curso discute conceitos com a realização de desenhos. A linguagem preferencial é o desenho sobre papel e os materiais são de livre escolha. O ponto comum é o formato do suporte: a utilização de tiras de papel dobradas em forma de sanfona.

Duração: 4 encontros (de 16 a 19 de fevereiro de 2016)

Quando: terça a sexta-feira, das 17h30 às 19h30

Investimento: R$ 350,00

Público: adultos interessados e com experiência com desenho de qualquer natureza

Waldemar Zaidler é artista visual e mestre em Design e Arquitetura pela FAU-USP. Precursor do movimento do graffiti em SP, em parceria com Alex Vallari e Carlos Matuck, integrou a chamada “Geração 80”, que se dedicou às intervenções urbanas, com participação na XV Bienal de São Paulo. Realizou cerca de 30 exposições no Brasil e no exterior. É professor na pós-graduação da FAAP e na graduação da Anhembi Morumbi.

Pedro Zaidler é artista visual formado pela faculdade Santa Marcelina. Trabalha com criação de poéticas a partir de linguagens do desenho, gravura, pintura e colagem. Investigando possibilidades de representação e formas de composição, o diálogo entre as linguagens com as quais trabalha e a soma de técnicas na mesma obra são características da produção do artista.

Análise de contos: Clarice Lispector, Franz Kafka e Jorge Luis Borges – Noemi Jaffe

O curso pretende discutir e interpretar os contos Tentação, de Clarice Lispector; A preocupação do pai de família, de Franz Kafka; e O outro, de Jorge Luís Borges. A partir das leituras, o curso explora noções acerca da escrita prática de contos e aborda semelhanças e diferenças entre os autores e a produção.

Duração: 2 encontros (20 e 27 de fevereiro de 2016)

Quando: sábados, das 10h às 12h30

Investimento: R$ 180,00

Público: adultos interessados em geral

Escritora, professora e crítica literária, Noemi Jaffe é doutora em Literatura Brasileira pela USP, e trabalhou em escolas de Ensino Médio como professora de literatura. Atualmente, oferece cursos de escrita criativa em diversas instituições e mantém o blog literário Quando Nada está acontecendo e coordena um grupo particular de escritores. Desde 2006, atua como crítica de literatura da Folha de S. Paulo e do Valor Econômico e é jurada de concursos literários.

Imagem e identidade – Magnólia Costa

Neste curso discute-se o papel da imagem na definição da identidade. Conceitos da filosofia e da sociologia são utilizados para investigar como a cultura das aparências se consolida à medida que as imagens se tornam mais abundantes, conduzindo o indivíduo à crença de que a identidade é algo construído.

Duração: 4 encontros (de 4 a 25 de fevereiro de 2016)

Quando: quintas-feiras, das 15h às 17h

Investimento: R$ 350

Público-alvo: adultos

Poéticas da luz na arte contemporânea – Magnólia Costa

Quatro artistas, quatro concepções de luz, elemento essencial às artes visuais. Cada aula é dedicada à discussão de um artista como Wolfgang Tillmans; Lucia Koch; James Turrell e Olafur Eliasson.

Duração: 4 encontros (de 2 de fevereiro a 1 de março de 2016)

Quando: terças-feiras, das 18h às 20h

Investimento: R$ 350,00

Público: adultos interessados em geral

Magnólia Costa é bacharel, mestre e doutora em Filosofia pela Universidade de São Paulo, especializada em Estética. Realizou pesquisas na Université de Paris I (Panthéon-Sorbonne) e na Université de Paris IV (Paris-Sorbonne). É tradutora, crítica de arte e curadora independente. Desde 2001, leciona história da arte no MAM, onde coordena a área de Relações Institucionais.

Gravura em metal – Christian von Almen

Ponta seca, buril, água-forte e água-tinta são alguns dentre os vários métodos de trabalho da gravura em metal. A partir da prática, o curso visa à apresentação de modos convencionais e alternativos para a produção sobre a matriz de cobre, aço, alumínio, ferro ou latão. Será necessário que o aluno traga a própria matriz, a ser combinado com o professor.

Duração: 5 encontros (de 22 a 26 de fevereiro de 2016)

Quando: segunda a sexta-feira, 16h30 às 19h.

Investimento: R$ 350,00

Público: interessados em geral, com noções de desenho

Christian von Almen trabalhou como repórter fotográfico para diversos veículos como Folha de S.Paulo, Revista Joyce Pascowitch e Agência Fotosite. Como consequência do desenho, passou a estudar e desenvolver uma linguagem autoral em fotografia, desenho e gravura. Atualmente, desenvolve pesquisas visuais em gravura.

Cinema e paisagem – uma breve filosofia cinematográfica da história do ocidente – Dalila Camargo Martins

O curso, seguindo uma linha cronológica de movimentos e tendências do cinema, levanta questões acerca do que é a história, a partir da análise da própria natureza da imagem cinematográfica. Procura-se contrastar a imanência da realidade registrada pela câmera (paisagem) com o engendramento arbitrário do olhar. Os participantes assistirão trechos de filmes de cada movimento ou tendência e utilizarão trechos específicos para comentá-los e confrontá-los, de modo a exercitar a e interpretação de elementos audiovisuais.

Duração: 5 encontros (4, 11, 18, 25 de fevereiro e 3 de março de 2016)

Quando: quintas-feiras, das 17h30 às 19h30

Investimento: R$ 350,00

Público: adultos interessados em geral

Dalila Martins é bacharel e mestre em Audiovisual pela ECA-USP. É membro do Grupo de Pesquisa História da Experimentação no Cinema e na Crítica e do Laboratório de Investigação e Crítica Audiovisual, ambos vinculados ao CNPq, além do Centro de Estudos Desmanche e Formação de Sistemas Simbólicos. É redatora da Revista Cinética e integrante do Coletivo Zagaia.

Introdução à fotografia – Karina Bacci

Com saídas fotográficas noturnas no Parque Ibirapuera, o curso instrui sobre a linguagem e técnica fotográfica em diversos aspectos: composição, enquadramento, ângulos e luz. Os participantes aprenderão como usar recursos da câmera digital no modo programado. É necessário trazer uma câmera digital, compacta ou DSLR.

Duração: 4 encontros (16, 18, 23 e 25 de fevereiro 2016)

Quando: terças-feiras e Quintas-feiras, das 20h30 às 22h30

Investimento: R$ 350,00

Público: adultos interessados em geral

Karina Bacci é fotógrafa e bacharel em fotografia pelo SENAC-SP, além de pós-graduada em Cinema, Vídeo e Fotografia, na Belas Artes. Karina trabalha como fotógrafa freelancer e atua na área cultural como curadora e professora em oficinas e cursos de fotografia e vídeo.

Introdução à fotografia – Marcello Vitorino

Cinco encontros com o fotógrafo Marcello Vitorino para desvendar o uso de recursos básicos para uma fotografia mais consciente. Nos encontros, o participante terá contato com os princípios básicos da linguagem e técnica, a partir do manuseio do equipamento e da prática fotográfica.

Duração: 5 encontros (de 15 a 19 de fevereiro de 2016)

Quando: segunda a sexta-feira, das 20h às 22h

5 encontros

Investimento: R$ 350,00

Público: Interessados em fotografia, a partir de 16 anos

Cadernos de esboços fotográficos – Marcello Vitorino

Nesse laboratório, o participante terá contato com as bases do ensaio fotográfico, pensando o discurso visual como meio para expressão pessoal, e o caderno de fotografias como o suporte para o que será pensado e produzido durante os encontros.

Duração: 4 encontros (de 2 a 5 de fevereiro de 2016)

Quando: terça a sexta-feira, das 15h às 17h

Investimento: R$ 350,00

Público: adultos interessados em geral

Marcello Vitorino integrou a equipe de repórteres fotográficos do Diário do Grande ABC (1997 -99), onde iniciou pesquisa que resultou na exposição João Colovatti: Revelações de um Anti-Herói (2004), em Santo André. Em 2008, apresentou monografia sobre João Colovatti na pós-graduação em Fotografia no SENAC-SP. Também fez parte do Núcleo de Fotografia da Casa do Olhar (1999 a 2007), tendo participado de diversas exposições e ações coletivas.

Oficina de queda – Felipe Bittencourt

Esta vivência procura proporcionar novos meios de estabelecer relações espaciais se baseando em novas formas possíveis de colocar o corpo em situações de risco estabelecendo diferentes formas de proteção. Neste contexto, são propostos exercícios estimulando a reavaliação dos reflexos instintivos do corpo, os reinventando, indo no caminho contrário de sua natureza para estabelecer respostas e estímulos utilizando o chão como suporte de contato e experimentação.

Duração: 1 encontro (1 de fevereiro de 2016)

Quando: segunda-feira, das 14h às 18h

Investimento: R$ 60,00

Público: interessados

Felipe Bitencourt é artista visual e pesquisa o limite físico e a autoagressão como possibilidades poéticas em performances de longa duração. Bacharel em Artes Visuais pela Belas Artes, participou da Residência Artística do Red Bull Station (SP, 2011) e da FUNDAJ (Recife, 2014).

Oficina de processos artesanais de fotografia – Luisa Malzoni

Os participantes experimentarão técnicas como o cianótipo e o marrom vandick, processos artesanais do século XIX, que permitem criar imagens em diferentes superfícies. Os alunos poderão testar fotos em diferentes suportes como papéis e tecidos e também terão uma introdução teórica sobre as invenções fotográficas da época. O participante deve trazer suportes como papel, tecidos, folhas, e objetos para fazer fotogramas, além de uma imagem digitalizada.

Duração: 4 encontros (de 1 a 4 de fevereiro de 2016)

Quando: segunda a quinta-feira, das 19h às 22h

Investimento: R$ 350,00

Público: interessados

Luisa Malzoni é formada em Fotografia pelo Senac-SP e desenvolve trabalho autoral utilizando processos artesanais. Integrou o Coletivo Oficina da Luz e realizou a primeira exposição individual em 2013, no Atelier Bricoleur. Além de fotógrafa e professora, trabalhou na Cinemateca de São Paulo. Atualmente, trabalha com restauração de filmes na Cinemateca Portuguesa de Lisboa em algumas temporadas do ano.

Giorgio Agamben: arqueologia histórica e sociologia política – João Gomes

A obra de Agamben é uma das mais relevantes para a crítica das técnicas de exercício do poder e da política, levando mais longe os conceitos elaborados por Michel Foucault, Walter Benjamin, Martin Heidegger e Guy Debord. O curso trata de cinco elementos essenciais para compreensão desta nova filosofia de linhagem italiana, representada também por Toni Negri, Roberto Esposito, Paolo Virno, Mauricio Lazzarato, Franco “Bifo” Berardi.

Duração: 5 encontros (1, 15, 22, 29 de fevereiro e 7 de março de 2016)

Quando: segundas-feiras, 20h às 22h

Investimento: R$ 350,00

Público: Interessados em geral

Georges Didi-Huberman: anacronismo e abertura das imagens – João Gomes

“‘Não existe história da arte’ [Walter Benjamin]: aquele que fala assim não julga do exterior, ele exige o interior” (G. Didi-Huberman). Esta dupla citação pode ser tomada como ponto de partida para a reflexão elaborada por GDH. Uma nova maneira de reinserir o tempo na arte e de expô-la e abri-la. Quase obsessivamente, mas de modo exato e rigoroso, o autor persegue problemas insuspeitos para a História da Arte comumente praticada. Alguns desses problemas e dessas noções serão tratados de maneira articulada.

Duração: 5 encontros (4, 11, 18, 25 de fevereiro e 3 de março de 2016)

Quando: quintas-feiras, 20h às 22h

Investimento: R$ 350,00

Público: Interessados em geral

João Gomes é bacharel (PUC-SP) e mestre em História Social (Unesp). Passou um longo período de pesquisas na França junto à Université de Paris-I La Sorbonne e da École Pratique des Hautes Études. Foi professor substituto na Unesp-Franca, professor especialista visitante na Unicamp e ministrou cursos na PUC-SP.

Compartilhar: