Lygia Clark dos anos 50

© O Mundo de Lygia Clark-Associação Cultural, Rio de Janeiro

A Alison Jacques Gallery em Londres abriu nova exposição individual com histórico das obras da década de 1950 de Lygia Clark. Esta será a primeira apresentação solo da artista desde sua retrospetiva aclamada pela crítica Lygia Clark: O Abandono da arte 1948-1988 comissariada por Connie Butler e Luis Pérez-Oramas, no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (2014). Segue-se também a instalação de Fantastic Arquitectura, no The Moore Foundation Henry (2014) e Lygia Clark: Planos orgânicos com curadoria de Lisa Le Feuvre, no Instituto Henry Moore, Leeds (2014-2015).

Nascida no Brasil, Lygia Clark (1920-1988) é uma das artistas mais pioneiras do século XX. O trabalho inovador de Clark inovou radicalmente a relação entre o objeto de arte e público e tornou-se um ponto de referência para gerações de artistas que seguem hoje os limites da escultura. Seu trabalho tem sido adquirido para grandes coleções de museus, incluindo Tate, em Londres; O Museu de Arte Moderna de Nova York; O Instituto de Arte de Chicago; Centre Pompidou, Paris e do Museu Reina Sofia, Madrid.

Lygia Clark era parte do movimento neo-concreto, um grupo dissidente do movimento de arte concreta brasileira de 1950, apelando a uma maior sensualidade, cor e sentimento poético na arte concreta. Ao se concentrar em seu trabalho a partir dos anos 1950, vemos a influência de sua primeira visita a Paris em 1950, onde estudou com artistas importantes, incluindo Fernand Léger. O desenho Escadas de 1951 é uma indicação clara da influência de Léger em Clark, mas também do seu interesse em movimento e um desejo de sair das restrições de um avião estático e esforçar-se para o trabalho que foi mais orgânico. É essa trajetória que vemos nas obras de grafite a partir do início dos anos 1950, que continua no grupo de 1957, com guaches monocromáticas em Planos e Superficie Modulada. Ao longo da década, vemos o interesse de Clark na cor através de trabalhos em guache vibrantes e uma grande pintura turquesa Superficie Modulada 1955-1957 feitas com tinta industrial a bordo.

A partir de 1955, Clark mostrou seu interesse no trabalho tridimensional e arquitetura através de suas maquetes de madeira pintadas de interiores: Maquete para interior Nos.1 e 2. Estes trabalhos revelam claramente o desejo de Clark para expandir a partir de uma pintura de superfície e se fundem bidimensional com a arquitetura. Também é visto na maquete de Clark Construa Você Mesmo o Seu Espaço de Viver, de 1955, em que Clark mostra seu sonho para um edifício inteiro em que o visitante pode alterar a configuração das salas através de uma série de paredes deslizantes , demonstrando a sua visão de participação do público e uma vida ou uma escultura orgânica.

No final dos anos 1950, Clark fez seu primeiro estudo para um Casulo, no qual um relevo começa a levantar fora da parede, refletindo a ideia de movimento. Todos os trabalhos da mostra levam a um momento crucial em 1959, quando Clark fez um estudo de madeira de balsa para o que se tornaria seu primeiro Bicho, uma escultura chamada Caranguejo. A série Bicho, que Clark passou a desenvolver ao longo dos anos 1960, foi formada a partir de uma série de placas de metal unidas por dobradiças. Deitadas, formam um avião, mas quando manipulado por um observador ou participante, as dobradiças servem como uma espinha dorsal e dá forma de um Bicho, alterado de acordo com a manipulação do espectador do trabalho. Casulo, estudo de madeira balsa da maquete Bicho e Caranguejo, todos feitos em 1959, estão incluídos nesta exposição.

Exposições individuais e coletivas importantes durante a vida de Clark incluem as primeiras Bienais de São Paulo (1953-1967), o Second Pilot Show of Kinetic Work, com curadoria de Guy Brett em Signals Gallery, Londres (1962); e uma apresentação, ao lado de Mira Schendel, na Bienal de Veneza (1968).

As únicas exposições individuais póstumas fora do Brasil antes do MOMA, foram, a retrospectiva em Nova Iorque (2014) , Fundació Tàpies Major, Barcelona (1997), que viajou para Marselha MAC; Fundação de Serralves, Porto; Palais des Beaux-Arts, em Bruxelas, o Palácio Imperial, Rio de Janeiro; e Lygia Clark: Estudos e Maquete, Alison Jacques Gallery, Londres (2010).

Compartilhar: