Kusama-mania: Yayoi Kusama está de volta!

A Marciano Art Foundation, em Los Angeles, anunciou que adquiriu a instalação “Com todo meu amor para as tulipas, eu rezo para sempre” (2011) da artista japonesa Yayoi Kusama, que atraiu milhares de fãs no ano passado para sua mostra no museu Broad. A obra de arte imersiva, com três esculturas de tulipas de plástico reforçadas com fibra de vidro em um ambiente totalmente branco repleto de pontos vermelhos, será apresentada ao público nesta quinta 26/7. Esta é a primeira vez que o trabalho é exibido na Costa Oeste.

“Com todo o meu amor pelas tulipas, eu rezo para sempre” apareceu pela primeira vez em David Zwirner, em Nova York, em 2017, como parte da exposição “Festival da Vida”. Maurice Maricano, do museu de arte Wilshire Boulevard e que possui várias pinturas e esculturas da artista de 89 anos, se apaixonou por ela nesta exposição.

No Broad, no centro de Los Angeles, a sala de espelhos infinitos de Kusama, intitulada “Almas de Milhões de Anos-luz de Distância” (2013), continua sendo uma das obras mais populares. Quando o museu colocou os ingressos antecipados à venda em setembro passado para as salas de Kusama, causou um frenesi online. Cerca de 50 mil ingressos esgotaram em menos de uma hora. A emoção deveu-se em parte ao fato de que os quartos – cenários populares de selfie que são amplamente vistos nas mídias sociais – raramente tinham sido exibidos antes.

Yayoi Kusama is back in town, this time at the Marciano Art Foundation

Em março, após encerrar a exposição no Broad, o museu anunciou que adquiriu outra “Sala de Espelho Infinito” de Kusama, “Longing for Eternity” (2017), uma câmara LED de formato hexagonal cheia de luz que os visitantes espreitam através de portinholas.

Mas isso levanta a questão: Se as regras de oferta e demanda se aplicam, será que a Kusama-mania em Los Angeles vai se acalmar? Ou o Marciano espera tanto entusiasmo quando abrir “Com todo meu amor pelas tulipas, eu rezo para sempre?”

“Não temos certeza do que esperar”, disse o vice-diretor da Marciano, Jamie G. Manné, durante uma prévia do trabalho. “Nós antecipamos ingressos. Esperamos que as pessoas fiquem animadas com isso. Mas para o Marciano Art Foundation, realmente limitamos o número de pessoas que são permitidas em qualquer momento. ”Isso atenua a multidão”, disse Manné. “O museu planeja deixar de 15 a 20 pessoas por vez na nova instalação”.

Compartilhar: