Kandinsky, Monet, Lichtenstein e Mira Schendel aquecem leilões de NY

Lichtenstein vendido pela Phillips

Os leilões de arte contemporânea da Phillips e de modernos e impressionistas da Christie’s, no dia 16/11/2016, afirmaram que grandes obras encontram compradores mesmo em épocas de Trump e incertezas.

Entre os destaques da noite de modernos e impressionistas na Christie’s, recorde de preço para Wassily Kandinski com a obra Rigide et Courbé, de 1935, vendida por US$ 23,3 milhões. Monet, sempre Monet, foi alvo de disputa acirrada com a paisagem Meule, vendida por US$81,4, também recorde de preço para obras do artista. A noite rendeu sólidos US$246 milhões em 39 lotes vendidos – apenas 10 dos 49 oferecidos não encontraram compradores.

Nos contemporâneos da Phillips, Gerhard Richter foi a estrela, com a tela que retrata um avião tipo caça em alta velocidade saindo por US$27,1 milhões. Um belo e típico nu de Lichtenstein alcançou US$21,5 milhões, tudo dentro do previsto. Mira Schendel esteve presente com um gesso sobre madeira branco bem vendido a US$970 mil, a única brasileira. Uma surpresa foi a tela de Mark Grothjan, com estimativa de US$ 600 a 800 mil que saiu por US$1,45 milhão. A expectativa em torno de cinco lotes da coleção do estilista Tommy Hilfiger, de Keith Hering, Jean Dubuffet, Damien Hirst, Andy Warhol e Jean Michel Basquiat, não elevou o preço e todas foram vendidas dentro das estimativas.

A grande semana de leilões de Nova York volta com força. Todos esperam as vendas de contemporâneo e latino-americanos das duas grandes casas Christie’s e Sotheby’s nos próximos dias.

 

Compartilhar: