Gisela Motta & Leandro Lima expõem na Galeria Vermelho, em São Paulo

Em Chora-Chuva, Gisela Motta e Leandro Lima seguem com sua investigação a respeito da relação do homem com seu entorno. A partir da constatação de uma crise ambiental global, a dupla toca em pontos pertinentes da discussão atual sobre problemas no gerenciamento de recursos. Estão presentes trabalhos que falam do desuso sempre rápido de meios e mídias em detrimento de técnicas mais avançadas e sobre qual o resultado dessas operações.

Na instalação que dá nome à exposição, Chora-Chuva, de 2014, 16 baldes de plástico com água são posicionados sobre mesas como que para conter goteiras que invadem o espaço expositivo. Sob esses baldes foram instaladas caixas de som que ao emitirem sinais e impulsos provocam vibrações na água, emulando gotejar sobre sua superfície. O Trabalho idealizado para a última Bienal de Vancouver, ganha novos significados quando inserido em um contexto de crise de abastecimento de água na maior metrópole do país, chamando atenção para a necessária reflexão de toda a sociedade sobre esse problema. Motta e Lima chamam atenção para um conflito que atinge sua tensão máxima e deve ser resolvido

A água também está presente nas pinturas da série Terrenos, de 2015. Nesses trabalhos, desenhos gerados com tinta enamel (a mesma utilizada para pintar miniaturas de veículos militares) remetem a padrões de camuflagem. Na técnica chamada Ebru, a tinta é depositada sobre água e o próprio movimento da água tingida é transferido para o suporte. As pinturas remetem a visões de regiões da América Latina vistas por satélites (representadas em seus esquemas de cores). As peças da série Terrenos foram construídas com base nos jogos de Tangram. Esse ponto reforça a ideia da camuflagem como desenvolvimento do raciocínio lógico na analise e distinção de suas formas. Com o uso referente a esse tipo de padronagem, os artistas também apontam para as regiões representadas como zonas de conflito, ou como zonas que, por alguma razão, vêm (ou devem ver) o outro como inimigo. Atacama, Tapajós e São Paulo são algumas das localidades representadas na série

Outro trabalho ligado às paisagens urbanas e naturais é Relâmpago, de 2015. Os artistas criaram um relâmpago feito com lâmpadas tubulares do tipo activiva. Segundo o fabricante, esse tipo de lâmpada promove o bem estar e a produtividade do ser humano, além de estimular a fotossíntese. Fica evidente a observação dos artistas a respeito da dependência do homem da energia elétrica para seu bom funcionamento, ao menos em perímetros urbanos.
É importante, no entanto, investigarmos outros aspectos da simbologia ligada aos relâmpagos: teorias científicas apontam que descargas elétricas possam ter sido fundamentais no surgimento da vida. Na história humana, foi possivelmente a primeira fonte de fogo, fundamental no processo da evolução. De um modo geral, o raio representa um poder ao mesmo tempo criador e destruidor, seja observando por um ponto de vista científico ou mitológico. É simultaneamente a vida e a morte; uma síntese da atividade celeste e suas ações transformadoras.

Essas relações dicotômicas aparecem em outros trabalhos da mostra como em Beija-Flor, 2013. Na peça, dois tripés sustentam uma traquitana que rotaciona hélices de formatos irregulares e sobre elas é projetada a imagem de um beija-flor. A imagem desse pássaro – que vive apenas nas Américas – se forma numa superfície transparente, como uma holografia. As hélices fragmentam a projeção originalmente branca e sua cor percorre todas as cores do espectro em movimento decorrente da insuficiência da frequência de projeção. É como se dessa insuficiência surgisse essa imagem oriunda do reino animal. É o natural que emerge a partir da insuficiência do aparato eletrônico.

A insuficiência das mídias também está presente no vídeo Horizonte, de 2015. Na obra, cordas de um violão formam ondas de dimensões e comprimento distintos a partir da incapacidade – ou incompatibilidade – da câmera de vídeo em captar as vibrações geradas pelo instrumento de cordas.

Em Bugado, de 2014, a luz original de um monitor foi removida, deixando apenas a parte frontal, transparente, do equipamento. Por trás dessa tela, os artistas instalaram uma lâmpada fria do tipo econômico. Como o monitor segue funcionando sem a luz original, a lâmpada adicionada permite ver a imagem que é transmitida para o equipamento. O que se vê então são moscas que parecem circular ao redor da luz emitida pela instalação. A impressão que se tem é a de um vestígio de uma cultura material. É, porém, o que sobra em funcionamento nessa ruína, que nos faz ver a natureza ao seu redor, no caso, a imagem das moscas que circundam o objeto.

Finalmente, em Deposição, de 2013, o desuso aparece na forma da acumulação de enciclopédias impressas que, cortadas como desenhos topográficos aparentam serem estalagmites. Fazem referência, portanto, a uma sedimentação de materiais que se desprenderam de seu contexto original e passaram a estruturar uma forma composta por resíduos.

Exposição: 31.03.2015 a 02.05.2015
Visitação: de ter. a sex. das 10h às 19h e sáb. das 11h às 17h
Mais informações: http://www.galeriavermelho.com.br

Compartilhar:
Notícias - 25/06/2015

Veja todos os artistas da Bienal de Veneza

A 56ª Bienal de Arte de Veneza, curada por Okwui Enzwezor, foi inaugurada no dia 9 de maio com mais …

Notícias - 07/01/2016

Zona Maco no México recebe as galerias mais poderosas do mundo

Se o nível de excelência, maturidade e, acima de tudo, a influência de uma feira de arte é medida pelas …

Notas - 11/12/2015

São Paulo e Belo Horizonte recebem a 7ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria

Os dez artistas selecionados na 7ª edição do Salão dos Artistas Sem Galeria, promovido pelo Mapa das Artes, participam de …

Notícias - 28/03/2017

Especial SP-Arte - Nota 3: Galeria Ybakatu de Curitiba participa pela oitava vez

A Galeria Ybakatu participará da 13ª edição da SP-Arte, evento que reunirá mais de 120  das principais galerias nacionais e …

Notícias - 23/08/2018

Conheça as obras miniaturas do artista de rua Michael Pederson

Michael Pederson, também conhecido anteriormente como Miguel Marquez Outside, instala placas em miniatura em locais despretensiosos, transformando plantas e objetos …

Notícias - 18/05/2017

2ª edição ArcoLisboa em imagens

O dia mais importante da ARCOLisboa não aparece no calendário. A inauguração oficial está marcada para hoje, quinta-feira – com …

Notícias - 27/03/2015

Bate-papo com o artista Milton Machado na Casa Daros.

No dia 28 de março, às 17h, o artista Milton Machado – um dos participantes da mostra Made in Brasil …

Notícias - 04/05/2017

Vito Acconci morre aos 77 anos

O artista de performance e designer Vito Acconci faleceu aos 77 anos.

A notícia foi divulgada no Instagram do escritor, curador e colecionador, …

Notícias - 18/05/2018

Hoje é dia de Museu!

Iniciativa contempla estratégias no ambiente digital e programação especial nos 19 museus da rede ao longo do ano; primeira ação …

Notícias - 18/08/2016

Vencedores ​do Prêmio Mundie de Fotografia

Selecionados entre quase 350 fotógrafos de 21 estados, os vencedores do Prêmio Mundie de Fotografia terão suas obras expostas na …

Notícias - 04/10/2018

Bilionário russo, dono de Salvator Mundi e Nu de Modigliani, processa a Sotheby's em US$ 380 milhões

A contínua e violenta batalha entre o bilionário russo de fertilizantes Dmitry Rybolovlev e Yves Bouvier, um comerciante de arte …

Notícias - 10/05/2018

Grupo ativista quer esculpir uma escultura de gelo de Donald Trump

O grupo ativista finlandês Melting Ice espera esculpir uma escultura de gelo de 35 metros de altura de Donald Trump …