Fundação Lichtenstein fecha as portas e doa acervo de 400 obras

Roy Lichtenstein Shipboard Girl (1965). Foto: cortesia do Museu Whitney.

Nesta semana, a Fundação Roy Lichtenstein anunciou que fecharia as portas e daria o restante de sua propriedade para os museus. Em sua primeira rodada de doações, a fundação está oferecendo cerca de 400 obras – cerca de metade de suas propriedades – para o Museu Whitney de Arte Americana, em Nova York, e 500.000 documentos para os Arquivos de Arte Americana do Smithsonian.

O diretor da Whitney, Adam Weinberg, disse ao New York Times que o presente é uma das maiores doações individuais de artistas na história do museu e disse que se tornaria “um dos marcadores históricos de nossa instituição”. 

Mar,(1964). Foto: cortesia do Museu Whitney.

Para os museus foi dada a liberdade de escolher as obras que eles queriam. Entre as peças-chave escolhidas estava a escultura “Head of Girl” (1964), de Lichtenstein, do seu período mais desejável. Também foram incluídos os primeiros trabalhos, como “Pilot” (1948) e “Untitled” (1959-1960), que demonstram o desenvolvimento e a experimentação do artista com estilos diferentes e menos reconhecíveis.

Como parte do acordo, uma seleção das obras doadas irá para a Coleção de Estudos Roy Lichtenstein, do Whitney, que será a maior do gênero. Os curadores do museu Whitney escolheram cinco pinturas, 17 esculturas e 145 gravuras que formarão a base do centro de estudos e complementarão a coleção existente do museu de 26 obras de Lichtenstein. E no outono, o antigo estúdio do artista, localizado a apenas quatro quarteirões do museu, começará a receber palestras e aulas.

Enquanto isso, os arquivos doados para o Smithsonian serão digitalizados e disponibilizados publicamente on-line em um esforço conjunto entre o Smithsonian e a fundação que deve durar de cinco a sete anos.

Garota chorando, (1963). Foto: Ben Pruchnie

Compartilhar: