FotoRio celebra o Rio de Janeiro

© Rafael Duarte

Com o objetivo de valorizar e estimular cada vez mais a fotografia, o FotoRio – Encontro Internacional de Fotografia do Rio de Janeiro, chega a sua oitava edição em 2015 com um amplo calendário entre os meses de junho e julho em diferentes pontos da cidade. E para celebrar o aniversário de 450 anos de formação do Rio de Janeiro, a cidade será tema de todas as exposições. De acordo com Milton Guran, Coordenador Geral do evento, “neste ano o FotoRio celebra os 450 anos de fundação do Rio de Janeiro fazendo da cidade e de seus habitantes seus temas exclusivos. Queremos que a cidade se mostre através dos diferentes olhares e ângulos captados por seus fotógrafos. Queremos estimular não só a exposição e discussão de trabalhos da fotografia brasileira e internacional, como promover e afirmar o FotoRio como um dos principais eventos na agenda cultural do país”.

Para estimular a discussão, além de exposições em museus e centros culturais, estão programados momentos de debate e reflexão sobre temas relevantes ao panorama da fotografia no país. O evento reforça o objetivo de valorizar a fotografia como bem cultural, dando visibilidade aos grandes acervos e coleções públicas e privadas e à produção fotográfica contemporânea brasileira e estrangeira, através de exposições, projeções e intervenções urbanas, cursos, seminários, oficinas, mesas-redondas, palestras e conferências. A intenção é destacar, através de um evento de porte internacional, a importância da fotografia na comunicação e na vida social contemporânea.

Veja abaixo a programação do FotoRio 2015

——————————————————
Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
Rua Luís de Camões, 68
Horário: 2ª, 4ª e 6ª feira, das 12h às 20h; 3 ª, 5 ª sábados e feriados das 10h às 18h

O Rio de Luz de Bina Fonyat – De 07 de junho a 18 de julho
Homenagem ao fotojornalista prematuramente falecido em 1985, reconhecido como um dos mais sensíveis cronistas da cidade nas décadas de 1970 e 1980. Retrospectiva que visa destacar o papel de Bina Fonyat como precursor da edição de livros de fotografia no Brasil, reunindo imagens de sua trilogia: “Fotografias”; “Carnaval” e “Copacabana”. A curadoria é de Pedro Vasquez.

Janus, de Walter Carvalho – De 07 de junho a 18 de julho
Janus, as duas caras do mesmo rosto, filho de Creusa e Apolo, guardião das entradas e deus dos começos. Ao morrer recebeu status de Deus, cuja vida foi dedicada as transformações, sua dualidade o fez Deus das transições, associado a sabedoria porque olhava para o passado e podia prever o futuro. O término e o começo, entre a vida primitiva e a civilização. Daí as duas faces a mirar para lados opostos, o da verdade o outro da mentira, o oculto e o desconhecido.Na Cinelândia transitam esses “janus” transvestidos de “zorros”, “columbinas” e “piratas”. De “pierrôs” e de “medusas”.

Ser Carioca – Formas de Sociabilidade na cidade do Rio de Janeiro – Exposição coletiva com curadoria Milton Guran, Pedro Vasquez e Julieta Roitman – De 07 de junho a 18 de julho
Dentro do espírito de revelar a cidade através de seus fotógrafos, a exposição coletiva “Ser Carioca – Formas de sociabilidade do Rio de Janeiro” tem como objetivo mapear a vida cotidiana da cidade, mostrando como os habitantes do Rio se relacionam entre si e com o espaço urbano.

Curso/ Seminário Caminhos da fotografia: ontem, hoje, amanhã – 15 de junho, de 14h às 20h
14h – Difusão da fotografia no século XIX, com Lygia Segala e Joaquim Marçal
16h – Fotografia moderna:dois precursores, com Douglas Fasolato e Maria Teresa Bandeira de Mello
18h – Fotografia e museu na atualidade, com Luiz Gulherme Vergara e Joana Mazza
——————————————————
Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas
R. Murtinho Nobre 169 – Santa Teresa
3ª a dom. das 10h às 18h

Entrelinha, de Ana Hupe – De 07 de junho a 26 de julho

Esta exposição toma as lajes do Rio de Janeiro como ponto de partida, início de uma expedição que corre no tempo para desvendar informações naufragadas e pensar na influência dos negros africanos na cultura brasileira, que, afinal, chegaram à cidade de barco. As lajes são como ilhas menores em tamanho, mas com mistérios além. Com curadoria de Julieta Roitman

——————————————————
MAR – Museu de Arte do Rio – Escola do Olhar
Praça Mauá, 5 – centro.

IX Encontro sobre Inclusão Visual do Rio de Janeiro – 16, 17 e 18 de junho das 10h às 17h
A fotografia como meio de inclusão social em comunidades populares – Cursos e Laboratórios
Abertura – Ana Maria Mauad
Participação da fotógrafa espanhola Cristina de Middel, especializada em realidade fantástica.

O Encontro sobre Inclusão Visual do Rio de Janeiro, que realiza este ano sua nona edição, é pioneiro no gênero, tendo se firmado como uma referência maior no país e no exterior. Com objetivo de reunir e proporcionar troca de experiências entre diversos projetos que utilizam a fotografia como instrumento de inclusão social em comunidades populares, o encontro congrega coordenadores, alunos e monitores de projetos de todo o Brasil para apresentarem seus trabalhos, suas formas de organização e suas experiências particulares.

——————————————————
Museu Nacional de Belas Artes
Av. Rio Branco, 199 – Centro

Leitura de Portfólio – análise de portfólio realizada por curadores, galeristas e outros profissionais de renome no mercado – 24 , 25 e 26 de junho, de 10h às 17h
Inscrições prévias pagas. Foco na formação profissional

——————————————————
Centro Cultural Justiça Federal
Av. Rio Branco, 24 – Centro
3ª a dom. das 12 às 19h

O Mar de Malta, de Augusto Malta – De 12 de junho a 02 de agosto

Celebrando os 150 anos de nascimento de Malta, o maior cronista visual do Rio no começo do séc. XX, época em que o banho de mar como lazer entra na vida do carioca, marcando definitivamente a sua identidade social. A exposição, com curadoria do fotógrafo e antropólogo Milton Guran, reúne imagens (cópias digitais) desse momento que marcou a identidade cultural do Rio selecionadas em arquivos públicos e privado.

Valongo: Cartas ao mar, de Eustáquio Neves – De 12 de junho a 02 de agosto
Exposição fotográfica concebida a partir de documentos e materiais de arquivos públicos do Rio de Janeiro e pesquisa de campo com interesse principalmente a área do Cais do Valongo, na Zona Portuária do Rio de Janeiro. A exposição contará com imagens fotográficas e um vídeo.

Paisagem Blindada, de Bruno Veiga – De 12 de junho a 02 de agosto
Junho de 2013: o país entra em ebulição com protestos e repressão nas ruas das principais cidades brasileiras. No Rio de Janeiro, o cenário ganha novo visual. O medo entra em cena e tapumes nas fachadas de prédios e estabelecimentos comerciais surgem como biombos contra a violência e as ideias que estão vindo das ruas. Paisagem Blindada é um registro deste momento político.

#realvirtual #calçadão, de Carolina Matos – De 12 de junho a 02 de agosto
#realvirtual #calçadão é um trabalho fotográfico que pesquisa sobre o tempo e o espaço da imagem digital, buscando explorar essa ambiguidade entre o real e o virtual. A artista captura de maneira analógica, em preto e branco, imagens do cotidiano do calçadão carioca, agora presentes apenas na materialidade da tela eletrônica através do Google Street View. O intuito é o questionamento sobre a objetividade da percepção do espectador a partir do ponto de vista onde o pixel vira grão, a tela intangível se transforma na concretude do papel e a fronteira entre real e virtual é borrada. Com curadoria de Julieta Roitman

Simplesmente Rio, de Rafael Duarte – De 12 de junho a 02 de agosto
Ao longo dos últimos anos, o fotógrafo carioca Rafael Duarte desbravou o Rio de Janeiro em busca de ângulos inusitados para celebrar a chegada dos 450 anos da cidade. O resultado está na série “Simplesmente Rio”, que revela a magia da cidade. O artista escalou montanhas, subiu em monumentos, construções históricas, pegou barcos, avião e helicóptero. As imagens revelam um encontro poético com o silêncio. Sem samba, sem pessoas, sem cor. Apenas mar, céu, montanhas e concreto. Uma cidade crua em meio à natureza. Com curadoria de Jaime Portas Vilaseca.

Perto dos Navios, de Rogério Reis – De 12 de junho a 02 de agosto
Para esse FotoRio dedicado aos 450 anos da cidade, Rogério Reis apresenta 10 imagens da vida na região portuária, que hoje passa por uma planejada transformação em sua paisagem.

Os Olhos do Rio – Retratos de cem fotógrafos cariocas, de Heiner Pflug – De 12 de junho a 02 de agosto
O fotógrafo alemão Heiner Pflug, que vive há mais de 30 anos no Rio de Janeiro, faz uma bela homenagem aos fotógrafos cariocas, colocando-os do outro lado das lentes. Após dois anos mergulhado neste projeto, com um total de 140 retratos de fotógrafos consagrados e emergentes, Pflug apresenta nesta exposição, e no livro homônimo, retratos intimistas capturados com luz natural de parte da história da fotografia carioca.

Ser Carioca – Formas de Sociabilidade na cidade do Rio de Janeiro – Exposição coletiva com curadoria Milton Guran, Pedro Vasquez e Julieta Roitman. – De 12 de junho a 02 de agosto
Dentro do espírito de revelar a cidade através de seus fotógrafos, a exposição coletiva “Ser Carioca – Formas de sociabilidade do Rio de Janeiro” tem como objetivo mapear a vida cotidiana da cidade, mostrando como os habitantes do Rio se relacionam entre si e com o espaço urbano.

Palestra Augusto Malta: o cronista visual da paisagem carioca, com Ricardo de Hollanda – 14 de julho, 18h30
56 lugares com distribuição de senha uma hora antes. Após a palestra, será feito o lançamento do catálogo da exposição, com distribuição gratuita para os participantes da palestra.
A obra de Augusto Malta guarda muitas relações com a cidade do Rio de Janeiro, pois através de sua vasta e eclética documentação fotográfica, desenvolvida nas três primeiras décadas do século XX, percebemos a dinâmica da cidade, oferecendo ao pesquisador um universo de informações únicas. Pela extensão e qualidade de sua produção visual foi considerado como o primeiro fotógrafo a entender a importância da fotografia como veículo de comunicação com linguagem própria. Seu estilo inaugurou e fortaleceu o fotojornalismo na imprensa carioca. Junto com João do Rio criou a reportagem ilustrada, além de ceder fotos de ocorrências importantes aos jornais e revistas da época, tornando-se autor de autênticos “furos jornalísticos”.

——————————————————
Centro Cultural Banco do Brasil
Rua Primeiro de Março, 66 – Centro

FotoRio 2015 no CCBB – As Primeiras Cores do Rio – curadoria de Milton Guran e Cristianne Rodrigues – De 1º de julho a 21 de setembro
As primeiras cores do Rio – Autocromos da coleção Archives de la Planète. Reúne vinte imagens do Rio de Janeiro produzidas pelo processo de autocromos em 1909 que integram os Archives de la Planète do acervo do Musée Albert Khan de Paris.

——————————————————
Biblioteca Parque Estadual
Avenida Presidente Vargas, 1261 – Centro
3ª a 6ª de 12h as 18h30

Ser Carioca – Formas de Sociabilidade na cidade do Rio de Janeiro – De 10 de junho a 15 de agosto

Dentro do espírito de revelar a cidade através de seus fotógrafos, a exposição coletiva “Ser Carioca – Formas de sociabilidade do Rio de Janeiro” tem como objetivo mapear a vida cotidiana da cidade, mostrando como os habitantes do Rio se relacionam entre si e com o espaço urbano.

——————————————————
Solar Grandjean de Montigny – Museu Universitário PUC-Rio
Rua Marquês de São Vicente, 225 – Gávea
2ª a 6ª das 10h às 17h

Ser Carioca – Formas de Sociabilidade na cidade do Rio de Janeiro – De 21 de junho a 21 de agosto
Dentro do espírito de revelar a cidade através de seus fotógrafos, a exposição coletiva “Ser Carioca – Formas de sociabilidade do Rio de Janeiro” tem como objetivo mapear a vida cotidiana da cidade, mostrando como os habitantes do Rio se relacionam entre si e com o espaço urbano.

Compartilhar: