Filha processa seu pai por causa da pintura de Jean-Michel Basquiat

Uma feroz guerra familiar explodiu com a venda de “Flesh and Spirit” (1982-83), de Jean-Michel Basquiat, uma pintura a óleo de grande escala sobre madeira que foi vendida por US$ 30,7 milhões no mês passado pela Sotheby’s.

Esta semana, a consignadora da obra, Belinda Neumann-Donnelly, processou seu pai, Hubert Neumann, por tentar deter o leilão , que Neumann-Donnelly argumenta que ocasionou na depreciação do preço final de venda da obra.

Em sua ação apresentada na quinta-feira (7 de junho) na Suprema Corte de Nova York, Neumann-Donnelly diz que o trabalho poderia ter custado até US$ 45 milhões se seu pai não tivesse enlameado a venda na Sotheby’s. Na noite seguinte, a Phillips New York vendeu uma obra similar de Jean-Michel Basquiat, chamada “Flexible” (1984), por US$ 45,3 milhões. Neumann-Donnelly está pedindo US$ 100 milhões em sua ação.

Hubert Neumann diz que toda a disputa “decorre do fato de Belinda ter ido colcado nas minhas costas para vender a obra muito valiosa [trabalho de Basquiat] que pertencia à minha falecida esposa”, e que ele inicialmente ouviu falar sobre a venda através da Bloomberg News.

A mãe de Neumann-Donnelly, Dolores Neumann, que morreu em setembro de 2016, comprou a pintura diretamente do artista em 1983 e, de acordo com a queixa, deixou sua propriedade para Neumann-Donnelly depois de escrever Neumann fora de seu testamento.

O processo de arte é apenas uma parte de uma complicada batalha legal entre a família. Neumann-Donnelly e seu marido, além de seus dois filhos, residem no mesmo prédio de cinco andares do Upper West Side assim como Hubert Neumann. Eles entraram com uma ordem de restrição temporária contra Neumann em 29 de maio, quando Hubert, após um confronto acalorado, tentou despejar sua filha e sua família sem motivo, de acordo com documentos judiciais.

Compartilhar: