“Está cheio de obras de didatismo nu”. Veja fortes críticas as Guerrilla Girls e ao Whitney Museum

Por Liam Warner (National Review)

No último fim de semana, tive a infelicidade de passar uma tarde no Whitney Museum of American Art, em Nova York. Um amigo meu me pediu para se juntar a ele para desvendar o lugar, o que eu deveria torná-lo responsável pelos danos de US$ 18 gastos por várias horas e pelo sofrimento emocional intencional.

O Whitney, como é chamado, não é de todo ruim. Tem alguns bons Hopper, Lichtenstein e artistas menos conhecidos, como Henry Koerner. A longa exposição de fotografia também foi excelente. Infelizmente minhas lembranças agradáveis ​​de todas essas obras foram manchadas pela exposição no sexto andar – “Uma História Incompleta do Protesto”.

Virando a esquina para entrar na exposição, encontrei a combinação mais fascinante de esquerdismo e mau gosto já reunida. Havia um mosaico de sinais anti-Vietnã, que mostravam os talentos dos hippies para zeugma (“Salve Vidas, Não Enfrentam”) e xingamentos (“F *** o Draft”). Em seguida, seguiram alguns horripilantes cartazes relacionados à AIDS, incluindo genitália e mais frases (uma foto de Reagan com a legenda “He Kills Me”).

Em seguida, havia uma parede cheia de cartazes de uma organização chamada Guerrilla Girls. O material em questão pareciam anúncios que poderiam ter sido retirados da Ms. magazine voltando para quando era necessário ler para os fashionistas radicais. “Os republicanos não se preocupam com os direitos das mulheres para controlar seus próprios corpos!” (Letras menores: “o aumento do peito”, “rinoplastia”, etc.) “Exigimos um retorno aos valores tradicionais sobre o aborto” (letras menores: “A igreja católica não proibiu o aborto até 1869”).

Esta exposição estava um andar inteiro de mentiras, obscenidade, melodrama e um único truque retórico usado 8 mil vezes. Que, para emprestar um conceito de Meryl Streep, não são as artes.

Essa era a principal fraqueza do museu: evitava a arte e preferia o “razzmatazz” (barulho). Sem dúvida, serei chamado de hater filisteu dos estilos modernos e reacionário pseudo-culto, mas isso não está realmente em questão aqui. A questão é se propaganda é arte, e a minha resposta é não.

“Expressão” é provavelmente a palavra mais associada à arte atualmente, especialmente com arte visual. Isso está correto se for bem compreendido, embora tenha uma tendência alarmante de se tornar a proposição “qualquer expressão é arte”, o que está completamente errado. “F *** the Draft” é expressivo, claro, mas não é artístico. O que distingue os artistas de todos os outros é que eles não são apenas expressores, mas os melhores expressadores; eles fazem coisas que não só não conseguimos, mas não fazemos. Eles acham “a palavra certa” ou seu equivalente em outras mídias, enquanto o resto de nós pode recorrer apenas a generalidades.

O objetivo principal da arte, portanto, é a elevação. O artista pode ter um sentimento e refiná-lo para que até mesmo as pessoas que não o sentem possam entender por que os outros o fazem. Os ateus que vêem “O Juízo Final” contemplam por um momento que milhões de pessoas esperaram com medo e ainda aguardam aquele dia de ira. A arte, especialmente a arte religiosa, freqüentemente tem um efeito mais forte sobre as pessoas que concordam com as premissas dos artistas; certamente Michelangelo estava mirando no crente quando pintou a Capela Sistina. Mas seu trabalho também tem efeitos colaterais simpáticos sobre o incrédulo.

A coerção não é um objetivo da arte. O ateu em relação ao “Juízo Final” não tem a sensação de que alguém está tentando convertê-lo ao catolicismo. A obra das Guerrilla Girls, por outro lado, é projetada para intimidar a submissão a qualquer pobre alma. Ele deve se sentir atacado se não concordar.

Uma parede foi coberta com o que provisoriamente chamarei de um poema que consistia em colunas das mesmas estrofes repetidas vezes sem conta: “Não aos racistas”, “Não aos fascistas”, “Não aos estalidos como cultura”, “Nenhuma coisa islamofóbica “Nenhum significado sem significado”. Pode-se fazer uma de duas coisas em resposta a isto: acene com a cabeça ou sacuda-a. Não há complexidade. Para o esquerdista, é um mantra reconfortante direto do misticismo oriental; para os não-esquerdistas, é um resumo de todas as coisas que os manifestantes gritam quando você está tentando trabalhar.

Em outras palavras, a exposição compromete o pecado principal da arte, que é o didatismo nu. Os materiais pertencem, se em qualquer lugar, a um museu de história, porque são artefatos históricos e não obras artísticas. É claro que o protesto e a injustiça são bons temas para a arte, mas o artista precisa refinar sua raiva em uma criação sutil. “O terceiro de maio” de 1808 é uma pintura de protesto. As mudanças na cor e brilho são impressionantes; o espectador vê a figura principal prestes a ser disparada, depois os cadáveres dos que já foram atingidos; Ele imediatamente se pergunta como se sentiria se fosse aquele camponês aterrorizado. “F *** the Draft” não faz exatamente nada disso.

Tem-se a sensação de que os patronos desta visita ao museu provam quão progressistas são. Eles não se importam que a chamada arte seja a quintessência do porão. Preocupam-se apenas que avança a ideologia de “rigueur” (rigor). A Marcha pela Vida vem acontecendo desde 1974, mas não encontramos nenhum sinal de “Aborto é Assassinato” na história incompleta de protesto. Isso levaria o museu a ser evitado pela alta sociedade.

Na verdade, não há razão para que o Whitney continue se intitulando um museu de arte, agora que deixou de lado o mérito artístico como critério de seleção. Deixe-o chamar-se o santuário do protesto – pelo menos então os desditos conservarão seu dinheiro.

Compartilhar: