Escultura de latão de Brancusi pode bater recorde de venda

Grandes investimentos em arte geralmente se resumem a uma simples coisa: segurar pelo maior tempo possível.

Isso é certamente verdade para uma escultura de Constantin Brancusi oferecida no leilão de arte moderna e impressionista da Christie’s para 15 de maio. Os americanos Elizabeth e Frederick Stafford estiveram em Paris em 1955 quando compraram o trabalho diretamente do artista por cerca de US$ 5.000. Hoje, a peça de 90 centimetros de altura é estimada em mais de US$ 70 milhões. Isso representa um retorno de 1.400.000% em 63 anos.

O dinheiro vai para os três filhos do casal, que planejam distribuir parte dele entre as causas de caridade que eles prezam, incluindo arte, educação e ópera, disse sua filha, Alexandra Stafford.

Fundido em latão, o singular trabalho de 1932 intitulado “Jeune fille sophistiquee (Retrato de Nancy Cunard)” representa a cabeça de uma mulher com um rabo de cavalo. A escultura foi inspirada na herdeira inglesa de olhos azuis, campeã dos direitos civis e jornalista de guerra que jogou tênis com Ernest Hemingway e foi uma musa para o artista surrealista Andre Breton.

Alexandra Stafford disse que sempre achou que o título representava sua mãe, que morreu em janeiro.

“Vindo de Nova Orleans e indo para Paris, ela era um pouco tímida”, disse ela. “Levou um tempo para aprender a se vestir e ser tão sofisticada quanto uma dama francesa.”

A estimativa da Christie’s coloca o trabalho nos trilhos para bater o recorde de leilão de 57,4 milhões do ano passado para o artista romeno (1876-1957) e se tornar uma das esculturas mais caras já vendidas.

O maior recorde é do bronze de Alberto Giacometti, comprado pelo gerente de fundo de hedge Steve Cohen em maio de 2015 por US$ 141,3 milhões. Seis meses antes, uma bilionária comprou a mesma escultura por US$ 100,9 milhões do bronze pintado do artista intitulado “Chariot”. “Tete”, cabeça de pedra de Amedeo Modigliani foi comprada pelo bilionário russo Dmitry Rybolovlev em 2014 por US$ 70,7 milhões.

Compartilhar: