Claudio Tozzi recebe primeira individual em Londres

© Divulgação

Precursora do fenômeno artístico que seria conhecido como Pop Art, Londres recebe, entre 23 de janeiro e 24 de março, a primeira individual no Reino Unido daquele que é considerado o pioneiro da vertente pop no Brasil. Claudio Tozzi: New Figuration The Rise of Pop Art 1967-1971 é uma parceria da galeria Almeida e Dale com a galeria britânica Cecilia Brunson Projects, que hospeda a exposição e reúne 18 obras do artista realizadas no período de ascensão e auge da ditadura civil-militar (1964-1985). A individual é a primeira de uma série de três exposições feitas em parceria entre as duas galerias que têm por objetivo apresentar ao público britânico a arte moderna e contemporânea do Brasil.

O artista é também um dos destaques da exposição The World goes pop, na Tate Modern, que conecta as obras dos principais artistas da Arte Pop dos anos 1960-70 na América Latina, Ásia, Europa e Oriente Médio.

Nascido em São Paulo (SP), Claudio Tozzi (1944) formou-se em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU-USP, mas sempre trabalhou como artista gráfico, linguagem determinante de sua obra, assim como as cores fortes, a cultura popular e os meios de comunicação.

Enquanto, nos Estados Unidos e no Reino Unido, a Arte Pop tratou, basicamente, da cultura de massas e da sociedade de consumo, na obra de Tozzi, que sempre pretendeu levar sua arte às massas, o tema central é a realidade política brasileira durante o período de maior repressão da ditadura. Em sua obra, a crueza da experiência ditatorial leva o autor a utilizar a estética pop como uma metáfora dos anos de repressão, violência e arbitrariedades do Estado, inserindo sua obra não apenas no contexto global da arte, mas também nas questões políticas mundiais do pós-1945, marcada pela Guerra Fria.

Compartilhar: