Cine Esquema Novo Expandido apresenta seleção exclusiva do Festival de Berlim

© Divulgação

As cidades de Porto Alegre e Rio de Janeiro recebem em novembro a edição de 2015 do Cine Esquema Novo Expandido – a mostra especial do festival Cine EsquemaNovo que, intercalada a cada ano com sua versão principal e competitiva, oferece ao público um recorte mais específico das relações entre o cinema autoral e a videoarte no Brasil e no mundo.

O Cine Esquema Novo Expandido – Berlinale Forum 2015 apresenta, entre 03 e 08 de novembro em Porto Alegre e entre 19 a 25 do mesmo mês no Rio de Janeiro – integrando a programação da Semana dos Realizadores – uma curadoria de obras exibidas no mês de fevereiro na seção Forum / Forum Expanded: oficialmente, “a programação mais ousada do Festival de Cinema de Berlim”. O Forum surgiu nos anos 1970, enquanto contraponto cultural e narrativo à competição mainstream da Berlinale.

Os filmes do Fórum equilibram-se sempre na fértil linha que perpassa a arte e o cinema – explorando, segundo seus curadores alemães, “o Avant Garde, as obras experimentais, os ensaios, as observações de longo prazo, a reportagem política e as paisagens cinematográficas que ainda estão por ser descobertas”. Trata-se de uma missão de referência no panorama audiovisual global, e que tornou-se ainda mais aguda a partir de 2006 com a implementação do Forum Expanded – o programa que ocupa diversos espaços da cidade de Berlim com filmes, vídeos, instalações e trabalhos de performance, “fornecendo uma perspectiva crítica e um sentido expandido para a cinematografia”.

E é sobre este universo que os curadores convidados e sócios do CEN, Gustavo Spolidoro e Jaqueline Beltrame, trabalharam para montar a programação que chega às duas cidades brasileiras com entrada gratuita. Entre os artistas / realizadores selecionados para o Cine Esquema Novo Expandido – Berlinale Forum 2015 estão nomes como os canadenses Guy Maddin e Evan Johnson (“The Forbidden Room”, exibido nos festivais de Sundance, Copenhagen, Barcelona e Istambul), a israelense Silvina Landsmann (com o documentário político “Hotline”), o mexicano Joshua Gil (discípulo de Patricio Guzmán e Carlos Reygadas, que lhe ajudou na fase final de “La Maldad” que o CEN exibe nesta edição), o libanês Akram Zaatari (com o impressionante ensaio visual “Twenty-Eight Nights and a Poem” que estreia este mês no MoMA em Nova York) e os portugueses João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata (com “Iec Long”, onde voltam a explorar o imaginário industrial da Macau, na Ásia). Completam a programação, entre filmes e videoinstalações, obras de Basma Alsharif (Palestina, “A Field Guide to the Ferns”), Janina Herhoffer (Alemanha, “Freie Zeiten – After Work”) e os brasileiros Felipe Bragança (“Escape From My Eyes”), Filipe Matzembacher e Márcio Reolon (“Beira Mar”), Fred Benevides (“Viventes”) e Arthur Tuoto (ganhador da Competição Brasil do Cine Esquema Novo 2014 com o filme-ensaio “Aquilo que Fazemos com as Nossas Desgraças” e que participa do CEN-E com o video loop exibido em Berlim “Je Proclame la Destruction”).

Para Jaqueline e Spolidoro, esta é uma seleção marcada por um olhar artístico que percorre caminhos pouco explorados. “São trabalhos que transitam entre espaços e plataformas, seja na sala de cinema ou na galeria, apresentando uma liberdade formal e narrativa aberta a radicalismos, estranhamentos e ebulição social”.

Compartilhar: