Artistas reivindicam galeria de arte de Los Angeles por não pagaram por obras vendidas

Junghwa Hong, Business Attire, 2017

Nova atualização 27.04.2018 – Após reclamações de contratos quebrados e cheques devolvidos, a galeria CB1 fechará. A Galeria de Los Angeles vai encerrar as atividades no próximo mês onde duas exposições estão em cartaz – uma individual solo de Junghwa Hong e a coletiva “Tomorrowland” – ambas fecham no dia 19 de maio.

No início desta semana, nove artistas publicaram uma carta aberta sobre as práticas da CB1, alegando que a galeria havia quebrado contratos com eles, enviado cheques sem fundos e que vendiam suas obras sem notificá-los. Clyde Beswick, que dirige a galeria com Jason Chang, disse na época que a galeria estava “trabalhando duro para resolver todas e quaisquer questões com os artistas”.

Nove artistas assinaram uma carta aberta alegando que os fundadores e proprietários da Galeria CB1 de Los Angeles, Clyde Beswick e Jason Chang, “falharam consistentemente em honrar os contratos da galeria” com alguns artistas com quem trabalharam, cheques escritos que foram devolvidos e que vendiam arte sem notificar os artistas que a criaram.

“Estamos trabalhando muito para resolver todo e qualquer problema com os artistas cujo trabalho nós exibimos”, disse Beswick, que dirige a galeria com Jason Chang, quando perguntado sobre a carta. “Nós realmente amamos a arte que exibimos e respeitamos os artistas.”

A carta dos artistas diz, em parte: “Muitos de nós terminaram nosso relacionamento com a galeria como resultado da desonestidade de Mr. Beswick e de Chang e do fracasso em atender aos pedidos mais básicos, como pequenos pagamentos por longos períodos de tempo.

Um dos artistas, Brett Reichman, um pintor de San Francisco, disse que vem buscando pagamento pelo trabalho adquirido em sua exposição individual na CB1 há mais de dois anos. “ Minha exposição de 2015 teve vendas robustas e recebeu muitas críticas”, disse ele . “Meu trabalho não trouxe nada além de contribuições positivas e atenção para a Galeria CB1. Foi frustante ir do que foi um sucesso absoluto para esse ponto baixo ”.

Outro artista que assinou, Michael Mancari, levou ao Facebook para expressar sua frustração com a galeria. “Apesar de ter entrado com uma ação contra eles, eles descaradamente se recusaram e ignoraram contratos assinados e acordos de acordo”, disse Mancari no post. “O processo continuará. Você pode correr, mover ou fechar seus negócios, mas eu não vou parar até ter justiça! ”

Em uma declaração no Tribunal Superior do Condado de Los Angeles, Mancari disse que ele nunca foi pago pela CB1 pela venda de uma pintura de US$ 10 mil. O processo alega que a galeria nunca revelou quanto sua peça foi vendida e deu a ele cheques devolvidos. Mancari diz que não sabe a localização do trabalho e está pedindo indenização de mais de US$ 100 mil.

Outros artistas detalharam histórias sobre como trabalhar com CB1 no posto de Mancari, incluindo Ain Cocke, que disse que, sob os termos de seu contrato, ele deveria ter recebido $ 17.000 da galeria até o final de março. Ele disse que não recebeu nada disso.

Compartilhar: