A primeira biografia de Calder revela o lado radical do escultor bem-amado

“Eu estava emoldurado”, escreveu Alexander Calder na idade média quando olhou para trás em sua infância e sua tentativa fracassada de escapar da escultura, a profissão familiar. É assim que Jed Perl começa sua biografia de Calder, o que – surpreendentemente, dada a sua grande estatura – é o primeiro livro do artista dos EUA.

“Calder: a Conquista do Tempo” traça como o artista (1898-1976) fez móveis, stabiles e um circo mecânico de arte moderna de ponta. Mesmo quando criança, Calder marchou para sua própria música, observa Perl. Dirigindo-se a Paris na década de 1920, ele decidiu que não podia mais combater o destino – e atingiu seu passo nas mais competitivas arenas.

O volume de Perl, com mais de 600 páginas, da Yale University Press estreou nos EUA nesta semana, com uma festa no Museu Whitney de Arte Americana de Nova York, que abriga o “Circo de Calder” (1926-31). O livro centra-se nos primeiros 42 anos da vida do artista, terminando logo antes de sua maior pesquisa no Museu de Arte Moderna de Nova York em 1943.

Perl, o crítico de arte de longa data da New Republic, foi comissionado pela Fundação Calder para escrever o livro há uma década. Ele foi escolhido a dedo pelo seu presidente, o neto do artista, Sandy Rower. Perl contou a Artnet News que o segundo volume, “Calder: a Conquista do Espaço”, já foi redigido e que será publicado em 2019. No lançamento em Londres do primeiro livro no início deste mês, Rower brincou dizendo que queria mais quatro edições.

Desde de jovem, Calder mostrou um talento precoce para a arte. O livro inclui imagens de esculturas metálicas de um cão e pato que ele criou quando era um menino em 1909.

Mas Calder tentou evitar a hereditariedade (seu pai e seu avô eram escultores bem-sucedidos e sua mãe também era um talentoso artista) estudando engenharia no Stevens Institute of Technology em Nova Jersey. “Ele estava tentando não ser enquadrado”, conta Perl.

Entre as surpresas enterradas no livro está o feitiço que ele passou em uma fábrica de Brooklyn como um time-and-motion que supervisiona os trabalhadores, um feitiço infeliz na gestão “científica”. Mas Calder logo retornou às suas raízes boêmias e, com o apoio de seus pais, dirigiu-se a Greenwich Village para se tornar um pintor.

Sua familiaridade com materiais, física e energia em breve resurfaria. “Avançar uma década e a experiência de Stevens torna-se tão importante”, diz Perl. “Ele era um bom matemático e cientista. Os mobiles parecem tão fáceis, mas como eles equilibram não é simples”.

Perl também desmantela a imagem popular de “Calder, o palhaço”. O artista era altamente inteligente e um “espírito profundamente liberal”, diz ele. “Calder estava questionando os valores de uma sociedade industrial avançada nos anos 20 e 30”.

Ele também fazia parte da vanguarda internacional – nunca simplesmente “um americano em Paris”, durante os anos tumultuados entre as guerras mundiais. Não foi por acaso que Calder criou a Mercury Fountain em 1937 para o pavilhão do governo republicano espanhol na exposição internacional altamente politizada, embora ele fosse americano.

Era tão admirado quanto o Guernica de Picasso. Mas nem o trabalho de Calder nem Picasso era o gosto de comunistas de linha dura, que preferiam sua propaganda com um “P” principal e um realista social em grande estilo. Ser um artista abstrato “foi um ato político”, diz Perl.
Quando Calder, sua esposa e sua jovem família voltaram para os EUA, Perl diz que eles eram os “go-to people” para os imigrantes europeus que escapavam dos nazistas. O refugiado romeno-judeu que passou a se tornar o famoso cartunista nova-iorquino, Saul Steinberg, estava entre os muitos que ficaram amigos de Calder.

Fonte: Artnet

Compartilhar: