A leveza, movimento e colorido da obra de Alexander Calder

Com curadoria de Luiz Camillo Osorio, e em parceria com Expomus e a Fundação Calder, conduzida pelo neto do artista em Nova York, a mostra Calder e a Arte Brasileira abre no Itaú Cultural em São Paulo e permanece aberta ao público até 23 de outubro, com aproximadamente 60 peças.

A exposição apresenta móbiles do artista norte-americano, além de alguns de seus guaches, maquetes, desenhos e óleos sobre tela, em diálogo com trabalhos de brasileiros que, nos anos 40 e 50, também embarcaram no caminho da arte cinética influenciando gerações até hoje. São eles: Abraham Palatnik, Lygia Clark, Hélio Oiticica, Willys de Castro, Judith Lauand, Lygia Pape, Waltercio Caldas, Antonio Manuel, Luiz Sacilotto, e, mais recentemente, Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Carlos Belvilacqua, Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander.

Calder ocupa lugar especial entre os escultores modernos, embora não gostasse de ser chamado assim. Foi pioneiro na criação de movimento nas esculturas: os móbiles formados por placas e discos metálicos, muitas vezes coloridos, unidos entre si por fios que se agitam tocados pelo vento, assumindo formas imprevistas.

Segundo Camillo Osorio, a poética de Calder, cujo rigor construtivo ganha tonalidade lírica, é uma referência para os artistas brasileiros, com quem tem relação estreita, porém ainda pouco afirmada. Existem obras suas em coleções brasileiras desde os anos de 1940, por meio das quais pode se seguir o rastro de sua influência na vanguarda do país. O movimento presente nos móbiles do norte-americano, por exemplo, está também na série de Bichos, de Lygia Clark, nos relevos espaciais dos parangolés de Oiticica e nos cinecromáticos de Palatnik.

Esta exposição busca evidenciar essa relação e a sua disseminação no imaginário artístico brasileiro, além de mostrar trabalhos cruciais da trajetória de Calder. “Apresentamos obras de alguns de nossos artistas que foram, direta ou indiretamente, marcados por ele”, diz o curador. Assim, surge no espaço expositivo do instituto uma constelação poética que orbita em torno do norte-americano – de Palatnik, Oiticica, Clark, Pape, passando por Waltércio Caldas e Antonio Manuel e chegando a Ernesto Neto e Franklin Cassaro.

Calder realizou a sua primeira exposição no Brasil no final da década de 1940. Passados 13 anos, participou da segunda Bienal de São Paulo (1953) deixando influências diretas no imaginário poético no país. Sua relação com os arquitetos modernos foi próxima. Também com o crítico de arte Mario Pedrosa, que teve posição determinante para que se realizasse uma retrospectiva de Calder no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, em 1959. “A sua obra inscreveu-se na formação construtiva brasileira, misturando o lúdico e o geométrico e isso merece melhor avaliação histórica”, observa o curador. “É esta relação que pretendemos trabalhar nesta exposição.”

Compartilhar:
Notícias - 17/03/2015

Gonçalo Ivo apresenta sua primeira exposição individual na Espanha.

O pintor Gonçalo Ivo, radicado há 15 anos em Paris, realiza exposição individual na Galeria Materna y Herencia, Calle Ruiz …

Notas - 10/07/2015

Zahed Taj-Eddin realiza palestra no Plenário 16, da Câmara dos Deputados

A Consultoria Legislativa promove palestra com o artista sírio Zahed Taj-Eddin na próxima segunda-feira, dia 13, às 16h, no Plenário …

Notícias - 21/06/2018

Anish Kapoor abre processa por violação de direitos autorais de sua escultura de feijão

O artista britânico Anish Kapoor entrou com uma queixa no Tribunal Distrital dos EUA contra a Associação Nacional de Rifles …

Notas - 23/07/2015

Instituto Rubens Gerchman comemora 40 anos da EAV Parque Lage divulgando conteúdo inédito

O Instituto Rubens Gerchman comemora os 40 anos da Escola de Artes Visuais (EAV) do Parque Lage compartilhando (ou publicando) …

Notícias - 15/03/2018

Fotografia viral de Stephen Hawking na guerra do Vietnã é falsa

Você viu esta foto de Stephen Hawking protestando contra a Guerra do Vietnã em 1968? É uma imagem poderosa, mas na verdade não …

Notícias - 24/11/2016

Nazareno lança livro "Somos iguais"

Conhecido por uma obra diversa, que trafega entre desenhos, esculturas, gravuras e miniaturas, o desenhista e artista multimídia Nazareno Rodrigues …

Notícias - 31/03/2014

Conheça o Conselho do Patrimônio Museológico

O Jornal Folha de São Paulo divulgou os representantes da sociedade civil que comporão o Conselho do Patrimônio Museológico, responsável …

Notícias - 11/10/2017

Última obra-prima rara de Da Vinci vai a leilão em Nova York

Em 2011, a revelação pública dramática de Salvator Mundi (“Salvador do Mundo”) na exposição “Leonardo da Vinci: pintor na Corte …

Notícias - 23/10/2017

Museu de Portugal procura novo diretor

Diz o anúncio:

Cargo: Diretor do Serralves Museum of Contemporary Art
Pacote Salarial: Competitivo, proporcional à experiência dos candidatos
Localização: Porto, Portugal

O Conselho …

Notícias - 31/03/2016

Luciana Brito Galeria e sua nova Residência Moderna por Redação

A Luciana Brito Galeria abrirá no dia 3 de abril, domingo, às 11h, a exposição “Residência Moderna”, que também inaugura …

Notícias - 29/06/2017

Essex Peabody Museum contratou um neurocientista para mudar a maneira como olhamos a arte

A partir do final do século 16 até o início do século 20, a suspensão do estilo de salão era …

Notícias - 29/03/2018

Escultura de latão de Brancusi pode bater recorde de venda

Grandes investimentos em arte geralmente se resumem a uma simples coisa: segurar pelo maior tempo possível.

Isso é certamente verdade para …