Vânia Medeiros ilustra arte para grupo de teatro independente

© Vânia Medeiros

A artista plástica, ilustradora e cenógrafa Vânia Medeiros é graduada em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia e pós-graduada em Linguagens Artisticas Combinadas em Buenos Aires, Argentina. Desde 2007 realiza trabalhos cujo suporte é o espaço, como instalações, intervenções e performance, que foram apresentadas em espaços como o MAC da USP (SP) e o Tsonami Festival de Arte Sonoro (BsAs, Argentina). Ministra cursos sobre arte contemporânea na Universidade de Guarulhos e Escola São Paulo de Artes do Palco.

Convidada anteriormente pelo ator e diretor Leonardo Medeiros para ilustrar as artes de divulgação da peça “As palavras da chuva” de Tennessee Williams, novamente é chamada para ilustrar a arte das versões gay e lésbica da peça com seu trabalho de desenhos gráficos.

Veja abaixo detalhes sobre a estréia de hoje e texto do diretor Leonardo Medeiros.

CHUVA G
Tennessee Williams, notório homossexual, escreveu sua obra nos anos 1940/50, quando a homossexualidade não tinha voz, e sua manifestação era passível de criminalização.
O Teatro da Rotina, em seu trabalho de pesquisa junto a esse dramaturgo, um dos mais significativos e montados do século XX, encontrou sua voz oculta sob os personagens femininos.
Blanche Dubois (Um Bonde Chamado Desejo), Maggie the Cat (Gata em Teto de Zinco Quente), Laura Wingfield (Zoológico de Vidro), entre tantas outras, parecem transbordar sua inadequação e, em um exercício imaginativo, abandonadas as restrições de gênero, gritam a voz de um homossexual reprimido.
O mesmo acontece em “As Palavras da Chuva” (1953), onde um casal de jovens sulistas perdidos na metrópole discute as amarras do amor. Ele (chamado na peça de HOMEM), ao que tudo indica um tipo de “michê” ou “acompanhante”, vaga pela cidade em busca de dinheiro para sustentar a amante sociopata. Ela, (chamada na peça de MULHER), silenciosa, febril, desconexa e inadequada, aguarda por seu amante entre surtos psicóticos. Ele clama por ouvir a voz dela, que nas palavras dele, podem recuperar o amor perdido.
Nos exercícios de pesquisa de linguágem da Companhia, algumas vezes invertendo o gênero dos personagens, percebemos que o discurso da MULHER ganha inesperada e grandiosa eloquência na voz de um homem. Encontramos mais uma personagem feminina ocultando os sonhos íntimos de um autor encarcerado.
Nada mais natural para a Companhia, dedicada à pesquisa de linguágem, do que trazer à tona o Tennessee Williams submerso por baixo desse exótico personagem feminino.
Assim, o Teatro da Rotina apresenta sua versão gay dessa pequena pérola da dramaturgia, As Palavras da Chuva, peça que inaugurou nosso teatro/sede e permanece por mais de um ano em cartaz, com sucesso de crítica e grande aceitação do público.

TEATRO – GLS
CHUVA G
de Tennesse Williams
direção Leonardo Medeiros
com Antonio Motta e Marcos Reis
Um casal encharcado pela chuva discute o abandono e a recuperação do amor.
Segundas feiras 21:00h
TEATRO DA ROTINA
Rua Augusta 912

Compartilhar: