Serigrafias de artista carioca dão voz a presos políticos de Angola

© Divulgação

Foi a censura imposta pelo governo de Angola aos ativistas presos, sob acusação de uma tentativa de golpe de Estado, o que motivou o artista visual André De Castro a iniciar o projeto “Liberdade Já”, uma série de serigrafias retratando os presos políticos angolanos. A imagem do professor Afonso Matias, que deu início à série de retratos ainda em andamento, já teve mais de 50 mil compartilhamentos no Facebook e foi impressa em camisetas por ativistas presentes nas passeatas organizadas pela Anistia Internacional de Portugal, em Lisboa. Em março de 2016, a serigrafia será exposta na OPUS Gallery, em Nova Iorque, no Festival Internacional de Rua, em Salvador, e ganhará as ruas do Rio de Janeiro e da capital baiana, junto com o retrato do rapper e ativista Luaty Beirão, conhecido pela greve de fome em prol da causa.

O convite para fazer parte do projeto surgiu pelo Facebook, em agosto deste ano. A intenção de André é, simbolicamente, colocar os ativistas nas ruas do mundo protestando e, assim, denunciar e desconstruir a falta de liberdade física e de pensamento imposta pelas prisões.

No dia 16 foi iniciado o julgamento dos presos políticos, em Angola. A ideia de André De Castro é fazer os retratos de todos os que foram detidos em junho: Henrique Luaty Beirão, Manuel Nito Alves, Afonso Matias “Mbanza-Hamza”, José Gomes Hata, Hitler Jessy Chivonde, Inocêncio António de Brito, Sedrick Domingos de Carvalho, Albano Evaristo Bingo-Bingo, Fernando António Tomás “Nicola”, Nelson Dibango Mendes dos Santos, Arante Kivuvu Lopes, Nuno Álvaro Dala, Benedito Jeremias, Domingos José da Cruz e Osvaldo Caholo​.​

Compartilhar: