Escola de Belas Artes da UFRJ comemora 200 anos com grande exposição em 2016

© Divulgação

A exposição Escola de Belas Artes: 1816-2016. Duzentos anos construindo a arte brasileira, com curadoria de Angela Ancora da Luz e produção de Anderson Eleotério e Izabel Ferreira – ADUPLA Produção Cultural, objetiva apresentar a produção artística realizada no âmago da Escola de Belas Artes, hoje pertencente à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), revelando seu importante papel como organismo cultural deste país durante todos estes anos. Mais do que obras, simplesmente, a Escola vem formando artistas que constroem, a cada dia, a modernidade daquele dado momento.

Devido ao grande esplendor que teve durante o Império, e, ao pouco conhecimento que se tem divulgado do que ela continuou a realizar nos tempos que se seguiram, a memória coletiva visualizou uma escola que serviu ao passado, e que não se constitui verdadeira alavanca da produção moderna e contemporânea depois daquele momento, o que é totalmente equivocado.

O projeto já conta com patrocínio institucional da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro – SMC e Governo do Estado do Rio de Janeiro – SEC e de outras empresas particulares, além de apoio da Universidade Federal do Rio de Janeiro e das instituicões museológicas e equipamentos culturais que irão abrigar a mostra em sua totalidade.

Serão apresentadas cerca de 200 artistas e aproximadamente 300 obras bidimensionais e tridimensionais (gravuras, esculturas, pinturas, desenhos, etc), projetos em papel, documentos diversos, trabalhos de pensionistas, trabalhos premiados, designs, instalações, vídeos e multimídias, performances e happenings, conforme os núcleos abaixo:

SÉCULO XIX

NÚCLEO 1 – Proveniente da Academia Imperial das Belas Artes (de 1816 até 1890):

• Missão Artística Francesa => núcleo especial pelos 200 anos da Missão Francesa, origem da Escola de Belas Artes
• O prédio da Academia Imperial das Belas Artes
• Ensino Artístico da 1ª geração
• Artistas oriundos da Academia: 2ª geração
• Trabalhos de Pensionistas
• Cartas e documentos diversos
• As Exposições Gerais

PASSAGEM PARA O SÉCULO XX e INÍCIO DO SÉCULO XXI (CONTEMPORÂNEOS)

NÚCLEO 2 – Proveniente da Escola Nacional de Belas Artes (de 1890 a 1965):

• As novas instalações da Escola Nacional de Belas Artes na Avenida Rio Branco
• O ensino artístico
• O Salão Tenentista e as experiências modernas de Lúcio Costa
• O Núcleo Bernardelli e a Escola Nacional de Belas Artes
• Cartas e documentos do período
• Artistas que se destacaram no panorama da arte brasileira na primeira metade do século XX
• A presença da Escola Nacional de Belas Artes no Salão Preto e Branco (1954)
• Os novos mestres da Escola Nacional de Belas Artes

NÚCLEO 3 – Proveniente da Escola de Belas Artes (de 1965 até nossos dias):

• A incorporação da Escola à UFRJ. Artistas que renovaram o ensino e a produção de arte após 1965
• Artistas e mestres cassados pelo AI-5. Obras modernas e documentos totalizando
• A transferência da Escola para o campus do Fundão em 1975. Artistas que se destacaram
• A criação do Programa de Pós-Graduação da Escola de Belas Artes e o Galpão de arte (produção contemporânea)
• Artistas contemporâneos
• Designs e projetos
• A Escola de Belas Artes e o Carnaval do Rio
• Performances e Happenings

VÍDEOS E MULTIMÍDIA

Serão produzidos e apresentados vídeos sobre todas as fases da Escola, desde a primeira locação da Academia Imperial de Belas Artes, na Travessa das Belas Artes, a segunda, na Avenida Rio Branco, 199, hoje Museu Nacional de Belas Artes e a atual, no Campus da UFRJ, na Ilha da Cidade Universitária. Serão tomados depoimentos que possam esclarecer a história da Escola de Belas Artes, a partir da Missão Francesa até nossos dias.

ENCONTROS E VISITAS GUIADAS
Palestras e debates com artistas, herdeiros, curadores, produtores, diretores e gestores de museus e equipamentos culturais.

Compartilhar: