© Vítor Mizael

DASARTES 33 /

Vítor Mizael

Jovens artistas cujas produções estão despontando.

A instalação do paulista Vítor Mizael apresenta uma série de desenhos, feitos com grafite sobre caixas de madeira, usadas no transporte de obras de arte. A imagem dos pássaros, desenhados com maestria técnica por Vítor e investidos de uma presença escultórica nas caixas tridimensionais, convida o olhar e seduz o espectador. Mas, uma vez “capturado”, esse observador é forçado a perceber algo de grotesco por trás da aparente delicadeza dos desenhos. Vistos de perto, todos os pássaros retratados na série possuem alguma deformação, algum aspecto bizarro que torna impossível sua existência: patas unidas, mutiladas ou exageradamente alongadas, cabeças seccionadas ou deslocadas, bicos quebrados, unhas desproporcionais – “a imagem do pássaro, normalmente utilizada como metáfora de liberdade, é inserida em situações de impossibilidade de existência e, assim, existem nestes desenhos como índices de uma morte latente”, diz Vítor.

Em trabalhos anteriores, já se tornara evidente o impulso de Vítor problematizar a dinâmica classificatória que ocupa um lugar proeminente tanto no campo da ciência, quanto no âmbito geral das artes – “estou muito interessado em meios de conservação, armazenamento, salvaguarda e restauro, e nos diálogos estabelecidos na eleição daquilo que será incorporado aos acervos”. Assim, o trabalho aponta para a fragilidade e arbitrariedade presentes nessas categorias que, em última instância, legitimam as escolhas do que deve ser resguardado ou descartado – “um tucano em zona urbana é imediatamente recolhido, já que há que se preservar a espécie, já um cão vira-latas somente será recolhido se estiver morto e seu corpo atrapalhando vias de circulação”.

Essas imagens, que operam nos limites entre a sedução e a repulsa, são construídas tendo como referência a imagem de pássaros comuns – “animais ordinários, vagabundos, encontrados em muitas casas de habitantes da periferia”. Referência importante, pois, para o artista, os pássaros domésticos servem como metáfora para as “pessoas que vivem à margem da sociedade e não possuem representatividade social, tampouco artística”. Para saber mais sobre o artista, acesse www.vitormizael.com ou www.blauprojects.com

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …