DASARTES 80 /

Vinicius SA por ele mesmo

VINICIUS SA cria obras que utilizam da contraposição entre artesania e ciência, buscando, através de grandes instalações ou pequenos objetos, a poesia. Veja o que artista fala à Dasartes sobre quatro de suas maiores produções.

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é presente desde a infância. Meu processo criativo é racional e experimental ao mesmo tempo. As obras utilizam da contraposição entre artesania e ciência, buscando, através de grandes instalações ou pequenos objetos, a poesia.

Lágrimas de São Pedro – 2005 – 2019

Lágrimas de São Pedro, 2005-2018

O tempo em suspensão ou a ideia de pausa no “tempo físico” está presente na instalação Lágrimas de São Pedro, que através da representação de uma chuva pausada no ar, de um tempo congelado e visualmente sem ação da gravidade, levam o fruidor a uma experiência sensível, onde o tempo ganha uma nova dimensão, gerando uma espécie de perder-se pelo embate entre a percepção do tempo físico e tempo do intelecto. A instalação é um site specific composta por milhares de bulbos de lâmpadas cheios d’água e suspensos individualmente no teto, criando um espaço onde o fruidor pode penetrar em meio às lágrimas, possibilitando a experiência como sujeito da obra. A suspensão do presente através da minha memória lúdica em vivências no sertão, dos dias que vi crianças tomando banho de chuva de braços abertos, que me mostraram a chuva sagrada, rural, diferente da chuva urbana que conhecera até ali, ou do dia que caminhei entre nuvens da chapada diamantina e o orvalho estava em tudo: no chão, nas plantas, no ar. É a chuva que não cai, que é rogada.

O pulso da Bienal – 2006

O pulso da bienal, 2006

A ideia do tempo específico também surge na obra O Pulso da bienal, que através de uma coluna/tubo, feito com garrafas de vidro e cheio de vinho, gotejou durante todo o tempo da Bienal do Recôncavo, de forma que a última gota caiu no último dia da exposição. Simbolicamente havia a necessidade de estabelecer o tempo físico como uma característica inerente à obra; se em Lágrimas de São Pedro a água evapora de forma imperceptível, por outro, no pulso da bienal, essa evidência é latente e exacerba de forma pragmática a nossa dimensão temporal: o processo é a arte, efêmera como o tempo. O tempo baseado no sol. O tempo relativo do homem urbano diferente do da zona rural, ou o tempo das gotas que caem, anunciando a cada instante, o encerramento da bienal e o desfecho da arte. Arte com início, meio e fim. O pulso é o entendimento do instante artístico, da aura como arte.

Vestígios materiais / Despacho – 2017

Vestígios materiais / Despacho, 2017

Se por um lado algumas obras tem como característica o tempo específico determinado ou planejado, antagonicamente, a série intitulada arqueologia do presente lida com conceitos de permanência, registros de passagem e apropria-se de vestígios materiais diversos – como terra, água, cinzas, escombros, folhas, galhos, rótulos, trapos, entre outros – através do encapsulamento destas matérias em recipientes de vidro, que são apresentados em diversas categorias: instalações, esculturas e objetos, estabelecendo relações entre lugar e matéria. A mais recente obra desta série foi uma instalação e participou da exposição Ready made in Brasil, no centro cultural FIESP e foi intitulada Despacho, uma espécie de obra-oferenda com folhas sagradas, um ponto de limpeza de energias,  instalada no maior signo do poder econômico do país. Foi uma obra concebida não só levando em conta o espaço, mas o tempo específico por qual passava o Brasil.

O grande irmão – 2018

O grande irmão, 2018

O grande irmão é uma das instalações que compõem a recente exposição Neopanóptico, apresentada na Caixa Cultural São Paulo, e impõe ao público, que vai à mostra preparado para observar, uma condição de observado. Lida com questões como vigilância e controle, real e virtual. Uma instalação com cerca de 10 mil “olhos” é intencionalmente invasiva e propositadamente desproporcional, possui câmeras em seu interior e transmite as imagens em outra sala. Reflete sobre a experiência dos dias atuais, onde todos os nossos movimentos, falas e gostos pessoais tornam-se dados que, processados, estabelecem controle e até determinam conteúdos de forma individualizada, mostrando-se um projeto de poder muito eficiente, que aprendemos a amar tão rapidamente, expondo nossas vidas e publicizando nossos corpos ante uma realidade existencial de corpos que ainda operam em forma analógica, humana.

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …