© Pablo Mehanna / Coleção Ignacio Liprandi, Buenos Aires

DASARTES 34 /

Sebastián Gordín

Fomos a Buenos Aires conferir este misterioso e inquietante universo

A exposição retrospectiva que o Museu de Arte Moderna de Buenos Aires dedicou ao artista Sebastián Gordín (Buenos Aires, 1969) supõe o reconhecimento necessário a um criador que, durante sua trajetória, transitou por um caminho paralelo ao seguido pela maioria dos que desenvolvem suas carreiras no circuito da arte contemporânea. Gordín é um artista atípico, que questiona o próprio conceito de artista e prefere se definir mais como construtor a escultor, apesar de a maior parte de sua obra estar em formato tridimensional. Suas peças podem ser entendidas como o resultado dessa obsessão comum às crianças, de reproduzir em pequena escala o mundo que nos envolve. Pintura, escultura, arquitetura ou instalação são utilizadas pelo artista de diversas formas para conseguir seu objetivo, que não parece ser outro que o de construir pequenos mundo, para provocar o interesse do espectador ou compartilhar com ele determinada visão da realidade.

Nos finais dos anos 1980, Gordín começou a abandonar a pintura e centrou a produção na criação de maquetes, onde reproduzia cenários reais ou imaginários, misturando referências cinematográficas com alusões às revistas antigas de crime e mistério ou presença de elementos e personagens do mundo do circo. Não são obras narrativas, mas parecem aludir a momentos congelados de uma história que nunca chegou a existir, mas que poderia ser relatada em qualquer época. Cada um dos espectadores convidados a contemplar a obra pode criar sua própria versão do que vê. Gordín não trata de dogmatizar nem ditar sentenças. Permite que cada pessoa possa vê-las do ângulo que deseja.

Nos finais dos anos 1980, Gordín começou a abandonar a pintura e centrou a produção na criação de maquetes, onde reproduzia cenários reais ou imaginários, misturando referências cinematográficas com alusões às revistas antigas de crime e mistério ou presença de elementos e personagens do mundo do circo. Não são obras narrativas, mas parecem aludir a momentos congelados de uma história que nunca chegou a existir, mas que poderia ser relatada em qualquer época. Cada um dos espectadores convidados a contemplar a obra pode criar sua própria versão do que vê. Gordín não trata de dogmatizar nem ditar sentenças. Permite que cada pessoa possa vê-las do ângulo que deseja.

O universo inquietante e muitas vezes absurdo que vai sendo construído por Gordín ao longo de sua obra se intui na pintura que abre a exposição, Sem pão e sem salame, de 1989, mas alcança sua máxima expressão em uma das salas principais, onde estão um grande número de vitrines com diferentes cenas. Cada uma delas parece corresponder a um pensamento ou sonho do artista e, de alguma forma, confronta o espectador com esse canto escuro da memória, onde se conservam lembranças do passado ou do futuro. Em algumas delas, o artista recria uma biblioteca ou sala de um museu, lugares que são equivalentes a cápsulas do tempo.

Embora consiga se expressar com clareza em sua obra, Gordín se preocupa em garantir que ela não seja elitista; daí as peças serem adequadas a todos os públicos. A cultura popular é sua principal fonte de inspiração e ele confessa não gostar do rumo que a arte contemporânea tomou nos últimos anos. Suas obras não parecem criadas para serem expostas em um museu, mas para serem apreciadas na intimidade do lar de cada espectador. Ela perde deliberadamente boa parte da sua condição de espetáculo público para se converter em algo mais íntimo entre artista e plateia.

Gordin foi criticado por alguns por não ter inventado coisa alguma e apostar em uma estética enraizada na recriação do passado; mas talvez aí esteja a originalidade e a força de sua linguagem, que se apoia no rompimento com os clichês da arte contemporânea e introdução de objetos cotidianos ou esquecidos, como as revistas dos anos 1940. Também daí vem sua posição como um provocador mais do que um vociferador. O humor e a ironia estão muito presentes, mas sem estridências, apenas como um elemento a mais que o artista utiliza para procurar a conexão com o público: “Procuro referências em materiais manuseados, gastos, lidos e relidos. Porque procuro aí, por onde o mundo passou? Talvez porque não sinto esse compromisso de ser artista visionário, um iluminado que vê tudo antes. Prefiro ir sempre atrás, buscando e revisando o que ficou, tratando de descobrir se alguém não esqueceu algo perdido por aí”. Provavelmente, essas palavras de Gordín sejam a melhor definição do trabalho de um dos artistas argentinos com uma das evoluções mais interessantes nos últimos anos.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …