DASARTES 31 /

Sani Guerra

Para sua participação no Concurso Garimpo 2013 da Revista Dasartes, Sani Guerra traz três telas estranhamente irreais e familiares.

Artista fluminense com mais de uma década de experiência, Sani Guerra transita por alguns meios artísticos: fotografia, escultura, instalação e pintura. Dentre todos os meios, pode-se dizer de sua permanência entre o escultórico e o pictórico: as superfícies que recobrem (como moldes) significativas arquiteturas se alinham entre a escultura e a pintura.

Para o Concurso Garimpo 2013 da Revista Dasartes, a artista apresenta uma série de três telas que aborda questões similares: trata-se preferencialmente de estados mnemônicos. As três telas inscritas no concurso são Floresta, Família e Os Irmãos. Todas produzidas em 2013. A artista trabalha o universo familiar – familiar a todos nós porque quase nos lembramos dessas cenas como se as houvéssemos vivenciado: o grupo reunido para a fotografia trajando as roupas de domingo, a pequena criança distraindo-se com os óculos, o irmão encarando o espectador?fotógrafo com ar enfadonho e ao mesmo tempo desconfiado, a aliança da matriarca, o crucifixo do patriarca. Esse ambiente mnemônico é ressaltado principalmente nas telas Família e Os Irmãos: nele, fica a impressão do instantâneo fotográfico com aquela luminosidade tributária à superexposição. Se tratamos da instantaneidade é porque, em alguma medida, lidamos com situações. Só que, nesse ambiente, a ações das figuras não são homólogas. A estranheza das cenas se revela por dissensos evocados por gestos não coincidentes, visadas oblíquas, ângulos improváveis e exageradas estamparias. A padronização das superfícies dessas duas telas se rebela à conformação: são detalhes, breves rastros.

Em Floresta, a artista põe em circulação efígies das quais inferimos autorretratos. Em jogo, também se colocam indícios de uma quase mitologia: a figura que ocupa verticalmente quase o quadro todo está sobre um globo, o pedestal e a talvez sobre uma serpente. Elementos não totalmente estranhos ao nosso imaginário primeiro e lendário. As imagens pintadas são tremeluzentes e se destacam do preenchimento de superfície bem luxuriante: folhagem rica e voluptuosa. Nas telas, residem situações remissivas que indicam tempos passados. São imagens que fazem despontar o que em nós é apenas rastro. Por meio delas, situamos nossas ausências.

Por fim, as pinturas da artista Sani Guerra selecionadas para o Concurso Garimpo 2013 da Revista Dasartes apresentam uma atmosfera quase irreal e nisso consiste sua quase familiaridade.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque, materia, yves klein

Yves Klein - Cronologia

CRONOLOGIA

1928 – Nasce em Nice, filho de um casal de artistas.
1947 – Inicia seus estudos do Judô e, no Clube …

Destaque, materias

57ª Bienal de Veneza

Viva Arte Viva

A 57ª Bienal de Arte de Veneza intitulada “Viva Arte Viva” inaugurou no início do mês de maio, …

Piti Tomé

O trabalho de Piti Tomé gira em torno da fotografia e da experimentação com a imagem. Sua pesquisa tangencia questões da psicanálise e trata …

Felipe Barbosa

Em junho e julho, o Brasil respirará o maior evento mundial de futebol: a Copa. Independentemente de questões políticas ou …

Bruno Miguel

A pesquisa sobre o espaço da pintura de paisagem na arte contemporânea e a expansão do campo pictórico tem sido o …