Residência artística: Novos ares para novas ideias.

© Cvitella

Regina Silveira no Civitella

 

Como você decidiu participar do programa civitella? Qual era o seu objetivo?

Fui convidada por Gordon Knox, diretor do programa de residências do Centro, que conhecera em Nova Iorque, para participar da primeira delas em 1995. O programa ainda estava buscando seu formato, os ateliês estavam recém-montados, mas o projeto era excelente e, naquele momento, foi muito importante para mim poder me concentrar no trabalho do estúdio, naquele lugar tão particular, com outros artistas, escritores e músicos vindos de diferentes países.

 

Você foi a primeira brasileira no centro. Isto fez alguma diferença?

Continuei a colaborar com o Civitella nos anos subsequentes, mas de outro modo: algumas vezes, como jurado para escolha de participantes indicados por consultores internacionais; outras vezes, indicando participantes para a seleção dos jurados. O critério para a escolha dos residentes era o mérito da produção e o proveito que poderiam tirar da residência.

 

Por que levar o projeto de uma instalação em São Paulo (The Duke’s Enigma) para concepção na Itália?

Levei este como levaria qualquer outro projeto que me exigisse tempo para criar, planejamento, desenhos, modelos e, mais do que isso, uma atenção concentrada. Simplesmente coincidiu que a residência acontecesse pouco depois do convite de Fábio Magalhães, então diretor do Memorial da América Latina, para que planejasse uma intervenção sobre o prédio da Biblioteca.

 

Conte o que trouxe de volta na bagagem…

Do projeto The Duke’s Enigma, trouxe muito pouco: desenhos, modelos em papel, fotos de maquetes: tudo leve, tudo dobrável e portátil. Já havia trabalhado com esta estratégia em uma residência anterior, no Banff Centre, em Alberta, Canadá. Como obra acabada, trouxe apenas uma fotogravura, em pequena tiragem. Os únicos pequenos objetos que fiz, com auxílio de um marceneiro em Umbertide, foram quatro caixinhas de madeira da série Secret – as primeiras de uma série que depois expandi bastante.

 

Compartilhar: