© Rodolpho Parigi

DASARTES 07 /

Residência artística: Novos ares para novas ideias.

Experimentar novos ambientes traz ideias frescas.

Rodolpho Parigi sobre a Cité des Arts

“Nasci na capital de São Paulo, onde sempre morei. Eu tinha uma expectativa muito grande em relação à residência. Quando recebi a notícia, fiquei muito excitado, pois sabia que essa mudança seria intensa e necessária para minha relação com aquilo que eu estava fazendo.

Quando cheguei à Cité, no primeiro momento, percebi que eu deveria me situar em relação ao espaço e ao meu entorno, pois a partir disso eu poderia criar meu dia-a-dia. No final do primeiro mês, as coisas ficaram mais claras. Conheci algumas pessoas e isso facilitou muito.

Após esta adaptação, fui em busca de materiais que tinha em mente para realizar certos trabalhos, mas me deparei com outros. Eu não consegui produzir, já não conseguia ter a mesma relação que tinha dois meses antes com minha obra. Fiquei surpreso, era como não saber fazer aquilo que você já faz há algum tempo. Essa pesquisa de novos materiais, novas marcas e uma diferente situação e língua provocaram alguns acasos que se tornaram possibilidades pictóricas e conceituais. Nessas semanas, era tudo muito estranho.

O espaço onde eu durmo, me alimento e moro é o mesmo onde realizo minhas obras. Isto é um fato determinante para algumas características que apareceram nas novas pesquisas e obras. Existe certo agrupamento de coisas físicas que reflete nas possibilidades da criação, tudo se misturou. Uma compressão de informações dentro do espaço, que transborda quando estou fora dele nas relações com a cidade. Minha relação com a música erudita se tornou diária, pois existem muitos residentes de música aqui, que tocam todo o tempo.

Percebi que a situação de estar em um lugar desconhecido provoca um estranhamento inicial, mas é aí que novas possibilidades de se relacionar ou não acontecem. É uma mistura de íntimo e público, é a todo instante uma comparação das características próprias com as alheias – isso traz a questão do diferente, cabe aceitar ou não.

Esse deslocamento que aconteceu em minha vida me confundiu e me deu algumas interessantes opções. A casa está dentro de nós, e não tem um formato definido. A pesquisa tomou caminhos mais densos e utópicos, potencializando algumas características e abandonando alguns conceitos hipócritas e chatos. Também agora utilizo e acesso aquilo que faz sentido para o meu trabalho, sem preocupações formais. A pesquisa é mais sobre coisas do que sobre arte. Estar sozinho em um outro lugar é poder recomeçar ou mudar tudo, é o momento de desestabilizar algumas questões que já estão enferrujadas no corpo e na mente. É poder ser o espião de nossa própria vida e se deparar com um estranho em você.”

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …