Exposição: Eu me levanto. Regina Parra Foto: Ulisses Castro | fev./2019

DASARTES 82 /

Resenha

O mês que celebra o Dia Internacional da Mulher também marca o encerramento de duas individuais de artistas inspiradas pelo poema Still I rise, de autoria da escritora e ativista norte-americana Maya Angelou (1928-1914). Publicado pela primeira vez em 1978, o poema de caráter autobiográfico nasceu como um grito de resistência contra a submissão do negro […]

O mês que celebra o Dia Internacional da Mulher também marca o encerramento de duas individuais de artistas inspiradas pelo poema Still I rise, de autoria da escritora e ativista norte-americana Maya Angelou (1928-1914). Publicado pela primeira vez em 1978, o poema de caráter autobiográfico nasceu como um grito de resistência contra a submissão do negro em uma sociedade racista, mas logo foi adotado como símbolo da luta contra a opressão de minorias em geral. A voz potente e confiante do poema é a de uma mulher negra que, compreendendo os mecanismos de controle praticados sobre ela, eventualmente aprendeu a reconhecer seu próprio poder e a se desvencilhar da dominação e do jugo de terceiros.

Tomando emprestada essa mesma voz forte, mas lhe imprimindo um tom doce e belo, a artista mineira Sônia Gomes apresentou Ainda assim me levanto, exposição que se dividiu entre o MASP e a Casa de Vidro, na capital paulista, e foi destaque da edição de número 78 da revista. O trabalho inaugurou o uso de um material novo na carreira da escultora – os galhos de árvore –, que foi misturado a ingredientes já tradicionais de sua obra – tecidos, rendas, cordas, tricô e alfinetes. Os corpos moles e coloridos criados por Gomes parecem se mover lentamente sobre a crueza retorcida dos galhos, na tentativa de se desvencilhar desses objetos secos que os prendem ao chão. Encontram um equilíbrio improvável na tensão entre o duro e o macio, o estático e o dinâmico, a terra e o céu. Buscam liberdade e, quando a alcançam, levantam-se, permanecem em suspensão, autônomos. Nesse sentido, o trabalho de Gomes se emparelha ao poema de Angelou ao apresentar indivíduos conscientes do próprio poder, ainda que sabedores de sua condição de oprimidos.

Fazendo abordagem diferente do poema da norte-americana, Regina Parra trouxe à Fundação Marcos Amaro, na cidade de Itu, a exposição multimodal Eu me levanto, capa da edição de número 81 da revista. Ao lançar mão de pintura, vídeo, literatura e performance coreográfica, a artista reflete a respeito das possibilidades de resistência à disposição de um corpo que se encontra constantemente sob demanda. Parece lhe interessar em especial as situações de estado limite desse corpo oprimido. Diante da multiplicidade das mídias utilizadas, o poema de Angelou funciona como o amálgama perfeito para trazer unidade ao trabalho, que, utilizando linguagem realista, lida com medo, aflição, libido, sexualidade, morte. Entretanto, os personagens de Parra não se encontram no mesmo patamar de consciência que o eu lírico de Still I rise. Estão em momento anterior, no qual ainda não existe a noção de liberdade, apenas a necessidade de sobrevivência.

Enquanto a criatura de Sônia paira no ar, a de Regina se debate. Enquanto uma é esperança, a outra é angústia. Uma é lírica, a outra, realidade. Mas o desejo último de ambas é se levantar.

Exposição: Ainda assim me levanto.
Sônia Gomes
Foto: Ulisses Castro | jan./2019

 

Regina Parra: Eu me Levanto
Fundação Marcos Amaro • Itu • 15/12/2018 a 9/3/2019

Sonia Gomes: Ainda assim me levanto
MASP • São Paulo •
14/11/2018 a 10/3/2019

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

58ª Bienal de Veneza

A 58th Bienal de Veneza, intitulada May You Live in Interesting Times (Que você viva em tempos interessantes), inaugurou no …

Flashback

Joaquín Sorolla

A última vez que Sorolla expôs suas obras em Londres, nas Galerias Grafton em 1908, foi chamado de “o melhor …

Do mundo

Bernard Frize

Por mais de 40 anos, Bernard Frize vem desenvolvendo um trabalho com restrições. De sua primeira série, que foi traçar …

Panorama

Gilvan Samico

Às vezes, no mundo da arte, o tempo não corre com a cronologia feroz e imperiosa, mas se pauta por …

Reflexo

Luciano Figueiredo

Série KINOMANIA, década 1980/90

Iniciei a série Kinomania em 1995, com desenhos, pinturas e colagens a partir do filme Cidadão Kane, …

Garimpo

Patrícia Chaves

Nascida em Niterói, a artista Patrícia Chaves, graduada em Pintura pela Escola de Belas Artes da UFRJ, expõe em sua …

Resenhas

Resenhas

Denise Milan • Glasstress 2019 • 9/5 a 24/11/2019 • Berengo Art Space Foundation • Murano – Itália
POR LICA CECATTO

O …

Matéria de capa

Dorothea Tanning

Dorothea Tanning nasceu em 1910 no estado de Illinois, em Galesburg, uma típica cidade pequena do centro-oeste americano. Ao longo …

Flashback

Rembrandt van Rijn

Sempre inovador e, com frequência, provocante, Rembrandt balançou o mundo da arte na Era de Ouro. Este ano marca o …

Alto relevo

Jonathas de Andrade

Apropriando-se de técnicas de disciplinas como etnografia, antropologia, sociologia e outras ciências sociais, Andrade aborda temas como interseção de raça, …

Reflexo

Carlos Vergara

O convite da Dasartes para escolher cinco trabalhos para um percurso longo como o meu, é uma tarefa difícil. Eu …

Destaque

Henri Matisse

A carreira de Henri Matisse poder ser traçada graças a uma seleção de obras mestres que fazem dialogar a pintura, …

Matéria de capa

Laurie Simmons

Há mais de quatro décadas, a artista americana Laurie Simmons vem construindo imagens que exploram diversas estratégias pelas quais nós …

Destaque

Artur Lescher

Para Artur Lescher, quando alguma coisa é imaginada, ou projetada, no sentido primeiro da palavra, ela já existe.

O campo do …

Alto relevo

Thiago Martins de Melo

Filho de artista plástico, o maranhense Thiago Martins de Melo convive com arte desde a infância. Durante a adolescência, ele …