DASARTES 13 /

Provocação

Glória ferreira fala sobre a exposição de Joseph Beuys.

A Revolução Somos Nós, de Joseph Beuys, reunindo duzentos cartazes da coleção de Luigi Bonotto e um conjunto de múltiplos, é ampliada por documentários de diferentes épocas. Com realização da Associação Cultural Videobrasil, e apresentada no Sesc Pompeia, de 15 de setembro a 28 de novembro, a exposição, apesar da sua, digamos, singeleza se pensarmos nos grandes trabalhos do artista, apresenta de maneira extremamente clara o seu embate não apenas com o meio da arte, mas também com o universitário, para explicitar a dimensão política de seu conceito ampliado de arte. Destaca-se, assim, no contexto da Bienal e da pluralidade de exposições no Rio e, sobretudo, em São Paulo, com a relevância atual adquirida pelo tema “arte e política”.

Na referida exposição, chama particular atenção o filme Provokation: Lebenselement der Gesellschaft – Zu Kunst und Antikunst (“Provocação: elemento vital da sociedade – sobre arte e antiarte”), de 1970, realizado pela Westdeutscher Rundfunk, de Düsseldorf. O programa reuniu para uma conversa sobre arte com Beuys e Max Bill o filósofo Arnold Gehlen, o crítico Wieland Schmied e Max Bense. O auditório é pequeno para um público que se acomoda entre fileiras de cadeiras, fica em pé ou encontra brechas aqui e ali. Abarrotado, diríamos. Todos fumam: Bense sua cigarrilha, Beuys um cigarro atrás do outro e o público também. O calor sufocante torna os lenços indispensáveis. O debate, por seu lado, também esquenta. Claques, poucas vezes favoráveis a Beuys, fazem-se sempre presentes. Max Bill, que em sua passagem pelo Brasil cunhou nossa história da arte, parece desconfortável e chega a comparar o domínio da arte ao da física, ou de outras disciplinas com seus campos específicos. Max Bense, cujo livro Pequena Estética (tradução de Haroldo de Campos, Editora Perspectiva, 1970) marcou época no Brasil com sua estética da informação e do racionalismo existencial, revela-se o mais intransigente. Beuys, embora chamado de “professor”, enfrenta desde 1968, a acusação de seus pares da Academia de Düsseldorf por seu “diletantismo político”. Com argumentos variados, o artista debate-se afirmando e reafirmando sua teoria política sobre a escultura social como forma de esculpir o mundo. Sem dúvida, muito de mitológico entremeia sua teoria política, mas indica, como em vários outros artistas, críticos, e historiadores da arte nesse período histórico, a necessidade de pensar a política nos próprios termos da arte, colocando em questão o sistema de arte diante das interrogações sobre o seu conceito e sua inserção no mundo.

Questão, no fundo, sempre atual, seja ela, por exemplo, da ordem do social, como no Brasil dos anos 1930/40, ou na tentativa de transformação do mundo pelo signo artístico, como na tradição construtivista – até porque, como diz Jacques Rancière, a “arte faz política antes que os artistas o façam”. A dimensão política que perpassa a arte das últimas décadas se evidencia, sobretudo, na multiplicidade de grupos e coletivos de artistas que operam na ambiguidade transitiva da arte e da vida, e em esferas fora dos meios culturais institucionalizados. Dimensão que revela, como afirma Fernando Cocchiarale (Arte&Ensaios, n. 11, 2004), a “crescente indefinição (e confusão) de fronteiras entre arte, ética, política, teoria, afeto, sexualidade, público e privado”. E que resvala, contudo, com excessiva frequência, no “politicamente correto”, presente em muitas apresentações – por exemplo, na atual Bienal. Esquece-se, talvez, que a reconhecida falência da representação do povo pelos políticos não anula o poder de provocação da política.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …