© divulgação

DASARTES 19 /

Pop Brasil?

A década de 1960 representa um momento-chave na arte brasileira: fronteira entre modernidade e pós-modernidade, ela sofre o corte traumático do regime militar.

A década de 1960 representa um momento-chave na arte brasileira: fronteira entre modernidade e pós-modernidade, ela sofre o corte traumático do regime militar, cujas cicatrizes ainda hoje são sentidas. Inicia-se em 21 de abril de 1960, com a inauguração de Brasília e conclui-se em 1969 com o boicote da Bienal de São Paulo, já sob efeito do longo eclipse do Ato Institucional nº 5. Marcada por exposições como Opinião 65, Opinião 66, Nova Objetividade Brasileira, Propostas 65, Propostas 66, Jovem Arte Contemporânea, Bienal da Bahia, Salão de Brasília, Salão da Bússola e pelo Grupo REX, os anos 1960 testemunham um processo radical de politização e questionamento da arte. Momento de quebra de convenções, a arte dos anos 1960 irá justapor cultura de elite e cultura popular (agora entendida não mais, como no caso dos primeiros modernistas como folclore, mas provinda da nascente indústria cultural; o curupira é substituído por Roberto Carlos), irá ocupar as ruas, declarará a morte da pintura. Poderíamos dizer que houve no Brasil, por conta disso, uma pop art brasileira?

Essa questão se faz presente desde aquele momento. Já no debate do júri de premiação da Bienal de 1967, lembrada pela representação significativa da pop art norte-americana, hesitou-se em premiar a representação dos EUA, ilustrando a clivagem entre sua influência e a permanência de um referencial na arte européia (em particular a francesa). Desde então, várias exposições e livros, como Aproximações do espírito pop, apresentada no Museu de Arte Moderna de São Paulo em 2003 e Anos 60, escrito por Paulo Sergio Duarte (1998) procuram analisar tanto as especificidades daquele período no Brasil, bem como de seu legado. Hoje é consenso entre os especialistas não ser adequado falar de uma pop brasileira. Ainda que reconhecido o fascínio exercido por Warhol, Lichtenstein e seus pares – que, por outro lado eram vistos simultaneamente como a arte do inimigo imperialista – uma grande diferença separa o universo norte-americano de uma indústria cultural consolidada e em franco crescimento, um mercado e circuito sem igual e uma estrutura industrial da produção artística (Warhol e sua Factory) do artista brasileiro que ainda se vê obrigado a pintar com a própria mão, isto é, em certa medida ainda preso a uma escala moderna do trabalho. Por outro lado, a impossibilidade de não se falar de uma pop local não corresponde a omitir o diálogo crítico aqui travado frente a ela. Ao contrário, enuncia uma peculiaridade a ser valorizada, posto que revela nesse “desajuste” a um cânone internacional, o desenvolvimento de um pensamento formal próprio, que, inclusive, mostraria a complexidade da fronteira entre continuidade e ruptura características de nossa arte naqueles dias.

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …