© divulgação

Em dezembro de 2011, na feira de arte Art Basel | Miami Beach, um estande despertava a atenção do público de forma especial. Lá, a qualquer momento do dia se aglomerava uma quantidade surpreendente de curiosos com a instalação de Paulo Nazareth. A muitos metros dali, antes mesmo de se ver o estande, o visitante sentia o cheiro de bananas que impregnava os corredores da feira. Uma vez diante da obra, o que se via era uma Kombi verde e branca com uma tonelada de bananas que transbordavam de dentro do veículo e ocupava parcialmente o espaço. Ao redor, fotos penduradas na parede, estruturas de madeiras precárias que lembravam uma feirinha hippie com anotações, desenhos, impressos de todos os tipos contavam um pouco a história de como Paulo Nazareth saiu de Belo Horizonte e, atravessando a América Latina, chegou a Miami a pé! Para completar a instalação/performance, o próprio artista mestiço, de mãe indígena e pai negro, recebia os visitantes com uma placa em que se lia “My image of exotic man for sale” [Minha imagem de homem exótico à venda]. O projeto se chamava Notícias de América.

Paulo Nazareth é um jovem artista, atualmente andarilho, e ainda pouco conhecido no Brasil, mas que nos últimos anos tem despertado a atenção de críticos, curadores e colecionadores, tanto no Brasil como no exterior. Seu trabalho foca principalmente no seu corpo e a partir dele suscita questões como identidade, classe, raça, nacionalidade, entre outros temas. A língua, tanto escrita como falada, também articula um espaço de determinação e afirmação do artista. Por meio de performances que são documentadas principalmente por meio da fotografia, Paulo Nazareth cria situações segurando um cartaz escrito à mão com frases como: “Llevo recados a los EUA”, “Vendo mi imagen de hombre exótico” ou “I clean your bathroom for a fair price”. Na fala, Paulo Nazareth encara seu interlocutor repetindo constantemente um “sim”, como que pontuando sua aprovação ou apenas o seu entendimento sobre o que o outro está falando. Ao longo de sua viagem pelas Américas, ele foi aos poucos desmaterializando o português com interferências do espanhol latino e línguas dos povos nativos, como Paxamanil da Guatemala.

Não é uma questão de mistificar o projeto Notícias de América. É claro que ele tem como fundamento a peregrinação, o que sempre traz uma conotação religiosa. No entanto, também é irônico, pois a peregrinação sempre leva a algum lugar, e nesse caso, levava à América, centro principal da “religião” capitalista. No processo, o artista se propõe uma transformação e/ou discussão de temas centrais ao capitalismo moderno como o nacionalismo versus a globalização, identidade (cultural, racial, e nacional), questões econômicas propriamente ditas, sobrevivência e exclusão, relações humanas e tecnologia. O projeto é eminentemente poético e rico em metáforas. Se por um lado seria ingênuo pensar que Notícias de América é uma tentativa de atrair a atenção midiática, por outro, assim como Warhol anteriormente, ou implicada na ironia de ser uma peregrinação à América, tanto a utilização da mídia eletrônica, assim como a recepção pela mídia em geral, são caminhos naturais na construção de uma poesia contemporânea.

Paulo Nazareth participou de diversos programas de residências artísticas, entre eles: Taller Imaginário, em Buenos Aires em 2010; Jaca, em Belo Horizonte em 2010; Ruang Pupa, na Jacarta em 2009 e Khoj Studios, em Nova Delhi em 2006. Na Índia, realizou o filme A Rupee for my country, onde se vê o artista sentado num banquinho e uma placa que promete um rupee, algo como 10 centavos de dólar, para quem conseguisse adivinhar o seu país de origem. Uma verdadeira multidão o circunda e, por mais que tente, num encontro entre dois exóticos muito distantes, porém próximos, não consegue chegar ao Brasil.

Recentemente, Paulo Nazareth foi agraciado com o 1.º prêmio MASP Mercedes-Benz de Artes Visuais, definido pelo júri internacional composto pelos curadores Chris Dercon (Tate Modern), José Roca (Bienal do Mercosul 2011), Moacir dos Anjos, Paulo Herkenhoff e Teixeira Coelho. Também sua obra pôde ser vista na sua primeira exposição individual em São Paulo, na galeria Mendes Wood, a mesma que expôs o projeto Notícias de América na feira de arte em Miami, e finalmente pode ser encontrada na publicação: Paulo Nazareth arte contemporânea Ltda., lançado em maio pela editora Cobogó.

Por ser um artista “itinerante”, o trabalho Paulo Nazareth pode ser sempre acompanhado em tempo real na web por meio dos sites www.latinamericanotice.blogspot.com.br ou www.artecontemporanealtda.blogspot.com.br

Compartilhar: