© Sylvia Carolinne

DASARTES 28 /

Paulo Bruscky

Nesta seção, o artista multimídia de grande sucesso Paulo Bruscky mostra um lado seu pouco conhecido do público: o de colecionador.

Artista multimídia de grande sucesso, Paulo Bruscky vive em Recife, onde mantém sua impressionante coleção que conta com milhares de peças e ostenta o título de maior coleção particular da América Latina. Com uma coleção que surge mais pela relação com outros artistas do que pelo investimento, Bruscky mostra, nesta seção, esse lado não tão conhecido do público, o de colecionador.

Fale um pouco do perfil de sua coleção.
A minha coleção/arquivo tem um perfil da arte contemporânea do pós-guerra. Segundo levantamento feito pela Universidade Federal de Pernambuco, conta com cerca de 70 mil itens, incluindo obras, documentos e correspondências dos Grupos Fluxus e Gutai, tendo o artista mantido contado com diversos de seus membros e esse acervo ser considerado a maior coleção particular da América Latina. Além dos grupos citados, o acervo possui obras de Joseph Beuys, John Cage, Ken Friedman, Flávio de Carvalho, Vicente do Rego Monteiro, Aloísio Magalhães, Lygia Clark, Dick Higgins,
Carl Andre, Regina Silveira, Vera Chaves Barcellos, Leon Ferrari, Ivan Serpa, Shozo Shimamoto, Saburo Murakami, Regina Vater, Felipe Ehenberg, Artur Barrio, Waltércio Caldas e Alex Vallauri, entre tantos outros, uma vez que estão representados mais de mil artistas de cerca de 50 países.

De quais obras mais gosta?
É uma resposta muito difícil, uma vez que, além do número de artistas, existe no meu arquivo uma representação grande de obras nos mais diversos meios: arte correio, poesia concreta/visual/experimental/sonora, poema/processo, eletrografia, foto linguagem, documentação de performance, scky art, fire art, artdoor, livro de artista, vídeo arte, objetos, projetos/propostas e uma diversificação muito grande de obras conceituais.

Colecionar arte foi uma decisão ou algo que surgiu naturalmente pela relação e troca com outros artistas?
Surgiu em virtude das trocas com outros artistas, desde os anos 1960, por meio do poema/processo, passando pela arte correio até a e-mail art.

Quais foram as primeiras peças de sua coleção?
Poemas/processos, poemas concretos/visuais, além de alguns projetos e propostas.

Costuma comprar obras de arte? Qual foi a última obra que adquiriu e por que a comprou?
Estou sempre comprando obras de artistas que me interessam. As últimas aquisições foram livros de artistas e obras em papel de Waltércio Caldas, Joseph Beuys, Felipe Ehrenberg, David Mayor e Vera Chaves Barcellos.

Você vê sua coleção também como uma forma de investimento ou é puro amor pela arte?
A minha coleção/acervo faz parte da minha vida. Minha obra está integrada em tudo isso.

E de suas próprias obras, há alguma que você não vende e considera parte da sua coleção particular?
Sim, sempre separo obras que têm uma história, principalmente ligada com a censura da ditadura brasileira e a censura estética geral, além da parte afetiva.

Onde o artista e o colecionador se misturam?
É a minha VidArte.

Prefere artistas consagrados ou novos talentos? Há alguma preferência de suportes?
O que me interessa sempre é a obra, independentemente de o artista ser consagrado ou não e de qual suporte ele usa.

Algum artista que gostaria de ter e ainda não tem? De quais obras mais gosta na sua coleção?
Gostaria de um postal veiculado com o selo azul do Yves Klein, de 1956. Não é nem uma questão apenas de gosto, acho importante. Gosto do meu acervo como um todo, como uma instalação.

Quais os planos para o conjunto?
Pretendo transformar esse acervo num centro cultural aberto para pesquisadores, artistas, críticos, estudantes e o público em geral, coisa que já vem acontecendo, embora de forma reservada, há algumas décadas.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …