© Prudence Cuming Associates

DASARTES 21 /

O rico Damien Hirst, em diamantes e formaldeído

O Tate Modern abre as portas entre os dias 4 de abril e 9 de setembro para uma jornada de duas décadas de invenções do inglês Damien Hirst.

O Tate Modern abre as portas entre os dias 4 de abril e 9 de setembro para uma jornada de duas décadas de invenções do inglês Damien Hirst. Reconhecido como um dos mais promissores artistas britanicos dos anos 1990, do grupo conhecido como Young British Artists, ou YBAs, Hirst possui um dos trabalhos mais icônicos da historia da arte recente. For the Love of God, um crânio humano com os dentes e coberto por 8.601 diamantes perfeitos, foi avaliado em 50 milhões de libras e ocupará uma sala especial e gratuita no museu no período da mostra.

Os assuntos recorrentes do trabalho do artista, como o embate entre a vida e a morte e entre as crenças e sistema de valores são o mote da exposição, e entre as peças que representam estes temas estão o simbólico A Thousand Years, de 1990, onde Hirst representa o cico de vida através da cabeça de uma vaca. Ao lado destas esculturas, a mostra também trará diversas outras obras incluindo pinturas das séries Spin e Fly.

Outra atração é a instalação In and Out of Love, de 1991, que nunca havia sido mostrada inteiramente ao público desde a sua criação, junto a Pharmacy, de 1992, que também é uma de suas obras-ícone. Entre as setenta obras selecionadas estão também esculturas produzidas por Damien nos anos 1990, como The Physical Impossibility of Death in the Mind of Someone Living, e Mother and Child Divided, duas obras que mostram animais conservados em formaldeído, que se tornou uma de suas características ao lado das telas de pontos, que exibem fileiras de pontos coloridos.

A mostra, que conta com a curadoria de Ann Gallagher, promete trazer à tona polêmicas que giram em torno de Hirst, que tem 46 anos e é o artista vivo mais rico do mundo. Ele já foi alvo de diversas acusações de plágio ao longo da sua carreira e, recentemente, foi severamente criticado pelo também britânico David Hockney por contratar assistentes para realizar algumas de suas obras. Para Hockney, que apresentou entre os dias 21 de janeiro e 9 de abril de 2012 uma retrospectiva de sua obra na Royal Academy of Arts de Londres, essa atitude vai contra o conceito primário de arte, e empregou um provérbio chinês para sustentar sua posição: “Para se fazer arte, é preciso o olho, a mão e o coração. Só dois não bastam”.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …