© Secessión Miró, Miró, Joan/ Licenciado por AUTIVIS, Brasil, 2010

DASARTES 12 /

O outro do Azul

Para Lavínia Vlasak, Miró estava alegre quando pintou esta tela.

Lavínia Vlasak é atriz e nasceu no Rio de Janeiro, morou um tempo nos Estados Unidos, mas foi no retorno ao Brasil que tomou gosto pelas artes. A paixão pela obra de Miró a acompanha desde então, encantada pela simplicidade das linhas e pela força das cores. “Ao vermos uma obra de Miró, temos a vã ilusão de que poderíamos fazer igual”, confessa rindo.

Para a atriz, a obra de seus sonhos é L’ or de l´atzur (O ouro do Azul). O quadro data de 1967 e reúne as principais características da obra do artista. As cores primárias e os traços despojados são detalhes que dão à atriz a sensação de uma grande brincadeira: “A impressão que tenho é de que ele pintou o quadro com muita alegria”, comenta. Ficou decepcionada quando, em uma visita à Fundação Miró, planejada com o objetivo específico de ver esta obra, descobriu-a fora de exposição.

Joan Miró nasceu em Barcelona, na Espanha, em 20 de abril de 1893. Apesar da insistência do pai em vê-lo graduado, não completou os estudos. Frequentou uma escola comercial e trabalhou em um escritório por dois anos até sofrer um esgotamento nervoso. Em 1912, seus pais finalmente consentiram que ingressasse em uma escola de arte em Barcelona. Estudou com Francisco Galí, que o apresentou às escolas de arte moderna de Paris.

Para os críticos, Miró trazia intuitivamente a visão despojada de preconceitos que os artistas das escolas fauvista e cubista buscavam, mediante a destruição dos valores tradicionais. Lavínia destaca ainda o sentimento que o trabalho de Miró desperta: “Os traços são displicentes, quase infantis, e isso remete ao lúdico da minha alma, me faz ser criança”.

De acordo com a página da Fundação Joan Miró, a obra representa estrelas, planetas, configurações básicas de caracteres essenciais como homens e mulheres. A linha ondulada representa um pássaro que reinventa o horizonte, contribuindo para a definição deste espaço e oferece uma nova visão da Cosmologia de Miró.

Durante seu trabalho, o artista também tentou criar meios de expressão metafórica, ou seja, descobrir signos que representassem conceitos da natureza em um sentido poético e transcendental. No início da segunda guerra mundial, pintou ainda a célebre Constelações, que simboliza a evocação de todo o poder criativo dos elementos e do cosmos para enfrentar as forças anônimas da corrupção política e social causadora da miséria e da guerra. Joan Miró morreu em Palma de Maiorca, Espanha, em 25 de dezembro de 1983.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …