DASARTES 12 /

O nome do jogo

Como o jogo pode influenciar a arte? Guy Amado tem a resposta.

A ideia de jogo é frequentemente invocada no âmbito da arte, pelas muitas analogias e aproximações automáticas que permite articular com o campo desta. Tanto numa atividade como na outra há diversos elementos presentes que convergem para reforçar essa pulsão. Ambos se organizam como sistemas, geridos por determinadas regras, e consistem portanto em atividades estruturadas, ainda que em graus diversos e em aberto.

Dos jogos propriamente ditos, uma associação que me atrai especialmente quando penso em paralelos com a arte, a meu ver inevitável mesmo, é a do snooker – ou sinuca. Trata-se de uma atividade que conjuga aspectos altamente ilustrativos desta aproximação, mesmo quando não se presta tanta atenção a isso. Não por acaso, vários artistas já tematizaram ou se apropriaram da sinuca em propostas diversas, seja por suas possibilidades plásticas ou por se mostrarem sintéticas de uma ideia de jogo, entre outros aspectos. Sem pensar muito, é possível lembrar de nomes como Nelson Leirner, Hélio Oiticica, Gabriel Orozco, Man Ray e Sherrie Levine, entre artistas que já recorreram ao repertório visual e simbólico da sinuca em seus trabalhos.

Desde a primeira tacada, entra em cena toda uma gama de fatores que parecem bastante familiares à experiência de produzir e/ou refletir sobre arte. Se não, vejamos: raciocínio, precisão, erro, destreza, acaso, estratégia, confiança, visão de jogo… e sorte e azar, eventualmente. Está tudo lá. E o estilo. Estilo não exatamente significando elegância, tampouco o controle absoluto sobre a situação; talvez um pouco de cada, mas sobretudo aquele inefável ponto em que poesia, suor e um modo próprio de pertencer àquela experiência se fundem em um jeito de se fazer, uma postura que parece sempre embutir certo grau de intimidade particular com o mundo. Mesmo que seja apenas um jogo.

Uma partida nunca se repete. O colorido das bolas à espera de serem postas para correr sobre sua superfície ativa uma sempre inédita sucessão de ritmos geométricos e cromáticos. Cor, ritmo, movimento, foco, concentração, antecipação. A textura do feltro, a aspereza necessária do giz, a rapidez das tabelas, a variação de peso dos tacos; todos são elementos determinantes no desempenho do praticante. Além disso, tem a temporalidade que é própria do jogo, com suas pausas e silêncios necessários para a próxima tacada. A plasticidade do conjunto é tão involuntária quanto inegável, embora amortecida, para quem esteja envolvido numa partida. Quem melhor capta as nuances formais do jogo é o espectador.

Jogo cerebral, jogo de coração, feito de polaridades: razão e intuição, ataque e defesa, lógica e acaso, ruído e silêncio, erro e acerto alternam-se no final do taco. Não descartando a possibilidade de enfrentar uma sinuca de bico, aquela em que não há saída aparente. É o nome do jogo, afinal. E o jogo é jogado. Objetivo? Jogar a próxima, ganhando ou não. De certa forma, não se ganha esse jogo – o jogo ganha sempre. Na vida como na arte, arriscarão alguns, provavelmente com razão – embora aqui seja difícil apontar onde termina um e começa o outro.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …