Apaixonada por arte, a atriz Carolina Kasting frequenta a Escola de Artes Visuais do Parque Laje, no Rio de Janeiro, em contato com a arte contemporânea. No entanto, foi uma pintura antiga que lhe veio à mente quando convidada a pensar na sua obra preferida: “Minha obra dos sonhos seria o quadro Noite Estrelada, do Van Gogh”, diz.

A tela de 1889 foi vista pela primeira vez pela atriz no Museu do Louvre. Pintada durante a internação do artista em um asilo do sul da França, a paisagem retratada mistura o real com elementos da sua imaginação, resultando em uma explosão de cores que saltam e vibram aos olhos de quem admira a obra. Segundo o pintor do século 19, “a noite é muito mais viva e colorida que o dia”.

Em Noite Estrelada, Van Gogh remete ao cinzento e ao ocre e mistura as cores com grandes quantias de tinta em cada pincelada, criando redemoinhos que dão a ilusão de movimento. As pinceladas de amarelo e branco sobre o fundo azul-escuro fazem com que as estrelas se abram como fogos de artifício, eternizando este efeito.

“Estudo a vida dele há muitos anos, fiz uma peça sobre as cartas que ele escreveu durante a vida e sou apaixonada pela intensidade criativa que ele tinha”, diz Carolina. O espetáculo apresentava uma face do pintor ainda desconhecida pelo público, porém não menos instigante, revelada em mais de seiscentas cartas com reflexões sobre a existência e a arte escritas pelo pintor.

Van Gogh já havia morado em Londres, Paris, Amsterdã e na Bélgica, onde trabalhou como pastor devido aos seus interesses religiosos e pela influência da família. Mas foi em Haia, em 1880, no retorno à sua cidade natal, que passou a dedicar mais tempo à pintura. Em vida, não obteve qualquer tipo de sucesso, seja profissional, seja amoroso ou social, não teve dinheiro, nem filhos, apenas pouquíssimos amigos. Só conseguiu vender um único quadro durante toda sua vida: A Vinha Encarnada. Apesar de seu enorme talento, o reconhecimento de seu trabalho só veio após a exibição das suas telas em Paris, em 17 de março de 1901, onze anos depois de ter sucumbido à depressão e dar um tiro contra o próprio peito.

Segundo pesquisadores, as últimas palavras de Van Gogh foram: “a tristeza durará para sempre”. Mas é a alegria que salta aos olhos de quem admira esta e muitas outras pinturas do artista. “Fiquei horas olhando o quadro, em êxtase pela vibração das cores, das estrelas, de toda a obra”, relembra a atriz, valorizando o talento desse eterno artista que, mesmo com sua vida arruinada, conseguia criar obras que foram e são admiradas tantos anos após ter nos deixado.

Compartilhar: