© Rômulo Fialdini

DASARTES 10 /

No vento e na terra

Ricardo Boechat ainda sonha com o quadro que já adornou sua sala.

Ricardo Boechat, qual a é a obra de arte dos seus sonhos?

“É uma peça dos últimos anos de Iberê Camargo, No vento e na terra. O quadro me incomoda, me perturba, me fascina.”

Atualmente, o jornalista Ricardo Boechat apresenta um programa de rádio diário todas as manhãs, das 7h às 9h, na BandNewsFM e, também, o Jornal da Band. Além disso, semanalmente assina uma coluna na revista Isto é. Em sua trajetória, deu expediente nos mais importantes veículos da mídia impressa e televisiva como os jornais O Globo, O Estado de S. Paulo, o Jornal do Brasil e O Dia, no SBT ( na sucursal carioca), e ocupou o cargo de diretor de jornalismo na TV Bandeirantes. Considerado um dos mais renomados jornalistas brasileiros, foi ganhador de três prêmios Esso.

Logo no começo da entrevista, este operário da informação vai logo se desculpando pela falta de originalidade, lembrando que outro participante desta seção na Dasartes #4 também apostou no artista gaúcho Iberê Camargo como autor da obra de seus sonhos: “Vi que o Paulinho escolheu o último quadro do Iberê, fantasmagórico, inacabado, como sua obra predileta. Não ficarei muito longe.”

Sem problemas, Boechat!

Gaúcho de Restinga Seca (1914), Iberê Camargo veio para o Rio de Janeiro, em 1943, e chegou a iniciar estudos na Escola de Belas Artes, mas se desligou por condenar o excesso de academismo vigorante na Escola. Pelo que se sabe, Iberê não integrou oficialmente especificamente nenhum movimento ou corrente artística, mas sua arte é, de fato, expressionista. Como os representantes deste grupo, Iberê pintava de dentro para fora de si. Usava o que tinha dentro de si para se expressar. Prova disso são pensamentos como “As coisas estão enterradas no fundo do Rio da vida” ou “Não pinto o que vejo, mas o que sinto”, ditas por ele. Teve Goeldi e Guignard como mestres e estudou com diversos professores tanto no Brasil quanto na Europa.

Sua extensa obra (algo em torno de 7 mil obras, incluindo mais de 3 mil desenhos e guaches, 1570 gravuras e 215 pinturas) hoje integra o Arquivo Artístico da Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre. Dentre seus trabalhos, destacam-se os carretéis, os ciclistas e idiotas que dariam maior reconhecimento a Iberê Camargo e o tornariam um nome reverenciado nacional e internacional. Sobre os carretéis, declarou serem reminiscências de sua infância no Rio Grande. “Eles estão impregnados de lembranças”, disse em depoimento a Flávio de Aquino. Já sobre os ciclistas, que iniciou em 1984 e finalizou dez anos depois, já no fim da vida, disse Iberê: “Entendo que a vida é uma caminhada. Os ciclistas de meus quadros são caminhantes, no fundo sem meta. (…) No andar do tempo, vão ficando as lembranças: os guardados vão se acomodando em nossas gavetas interiores. Me parece que minha pintura sempre parece resgatar o passado, reencontra as coisas que foram soterradas e ficaram perdidas no pátio (…).”

No vento e na terra (1991) é a obra dos sonhos idealizada por Iberê Camargo que povoa os sonhos de Ricardo Boechat e que ele interpreta e reflete assim: “Trata-se de peça também de seus últimos anos, da qual fez duas ou três versões, em tamanhos monumentais. Mostra um homem (um corpo) de bruços (morto?), numa paisagem desolada, ouvido colado ao chão, com sua bicicleta a separá-lo do horizonte distante. Me pergunto se esse homem teria sido atropelado e agonizava, esperando por socorro que não virá; ou se apenas interrompeu viagem a caminho do nada, deitou-se em silêncio e se entregou (sei lá a quê…)”. Em sua opinião, aquela é sua mais contundente criação. Ele conta que já o teve em casa por alguns meses, enquanto seu guardião (“ninguém pode ser dono definitivo da arte”) concluía uma reforma na galeria que o abriga no acervo. “Claro que precisei ‘detonar’ minha sala para acomodá-lo. E enfrentar os compreensíveis protestos de minha amada mulher. Enfim, Iberê é o nome”.

Nenhuma imagem anexada.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …