© Divulgação

DASARTES 36 /

Milton Machado -– Cabeça

Milton Machado – Cabeça
Centro Cultural Banco do Brasil – RJ
de 6 de agosto a 29 de setembro

Mapotecas são móveis comumente utilizados nos arquivos de instituições culturais com a finalidade de bem conservar seus acervos. Na prática, além de proteger uma obra de arte ou um documento, pode-se dizer que elas carregam a missão simbólica de guardar o conhecimento. Desassociadas dessa função, há em Cabeça, exposição de Milton Machado que ocupa o foyer e o segundo andar do CCBB-RJ, Heavy Metal, um trabalho em que o artista disseca o objeto ao mesmo tempo em que cria uma estrutura imponente ao empilhar de modo escalonado cinco mapotecas de aço, que, com suas gavetas abertas e esvaziadas, expõem a engenharia por trás desse material por meio de seus detalhes e sons de construção.

Organizada pelo próprio artista, Cabeça conta com aproximadamente 100 itens entre desenhos, pinturas, fotografias, objetos e vídeos, que atravessam a carreira de Milton, desde 1969 até o presente. No geral, pode-se considerar que a mostra abrange situações de racionalidade e imaginação: 4 somas nulas é exemplo de investigação, em um processo em que imagens abstratas são fatiadas e reorganizadas remetendo a uma operação matemática. Por outro lado, desenhos como Carpaccio em quatro fatias sob chuva fina parecem ter sido tomados a partir de uma observação cautelosa devido à porção de pormenores que apresentam. Ali há uma cidade completa, que em seu todo e detalhes revela um dado de ficção.

Afora os trabalhos mencionados nos parágrafos anteriores, a mostra tem como pontos altos História do futuro e 21 formas de amnésia. O primeiro, encabeçado pelo Módulo de destruição (grande estrutura em ferro no formato de cubo/gaiola), aborda, utilizando ricos esquemas a grafite e vídeo, um mundo mítico, uma distopia interligada por pontes, em que o Módulo, implacável, teria o poder de destruir e reconstituir cidades. Por sua vez, 21 formas de amnésia parte do recorte de 1.750 unidades de um desenho feito em 1982. A partir do reagrupamento desses fragmentos de 1 cm2 surgiram novas imagens (acompanhadas por comentários do artista), em que algumas estabelecem diálogo direto com momentos da história da arte, vide o Hesitating nude before descending a staircase.

Diante de um universo tão fecundo, é fato que nesse texto ainda ficou muito a ser discutido. Em resumo, pode-se dizer que a Cabeça, de Milton Machado, se oferece à livre missão de ser explorada. E nada resta a fazer senão colocar a cabeça para matutar.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …