© Divulgação

Mapotecas são móveis comumente utilizados nos arquivos de instituições culturais com a finalidade de bem conservar seus acervos. Na prática, além de proteger uma obra de arte ou um documento, pode-se dizer que elas carregam a missão simbólica de guardar o conhecimento. Desassociadas dessa função, há em Cabeça, exposição de Milton Machado que ocupa o foyer e o segundo andar do CCBB-RJ, Heavy Metal, um trabalho em que o artista disseca o objeto ao mesmo tempo em que cria uma estrutura imponente ao empilhar de modo escalonado cinco mapotecas de aço, que, com suas gavetas abertas e esvaziadas, expõem a engenharia por trás desse material por meio de seus detalhes e sons de construção.

Organizada pelo próprio artista, Cabeça conta com aproximadamente 100 itens entre desenhos, pinturas, fotografias, objetos e vídeos, que atravessam a carreira de Milton, desde 1969 até o presente. No geral, pode-se considerar que a mostra abrange situações de racionalidade e imaginação: 4 somas nulas é exemplo de investigação, em um processo em que imagens abstratas são fatiadas e reorganizadas remetendo a uma operação matemática. Por outro lado, desenhos como Carpaccio em quatro fatias sob chuva fina parecem ter sido tomados a partir de uma observação cautelosa devido à porção de pormenores que apresentam. Ali há uma cidade completa, que em seu todo e detalhes revela um dado de ficção.

Afora os trabalhos mencionados nos parágrafos anteriores, a mostra tem como pontos altos História do futuro e 21 formas de amnésia. O primeiro, encabeçado pelo Módulo de destruição (grande estrutura em ferro no formato de cubo/gaiola), aborda, utilizando ricos esquemas a grafite e vídeo, um mundo mítico, uma distopia interligada por pontes, em que o Módulo, implacável, teria o poder de destruir e reconstituir cidades. Por sua vez, 21 formas de amnésia parte do recorte de 1.750 unidades de um desenho feito em 1982. A partir do reagrupamento desses fragmentos de 1 cm2 surgiram novas imagens (acompanhadas por comentários do artista), em que algumas estabelecem diálogo direto com momentos da história da arte, vide o Hesitating nude before descending a staircase.

Diante de um universo tão fecundo, é fato que nesse texto ainda ficou muito a ser discutido. Em resumo, pode-se dizer que a Cabeça, de Milton Machado, se oferece à livre missão de ser explorada. E nada resta a fazer senão colocar a cabeça para matutar.

Compartilhar: