© Rossana Magri

DASARTES 34 /

Mayana Redin

Dois jovens artistas cujos olhares vão das cidades ao infinito.

Hamlet já advertira Horácio sobre o muito que há no céu e na terra que nossos esforços filosóficos não alcançam. Céu e terra são certamente termos e espaços de vastidão semântica que servem a diferentes propósitos, e Mayana Redin tem um pé em cada um desses territórios quando se trata de sua produção artística. Deixemos claro, entretanto, que ela se afasta de uma abordagem romântica ou metafísica: a artista, na verdade, volta sua atenção para aspectos geográficos e astronômicos.

Em sua pesquisa, ela se debruça sobre noções como as de infinito e intervalo, reelaborando-as a partir do contexto do mapeamento de corpos estelares que resultam na forma simbólica e ficcional dos desenhos das constelações. Os diferentes astros e suas dinâmicas lhe despertam interesse desde a infância, mas Mayana é “muito terrena” – assume-se, fundando um pretenso paradoxo. Pretenso porque, em seu processo, esses repertórios se tangenciam e se imbricam, não se opõem ou contradizem.

Essas questões são exploradas pela artista em múltiplos meios e, às vezes, de modo imprevisto, como no caso do inseto que, de repente, invadiu seu espaço de trabalho e, tal como a Terra faz em relação ao sol, pôs-se num movimento de translação em torno da lâmpada na luminária cônica. O flagra foi registrado e gerou o vídeo Órbita. A produção se inclina para o aspecto terreno, contudo, em trabalhos como as séries Geografia de encontros e A ruína, nas quais a artista promove uma reconfiguração imagética por meio da transformação conceitual de representações como a de países e acidentes geográficos na cartografia oficial, e de distintos pontos turísticos que figuram em cartões postais antigos.

Já em Cosmografia para Rio de Janeiro e Belo Horizonte, seus trabalhos mais recentes, os dois territórios se alinham na constituição de uma ficção urbano-celeste. A partir de nomes inspirados no repertório cosmológico, a artista traçou constelações que agrupam edifícios pela sua localização em tais cidades. Na apresentação dessa obra, letreiros que reproduzem a tipografia quase sempre retrô da identificação dos edifícios são distribuídos nas salas de exposição, materializando as constelações em uma confluência de projeções de espaços. Para saber mais sobre o trabalho da artista, visite http://mayanaredin.blogspot.com.br

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …