© Cortesia Philips

DASARTES 34 /

Lygia Clark

Lygia Clark e a produção que conquistou o mercado de arte mundial.

BUSCANDO O OURO: UM ESTUDO DE MERCADO – Está em cartaz no MoMA de Nova Iorque a principal retrospectiva já feita sobre a produção de Lygia Clark. Esta mostra é a primeira exposição abrangente de seu trabalho na América do Norte. Lygia Clark: The Abandonment of Art, 1948–1988 é composta por cerca de 300 obras feitas entre o final dos anos 1940 e 1988, ano de sua morte. Elaborada a partir de coleções públicas e privadas, incluindo o próprio MoMA, a curadoria foi pensada em torno de três eixos fundamentais: abstração, neoconcretismo e o “abandono” da arte. Cada um desses eixos ancora um conceito ou uma constelação de obras que marcam um passo definitivo na carreira de Clark. Enquanto o legado de Clark no Brasil é profundo, esta exposição agora chama uma maior e muito merecida atenção internacional ao seu trabalho.

Similar ao rápido aumento nos preços dos imóveis na Zona Sul do Rio de Janeiro em função da Copa do Mundo e das Olimpíadas, os preços de Lygia Clark subiram dez vezes nos últimos anos, antecipando a retrospectiva do MoMA. Agora que esta mostra monumental foi aberta, o que os profissionais podem prever para os preços após seu encerramento?

fSegundo Mary Sabatino, sócia e vice-presidente da Galerie Lelong, que há tempo vem atuando com obras de Lygia Clark, o mercado em relação às suas obras evoluiu consideravelmente nos últimos cinco anos. Antes, seus Bichos eram vendidos por algumas centenas de milhares de dólares e sendo colecionados amplamente por brasileiros e apreciadores de arte brasileira. “Agora, os Bichos atingem a marca de sete dígitos porque o mercado se tornou internacional”, diz Sabatino. “Não é que o seu trabalho foi ‘descoberto’; Clark tem sido incluída em todas as exposição importantes de arte latino-americana. Antes, ela apenas não era valorizada. As pessoas vem lentamente compreendendo que Hélio Oiticica e Lygia Clark fizeram profundas contribuições para a história da arte e, como os colecionadores de todo o mundo têm olhado para além de suas esferas geográficas recentemente, eles naturalmente encontraram Clark”.

Como resultado, o mercado de Clark se tornou mais profundo e mais amplo e desenvolveu uma escassez, o que o tem impulsionado ainda mais. Então para onde vamos a partir de agora – é uma bolha? “Os compradores sempre se antecipam em retrospectivas como essa”, continua Sabatino, “as vendas das obras de Lygia Clark talvez tenham encontrado seu lugar. Mas é uma artista que solidamente entrou para a história. É um trabalho caro? Certamente não quando comparado aos artistas de carreira em ascensão que temos visto nos leilões – embora quem sabe onde estaríamos no caso de uma recessão”.

Uma indicação de quão profunda e vasta a demanda por Lygia Clark se tornou aconteceu quando seu Bicho Parafuso Sem Fim (1960) foi colocado à venda com estimativa entre US$1,5 milhão e US$2,5 milhões no leilão da Phillips, em Nova Iorque, no fim de maio. Será que o Bicho vai pegar?

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …