© Onda, 2014

DASARTES 39 /

Luiz Zerbini

Com base em visões anteriores das pinturas quase fotorrealistas de Luiz Zerbini, que pareciam sufocar o espectador com imagens densas e a responsabilidade de “estudar” a arte por suas sérias “lições históricas” – cheguei à recente exposição dele, em março, no Galpão Fortes Vilaça, com alguma trepidação. Achava que sabia o que me esperava, mas […]

Com base em visões anteriores das pinturas quase fotorrealistas de Luiz Zerbini, que pareciam sufocar o espectador com imagens densas e a responsabilidade de “estudar” a arte por suas sérias “lições históricas” – cheguei à recente exposição dele, em março, no Galpão Fortes Vilaça, com alguma trepidação. Achava que sabia o que me esperava, mas estava errado!

Quem entrava no Galpão Fortes Vilaça era confrontado por uma mesa-vitrine longa e baixa, composta de compartimentos contendo uma paisagem abstrata, tridimensional, de areia, pedras e pedaços de coral e a eventual borboleta – tudo em acrílico transparente e colorido, riscado com linhas ondulantes sugerindo ondas. Era uma série artística de caixas do tesouro ecoando jardins zen japoneses, com sua areia cuidadosamente rastelada, bem como as caixas surrealistas mágicas de Joseph Cornell e as esculturas sensuais de Isamu Noguchi.

O trabalho encantou instantaneamente minha criança interior, bem meu adulto racional! Mais tarde, soube que se chama Natureza Espiritual da Realidade e já apareceu duas vezes antes, cada vez em uma variação diferente: em 2012, no show Amor, no MAM Rio, e, em 2014, na exposição Pinturas, realizada na Casa Daros, também no Rio de Janeiro.

Depois de me abaixar e levantar vorazmente para ver essa paisagem de diferentes ângulos, finalmente olhei para cima e vi, no final da galeria, uma pintura em escala mural de uma onda. Era uma magnífica onda em plena altura, do tipo que seduz surfistas; com sobreposições de grades abstratas e manchas biomórficas, a pintura sugere que, além de olhar para o tubo de uma vasta onda prestes a estourar, estamos ao mesmo tempo olhando para a lente de um microscópio. Verdadeiramente, a visão de um mundo caleidoscópico – lindo e ao mesmo tempo ameaçador de uma forma bíblica.

A pintura é chamada Onda e é um triunfo, a mais fina nova pintura em uma exposição pública que eu vi no último ano e um avanço para o artista, que nasceu em 1959, em São Paulo, mas vive e trabalha no Rio de Janeiro desde 1982. E, para mim, Onda e a exposição forneceram uma lição importante sobre ver arte. Você simplesmente nunca sabe quando um artista vai lhe nocautear, quebrar todas as suas queridas ilusões e fazê-lo perceber que você precisa voltar a olhar para toda a sua obra já conhecida para refletir e contextualizar.

Os preços para esta exposição totalmente vendida variaram de US$ 100 mil, para tamanho pequeno, a US$ 250 mil para Onda, que é a maior. Embora a galeria não divulgue o nome do sortudo comprador, o trabalho é, aparentemente, destinado a ser uma doação eventual a uma instituição pública brasileira. Felizmente, para aqueles de nós que vivem entre São Paulo e Nova Iorque, em breve haverá mais obras de Zerbini a serem vistas, já que o artista desfrutará de sua primeira exposição individual em Nova Iorque na galeria Sikkema Jenkins & Co., de Chelsea, no ano que vem.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Regina Parra: Eu me levanto

Não é a realidade que é exterior, é que não há exterior em uma prática artística em que o corpo …

Do mundo

500 anos de Tintoretto

Jacopo Robusti, conhecido como Tintoretto, nasceu em Veneza entre 1518 e 1519, não se sabe ao certo. Por ocasião de …

Flashback

Lasar Segall: ensaio sobre a cor

 

Nascido na comunidade judaica de Vilna (Lituânia), Lasar Segall (1891-1957) adquiriu formação acadêmica em Berlim e participou da Secessão de …

Alto relevo

Paul Klee

Poucos artistas do século 20 são tão singulares quanto o suíço Paul Klee. Sua obra é como um grande lago …

Garimpo

Coletivo Lâmina

Em sua 10ª edição, o já tradicional Salão dos Artistas sem Galeria apresenta duas mostras coletivas simultâneas em São Paulo, …

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …