© Elvira T Fortuna

DASARTES 36 /

Limites Sem Limites. Desenhos e Traços da Arte Povera

Limites Sem Limites. Desenhos e Traços da Arte Povera
Fundação Iberê Camargo – RS
de 22 de agosto a 2 de novembro

Com curadoria de Gianfranco Maraniello, Limites Sem Limites. Desenhos e Traços da Arte Povera apresenta obras de 12 artistas que fizeram parte do período artístico italiano que o crítico Germano Celant chamou, ao final dos anos 1960, de arte povera. Foram protagonistas desse momento pesquisas artísticas com materiais não convencionais que privilegiavam a ação, o gesto e a experiência em vez da obra fechada. Amarrada pelo discurso do desenho, a exposição mostra, por meio de produções de diferentes épocas – de 1960 até 2014, com a obra Ódio, de Gilberto Zorio composta especialmente para esta ocasião – como os artistas da arte povera encararam o uso do traço dentro de diferentes processos, em vez de colocá-lo unicamente a serviço de figurações. Um verdadeiro desafio, dadas as diferenças entre as pesquisas e os percursos de cada artista.

Na obra de Alighiero Boetti, por exemplo, o desenho é explorado como sistema de preenchimento repetitivo, enquanto no trabalho de Marisa Merz, única mulher da exposição, o traço forma uma malha nebulosa, tecida por meio da organicidade do cobre. Já nos espelhos de Michelangelo Pistoletto o desenho trans-borda: definida por grossas margens de madeira, a obra remete tanto aos limites do objeto quanto aos do observador – traços que unificam precocemente a imagem do eu. Assim como aconteceu com obras de Nuno Ramos, Waltercio Caldas e Regina Silveira, o edifício da Fundação Iberê Camargo se torna elemento na composição desses processos artísticos que extrapolam limites convencionados. Os quadrúpedes pré-históricos de Mario Merz avançam sobre o prédio, à medida que a textura epidérmica criada por Giuseppe Penone encontra vida através da ação do carvão sobre o feltro e concentra o olhar do espectador que percorre os caminhos curvilíneos do espaço expositivo projetados com maestria por Álvaro Siza. Se estar na Fundação Iberê Camargo já é pensar em desenho, estar nela enquanto acontece Limites Sem Limites é submergir nesta experiência de forma ativa a partir das infinitas possibilidades apresentadas pelos artistas da arte povera.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Alphonse Mucha

Alphonse Mucha é hoje um dos artistas tchecos mais famosos do mundo. Nascido em 1860 na região da Morávia, ganhou …

Destaque

Rosana Paulino: a costura da memória

Voz singular em sua geração, Rosana Paulino surgiu no cenário artístico paulista em meados dos anos 1990, propondo, de modo …

Do mundo

Anni Albers

Anni Albers começou seus estudos na Escola Bauhaus em Weimar em 1922. Apesar de seu desejo inicial de ser pintora, …

Reflexo

Vinicius SA por ele mesmo

O pensamento científico me influencia pela racionalidade, pelo cálculo e pela possibilidade de antever meus projetos. A prática artesanal é …

Garimpo

Marcel Diogo

A escolha dos leitores da Dasartes para o concurso Garimpo Online 2018/2019 é Marcel Diogo, somando a votação no site …

Resenhas

Resenhas

Intempéries permanentes e Ultramar
Referência Galeria de Arte
Intempéries permanentes – visitação até 23 de fevereiro
Ultramar – visitação até 26 de janeiro
POR …

Destaque

Jean-Michel Basquiat na Fundação Louis Vuitton

Inquebrável

Parece que palavras “tour de force” foram criadas para a exposição épica de Jean-Michel Basquiat na Louis Vuitton Foundation. A …

Matéria de capa

Andy Warhol: de A para B e vice-versa

“Eles não queriam meu produto. Ficavam dizendo ‘queremos sua aura’. Nunca entendi o que queriam.” – Andy Warhol
Esse trecho tirado …

Flashback

Constantin Brancusi

Constantin Brancusi (1876-1957) exibiu pela primeira vez sua escultura em Nova York, no Armory Show de 1913, ao lado de …

Do mundo

Jaume Plensa

“A escultura é a melhor maneira de fazer uma pergunta.” Jaume Plensa

“Firenze II”, de 1992, é um enorme ponto de interrogação …

Destaque

A vizinhança de Lucia Laguna

As pinturas de Lucia Laguna são inseparáveis do local onde foram feitas: o ateliê-casa da artista e os arredores do …

Garimpo

Gunga Guerra

Nascido em Moçambique e radicado no Rio de Janeiro, Gunga Guerra é a escolha do conselho editorial da Dasartes para …

Resenhas

Resenhas

Amsterdam Art Week
Museus e Galerias • Amsterdã • Países Baixos • 22 a 25/11/2018
POR SYLVIA CAROLINNE

Diversas foram as aberturas ao …

Matéria de capa

Os contos cruéis de Paula Rego

 

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

Pieter Bruegel, o velho

Bruegel é um moralista ou fatalista? Otimista ou cínico? Humorista ou um filósofo? Camponês ou habitante da cidade? Folclorista ou …